Chico Xavier, o "homem-bondade" quis que aceitássemos o sofrimento com amor e alegria

(Autor: Kardec McGuiver)

Não tem jeito. É arraigada na sociedade a ideia falsa de que Chico Xavier foi o homem mais bondoso da face da Terra. Sem qualquer prova real da prática de sua bondade, esse dogma é defendido com base exclusiva na fé cega e na confiança no mito do médium, que correspondia aos estereótipos de bondade em que a maioria das pessoas acredita.

Mas Xavier também tinha o seu lado ruim. Deturpou o Espiritismo, alterando gravemente a interpretação das obras codificadas e inserindo uma avalanche de enxertos estranhos à doutrina. Isso se deve pelo fato do médium ser católico de carteirinha, preferindo a religiosidade cega de sua crença à lucidez científica do Espiritismo proposto por Allan Kardec, este solenemente esquecido pelos brasileiros que preferem idolatrar o médium intruso falsamente bondoso.

Mas uma das maldades do "bondoso" Xavier foi enfiar na cabeça de seus seguidores a cruel ideia de que não deveríamos deixar de sofrer. De que através do sofrimento "alcançamos a felicidade" e "subimos mais um degrau na evolução espiritual". ALTO LÁ, XAVIER!!! As coisas não são bem assim como o senhor pensava!

Sofrer nunca é bom e não evolui ninguém. O que evolui é a tentativa de sair do sofrimento. Só criando meios de eliminar a dor é que alcançaremos a evolução e o bem estar. Uma pessoa que vive com fome não vai evoluir se ficar parada aceitando a fome. Ela só vai se evoluir se criar meios de eliminar essa fome. 

Xavier foi mito cruel em dizer isso, deturpando complemente a doutrina, que estimulava a racionalidade e o esforço. Para os defensores do médium que acreditam que ele nunca agiria desta forma eu lanço uma declaração, nas palavras dele mesmo: "felicidade é sofrer amando". Amando?

Em várias oportunidades, Xavier referiu aconselhar as pessoas o sofrimento em silêncio, a aceitação submissa da dor e a não eliminação dos problemas. Católico e inspirado no mito mal interpretado do sofrimento de Jesus, aconselhava-nos a aceitar cegamente a dor, pensando que ela em si seria um caminho para a suposta sabedoria espirital. Algo que não faz o menor sentido.

Mais um aspecto da mitologia do falso sábio atribuído a Chico Xavier é derrubado. Não dá para classificar de "homem mais bondoso da Terra" alguém que vivia aconselhando a aceitar sofrimento. O médium contraiu uma séria dívida a ser cobrada na reencarnação atual - pensaram que ele não iria reencarnar, hein? Hein? -  já que do contrário que muitos pensam, ele não chegou a evolução máxima. Para tanto, teria que "comer muito feijão" para chegar a um nível medíocre (ele estava aquém até disso) de racionalidade, já que Xavier era ignorante demais para ser considerado um "sábio superior" pelos tolos que ainda o idolatram.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria