Pular para o conteúdo principal

Bondade, a Escrava da Fé

(Autor: Petrônio Vieira)

Num mundo governado pelo Ódio, no qual a Fé é a primeira-ministra, a Bondade é, desta, sua escrava. Enquanto a Fé tem com colaboradora a Pós-Verdade, instituição resultante da fusão da Mentira, da Mitificação, da Persuasão e da Desculpa, fazendo com que a Lógica e o Bom Senso sejam reprimidos e façam o trabalho forçado de só atuarem para legitimar atitudes, abordagens ou pontos-de-vista retrógrados ou injustos, a Bondade é isolada no cativeiro da Religião.

O Ódio passeia pelos vários cantos do "mundo virtual", e a Fé, sustentáculo da Religião, embora reprovasse o Ódio, acaba se compactuando com ele, pois a Pós-Verdade, a mega-instituição que combina mentiras e persuasões conectadas com a mania de argumentar o ilógico e o injusto. A Fé busca então apelar a um novo colaborador, o Apelo à Emoção, conhecido pelo nome de Ad Passiones.

O Ad Passiones embeleza medidas retrógradas, injustas ou paliativas - quando tenta trazer benefícios, mas eles são muito poucos em quantidade e muito fracos em qualidade - , dando à Pós-Verdade uma reputação divina, transformando a Fé numa vedete e a Religião numa tábua de salvação. A Bondade se reduz a uma serviçal, que pouco pode fazer senão dar publicidade e prestígio à Fé, à Religião e, principalmente, à Pós-Verdade, déspota que submeteu a si a Lógica e o Bom Senso, que tiveram seus recursos de argumentação e convencimento roubados por ela.

A Pós-Verdade tem sua segurança, a Mentira Confortadora, que distorce a Realidade em troca de premiar os crédulos com a Esperança. Investe num ser disforme, a Bênção, amiga tão conhecida da Fé. A Bênção ninguém diz que aparência tem, que forma, que perfil, mas todos acham bela de todo jeito, como se quisessem ter intimidade e devoção a um desconhecido.

E a Bondade, que poderia ter sua atuação livre e ampla, fica escrava a esses entes. Vê a Lógica e o Bom Senso em suas celas, como prisioneiros da Pós-Verdade, que com sua comparsa, a Visibilidade, seleciona quem deve ou não influenciar as pessoas, pouco importando o caráter ou a qualidade de seus atos, intenções e opiniões. A Pós-Verdade criou uma animosidade da Visibilidade com a Lógica e o Bom Senso. Assim, a Visibilidade passou a colaborar para promover a futilidade e o supérfluo como se fossem coisas essenciais.

A Bondade, coitada, só faz poucas ajudas. Ela está a serviço da Fé, que prefere o Mito à Realidade, e da Religião, executora dos devaneios da Fé. A Bondade mal ajuda uns poucos necessitados, e o "benfeitor" da ocasião, o Ídolo Religioso, já festeja demais com uma projeção já conquistada com sua oratória, um habilidoso espetáculo de belas palavras, que de tão enfeitadas parecem combinar malabarismo e balé.

Quando a Bondade trabalha, o Ídolo Religioso se envaidece com os poucos resultados obtidos. Ele arranca aplausos e lágrimas de comoção da plateia, enquanto apenas meia-dúzia de pessoas carentes recebem apenas uns parcos benefícios. O Ídolo Religioso, que pela sua projeção poderia cobrar das elites do Dinheiro e do Poder, recursos para ampliar os trabalhos da Bondade, prefere elogiá-las até para receber das mesmas medalhas e condecorações.

Mas o Ídolo Religioso é um coreógrafo das palavras. Ele é um admirável servidor da Pós-Verdade. Tenta explicar sua condescendência com as elites com um discurso pretensamente conciliador, belíssimo na forma. Alega que as elites já ajudam lhe fornecendo prêmios e homenagens diversos, da mesma forma que os aristocratas ajudam se sentando para ouvir a oratória do Ídolo Religioso.

Com isso, a Bondade não pode atuar livremente. Ela serve a uma instituição da Religião. Mesmo quando entra nas redes sociais da Internet, a Bondade, embora em tese anunciada como livre e de atuação ilimitada, é tratada como se fosse a serva da Fé, como se ela, servindo a esta e à Religião, só tem sentido quando apoia a supremacia do Mito sobre a Realidade, e admite que a Lógica e o Bom Senso, reprimidos, sejam prisioneiros da Pós-Verdade, lhes dando a ela técnicas de argumentação e convencimento que só justificam ações retrógradas, injustas e restritivas.

Coitada da Bondade. Tão adorada, porém tão maltratada. Tão bajulada, mas submetida a tantos desserviços. Escrava da Fé, a Bondade está a serviço do Mito e não da Realidade. Submete-se a promover a vaidade do Ídolo Religioso, que mais comemora do que ajuda. É explorada pela Pós-Verdade, justificando suas práticas abusivas. Compartilha dos suplícios da Lógica e do Bom Senso, forçados a oferecer a fórmula de argumentação e convencimento à Pós-Verdade.

Em muitos casos, a Bondade, na sua condição de Escrava da Fé, é patrulhada pelo Ódio que, juntamente com a Pós-Verdade, atua nas redes sociais da Internet organizando um exército de internautas que cometem práticas abusivas contra quem não concordar com essa estrutura desigual que transforma a Bondade numa serviçal menor, apenas como escudo para uma série de valores obscurantistas e retrógrados em andamento. Como é difícil ser Bondade num mundo tão radicalmente injusto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Silêncio da imprensa em torno do caso Divaldo Franco-João Dória Jr. é grave

(Autor: Professor Caviar)
De repente, até a imprensa de esquerda desaprendeu a fazer jornalismo. O prefeito de São Paulo, João Dória Jr., enquanto divulgava a intragável "farinata", composto alimentar de procedência e valor nutricional duvidosos, exibiu o tempo todo a camiseta do evento Você e a Paz, comandado pelo "médium" Divaldo Franco. O silêncio total da imprensa quanto a este aspecto tem muito o que dizer, e não são coisas boas.
Em primeiro lugar, João Dória Jr. não exibiu a camiseta do Você e a Paz porque foi a única camiseta branca que encontrou ele que costuma usar camisas de colarinho e paletó. Também não foi uma iniciativa comparável à de um moleque usando camiseta de banda. Houve um propósito para João Dória Jr. aparecer vestindo a camiseta do Você e a Paz, na qual havia o crédito do nome de Divaldo Franco.
Nenhum jornalista, por mais investigativo que fosse, chegou sequer a perguntar: "ora, se a 'farinata' era apoiada pela Arquidiocese de…

Por defender a ditadura militar, Chico Xavier devia perder homenagens em logradouros

(Autor: Professor Caviar)

Pode parecer, para muitos, cruel e injusto, mas a verdade é que Francisco Cândido Xavier deveria perder as homenagens dadas a logradouros por todo o país.
Na famosa entrevista ao programa Pinga Fogo, em julho de 1971, Chico Xavier exaltou a ditadura militar, com muita convicção, e disse para orarmos para as Forças Armadas, porque os militares estavam construindo o "reino de amor" do Brasil futuro.
Demonstrando um raivoso direitismo, Chico Xavier simplesmente disparou comentários contra manifestantes sem-terra e operários, com um reacionarismo descomunal e que muitos não conseguem imaginar, apegados à "dócil imagem" atribuída ao anti-médium mineiro. Quem duvida, é só ver o vídeo no YouTube. E é o próprio Chico Xavier quem diz, para tristeza de seus seguidores.
Ele defendeu a ditadura militar num contexto em que ela se mostrou bem mais repressiva. Era a época do DOI-CODI, principal órgão de repressão, que aprisionava, torturava e matava pri…

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

(Autor: Artur Felipe Azevedo)
Nosso Sistema Solar é composto de 8 planetas. Um leitor anônimo escreveu um comentário, dizendo o seguinte:

"Respeito a opnião (sic) de vocês, mas estão um pouco desatualizados. Se não sabem, foi descoberto um planeta próximo a Plutão, denominado Planeta X, mas que anteriormente foi citado pelo medium Chico Xavier como o Planeta Chupão. Se voces ligarem a teoria espirita com a lógica, viriam que jamais ela errou, mas se exitam em falar sem ao menos saber em que se resume tal coisa. http://geniusvirtual.blogspot.com/2009/07/seria-o-apocalispe-o-planeta-chupao.html  Esse link acima é para a reportagem completa, e abaixo dela está a fonte. Essa repostagem nao é espirita, é científica.
Parem um pouco e leiam para depois falar. É por isso que sempre digo: NÃO PODEMOS FALAR MAL DE ALGUMA COISA QUE NAO CONHECEMOS COMPLETAMENTE, APENAS SE APOIANDO EM SUPOSTOS COMENTARIOS OU SUPOSIÇÕES."


Bem, vemos que o colega ramatisista parece convencido da existência do …