Como é que deixaram um ignorante e enganador encerrar a sua obrigação de reencarnar?

(Autor: Kardec McGuiver)

Para muita gente, se baseando nos contos de fada lançados pela Igreja Espírita brasileira, garante que o tão idolatrado Chico Xavier encerrou a sua obrigação de reencarnar por supostamente ter "alcançado a evolução máxima". Evolução máxima qual, cara pálida?

Eu pergunto aos admiradores do maior charlatão do mundo como é possível alguém cometer tantos erros para depois encerrar a suas encarnações e passar a "governar o universo". Certamente ele deve ter enganado a Deus, se é que Este existe. 

Não satisfeito em enganar seus fiéis com fraudes, mediunidade irresponsável (realmente se comunica com espíritos, que falsificam a sua identificação), deturpação doutrinária e sincretismo desnecessário (Chico Xavier era católico e inseriu um monte de dogmas e personagens na versão deturpada do espiritismo), segundo o que as pessoas acreditam, preferiu enganar as divindades e ir a planos mais elevados, assim, de graça, sem passar pelas fases necessárias para a atingir a evolução - o que entendo como uma forma de malandragem. Isso tudo além de ser submisso a lideranças e incapaz de tomar decisões. Há suspeitas de que o médium tivesse problemas mentais, o que não acho impossível.

Como um sujeito como esse pode ser considerado "de evolução máxima"? Qual é o critério de "evolução máxima"? Ficar rezando todos os dias? Passar a mão nas cabecinhas de sofredores que precisam de auxílio real e eficiente? Escrever livros e mais livros com mensagens de auto ajuda que poderiam ser resumidas em três frases? 

Como considerar de evolução máxima um cara que estragou toda uma doutrina com um monte de asneiras que contradizem os pontos originais estabelecidos após muito estudo na codificação?

Como considerar de evolução máxima um cara hesitante, de fala mole, submisso, incapaz de decidir e que só fazia o que as lideranças da Federação - que se diz - Espírita Brasileira ordenam?

Como considerar de evolução máxima um cara ao invés de desenvolver a sua crença, o Catolicismo, inserindo conceitos de espiritualidade nela, preferiu regredir o Espiritismo inserindo dogmas absurdos da igreja dos padres travando qualquer possibilidade de razão e de análise?

Como considerar de evolução máxima um entusiasta da pieguice infantil, do sentimentalismo barato, a ponto de ser chamado de "homem-amor" sem mover uma só palha?

Como considerar de evolução máxima um cara que nada fez para transformar a sociedade, que defendia ideias retrógradas e moralismo rígido, a ponto de defender a Ditadura Militar no auge de sua maior perversidade pedindo para orarmos pelos ditadores que segundo o ingênuo médium "construíam o Reino de amor" na base da porrada?

Como considerar de evolução máxima um cara que nada fez de concreto pela humanidade e enganou todo mundo, além de arruinar uma doutrina que seria transformadora, reduzindo a uma incentivadora da inercia e do conformismo piegas?

Nunca precisamos de Chico Xavier. Nunca precisaremos. Se a justiça divina existe, Chico Xavier reencarnou de novo e ele pode estar aí do seu lado todo sujo, varrendo algum chão e totalmente iludido com as mentiras que as pessoas ao seu redor dizem a ele. 

Pois para quem mentiu muito, viver ouvindo mentiras é a melhor e mais justa punição.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria