E a caridade, como é que fica?

(Autor: Profeta Gandalf)

Graças a internet uma rica e saudável discussão tem sido feita para acabar com as distorções inseridas no Espiritismo brasileiro pela FEB e seus médiuns-estrelas, no objetivo de voltar aos pontos iniciados por Allan Kardec nas suas pesquisas no século XIX.

Mas apesar das boas análises através de comentários e textos ricos de informação e muito bem escritos, quase todos se esqueceram de um detalhe: a caridade. Como a caridade deve ser analisada, sem a estereotipo de auxílio paliativo tão defendido pelos deturpadores do Movimento Espírita?

Allan Kardec havia mencionado que "fora da caridade não há salvação". Essa frase é bem famosa e virou um dos lemas da doutrina. Mas as análises que questionam o Movimento Espírita não mencionam nada sobre caridade, preferindo ignorar este aspecto.

Para piorar, a maioria dos críticos do Movimento Espírita resolveram virar simpatizantes do Capitalismo, uma ideologia que vai contra a caridade e cria todos os meios para que qualquer cidadão se rasgue todo até conseguir um lugarzinho ao sol (a não ser que "dê puxe o saco de algum patrão, chefe ou "líder"). 

Esses simpatizantes do Capitalismo vão contra os objetivos da caridade e mesmo que admitam que o que importa é cada um lutar por si só, o que eu concordo, simpatizar com o Capitalismo é um erro, pois embora o sistema estimule a luta individual pela sobrevivência, ao mesmo tempo cria meios de dificultar esta mesma luta. Metaforicamente, capitalistas querem que você saia do poço, mas eles mesmos tampam a saída do mesmo, sufocando quem está preso dentro deste poço. Isso é justo? Claro que não!

E como deve ser então a verdadeira caridade se ela não pode ser paliativa como o Movimento Espírita quer, nem sacrificante como os capitalistas anti-chiquistas gostariam que fosse?

O Espiritismo original estimulava o raciocínio e o discernimento. Analisar o que acontece ao nosso redor e propor soluções objetivas, que saibam distribuir todos os bens que temos ao nosso alcance, me parece a melhor forma de caridade. Isso não significa doação material apenas.

É preciso que entendamos os problemas do mundo e resolvê-los. Mas ao invés de resolver, o Movimento Espírita prefere dar esmolas, bens materiais de baixo custo (maioria usados), sopinhas, coisas que não resolvem, mantém os pobres na pobreza e só servem de desvio dos problemas reais que nunca acabam. Uma compensação apenas, que só serve para consolo.

O ideal seria que todas as frentes fossem atacadas. Que estimulasse o raciocínio humano para que, bem educado (não essa educação que está aí, que confunde memória com inteligência e é exclusivamente focada no mercado de trabalho), pudesse entender as coisas e resolver todos os problemas de forma racional, objetiva e com finalidades definitivas e duradouras. É entender que os seres humanos são todos habitantes de um mesmo lugar e que sem exceção, merecem um bem estar pleno.

Mas como o Movimento Espírita se sente bem com a burrice humana, escolas mantidas por centros vivem de fazer o mais-do-mesmo que outras escolas já fazem, sem diferencial de educação. Os líderes do Movimento Espírita sabem muito bem que se educarem de verdade, esses líderes e os que eles defendem caem e seus lucros acabarão deixando de chegar as suas mãos. Para eles, melhor que as coisas continuem como está.

Desenvolver o intelecto da sociedade como um todo é que é a verdadeira caridade. Esclarecidos somos fortes: ignoramos líderes, ignoramos mídia, ignoramos falácias. Esclarecidos temos condições de lutar melhor pelo nosso interesse e imunes a enganações, derrubamos toda a mesquinharia que existe para satisfazer uma meia dúzia de gananciosos. Essa deveria ser a melhor caridade: aquela que ensina a pescar.

Mas enquanto tivermos como opções a caridade paliativa do Movimento Espírita e o egoísmo capitalista que querem os combatentes do chiquismo, nada mudará, problemas e injustiças continuarão e a sociedade dará uma significativa travada na sua evolução espiritual, jogando no esgoto todas as lições de Kardec, que dizia que a salvação estava na caridade. E enfim, como as coisas estão, ninguém estará salvo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria