Porque não uso a palavra "desencarne"

(Autor: Profeta Gandalf)

Quem visita este blogue tem notado que de uns tempos para cá, eu tenho evitado usar as palavras "desencarne", "desencarnado" e o verbo "desencarnar", tão comuns entre os seguidores da doutrina. Apesar de serem palavras corretas, eu estou evitando a sua utilização. E vou explicar o porquê.

As palavras significam "sem a carne", já que não apenas para o Espiritismo, mas também para a lógica (a Física quântica está secretamente em estudos avançados sobre isso), apenas o corpo perece e a alma, o verdadeiro ser que controla o corpo, não morre jamais, vivendo para sempre, seja sem corpo ou com outros corpos.

Mas para a opinião pública, o termo "desencarne" e seus derivativos estão muito estigmatizados não só com o Espiritismo, como nessa alteração irresponsável existente no Brasil e que infelizmente também é conhecida como "Espiritismo" , centrada nas ilusões difundidas por Chico Xavier.

Como não quero mais me envolver coma forma deturpada da doutrina - e infelizmente é o "Espiritismo" que a maioria das pessoas, sejam espíritas, "espíritas" e não-espíritas, conhecem, prefiro evitar seus jargões, seu vocabulário estereotipado.

Prefiro continuar usando "morte, "falecimento" e outros similares, pois mais errados que sejam. Pelo menos não sou colocado sob a influência negativa de Chico Xavier e de seus "mestres" obsessores. 

Justamente porque enquanto o Espiritismo estiver associado ao Chico Xavier, não me assumirei publicamente como espírita, preferindo passar longe de qualquer coisa que me defina como tal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria