A paixão irracional dos defensores de Chico Xavier

(Autor: Kardec McGuiver)

Apesar do "Espiritismo" brasileiro ficar insistindo na conversa fiada de "fé raciocinada", de que "prefere a ciência" e outras inverdades hipócritas, age como todas as outras crenças, com fé cega, dogmas absurdos lideranças superestimadas e muita teimosia por parte dos seguidores.

Quando os convidamos a retomar a fidelidade espírita, os seguidores de Chico Xavier, o maior e mais influente entre os muitos deturpadores da doutrina Espírita no país, se contorcem de raiva e fingem estar sendo fiéis a doutrina, pensando que o retrógrado médium mineiro simbolizasse a atualização da doutrina. Agindo e pensando como um católico medieval? Nãããããoooo!!!!

Os fiéis devotos de Chico Xavier agem iguaizinhos os fiéis de Igrejas Pentecostais, defendendo com teimosia um tanto raivosa ídolos e dogmas, mesmo que estes não tenham nenhum sentido que os valide.

E na hora de usar algum argumento para defender Chico Xavier, apelam para clichês ou para teses que tentam confirmar a falsa mitologia, quase sempre sem alguma explicação lógica. Quando nenhum argumento funcionam, preferem lançar mão da revolta pelo ídolo contestado a ter que mudar seu ponto de vista. Bom lembrar que para muitos, Chico Xavier é uma Zona de Conforto em forma humana.

Os defensores do médium, em sua maioria não estão dispostos a diálogo. Acreditam estarem certos pelo simples fato de estarem do lado do "homem mais evoluído da Terra", aquele que "sabe tudo". Se acham que estão com aquele que "sabe tudo", acham que "sabem tudo" também. Os anti-chiquistas, mais racionais, que se calem e orem.

E assim, o Espiritismo, que deveria ser uma ciência racional, se auto-destrói, unindo-se as outras crenças a defender os absurdos da fé cega e a passividade da devoção contemplativa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria