Ateísmo seria o motivo de Chico Xavier querer destruir o "Velho Mundo"

(Autor: Kardec McGuiver)

Muitos gostam de associar a pseudo-profecia Data Limite à ciência e a aspectos científicos. De fato, o Espiritismo surgiu de uma iniciativa científica. Mas Chico Xavier nada tem a ver com isso, pois nem era cientista, nem era sequer espírita: era católico fanático e praticante e sempre encontrava oportunidade para enfiar no Espiritismo enxertos de sua fé mais do que cega, deturpando e causando inúmeras confusões que impediram a compreensão melhor da doutrina.

Por isso mesmo, a teoria da "Data Limite" em que um alucinado como Geraldo Lemos Neto transformou em profecia, servindo de propaganda para a versão deturpada do Espiritismo, é na verdade pura tese religiosa. Vindo de um religioso como Xavier, claro que a "profecia" nada teria de científica, sendo fé cega pura. Isso explica a presença de muitos absurdos no "Data Limite".

Muitos de seus aspectos são puramente religiosos, resultantes de um mero sonho que o beato de Uberaba teve, e que possivelmente foi aumentado por Geraldo, certamente interessado em tirar proveito do sonho convertido em profecia.

Obviamente, o sonho trouxe novos dogmas à Igreja Espírita. Certamente na ânsia de fazer nascer um novo fanatismo que fizesse crescer o número de fiéis da Igreja Espírita. Ate pelo medo do que poderia acontecer com a Terra se não seguissem as ordens do Gigante Invisível e do hipongo andarilho, presentes na "importante reunião" relatada no delirante sonho.

E claro, foi incluída a "previsão" de que o primeiro mundo seria quase todo destruído e que o Brasil, não apenas seria preservado como lideraria o mundo. Adivinhem porquê? Pela sua religiosidade e fidelidade ao Cristianismo. Que bonitinho!

E um detalhe importante: os países a serem destruídos ou tem alto índice de ateus ou predominam religiões não-cristãs. Chico Xavier praticando intolerância religiosa na lata!!! Para ele só o Cristianismo basta. Papo tão chato que fez até o Jared Leto mudar de aparência.

Olhem só, o "homem mais bondoso da Terra", aquele que as pessoas tem a mais absoluta confiança cega e aquele que muitos tem medo de criticar... Se for cristão, será poupado. Se não, sifu! Lindo o pseudo-espiritismo do intruso Chico Xavier! E com o aval de Geraldo, que tratou de alimentar a fogueira. Fogueira que iria agradar aos pentecostais.

Se ainda não apareceu nenhuma evidência da existência do hipongo de Nazaré (o Jesus Historico é outra História, o de Xavier era o Mistico mesmo, o da Igreja), como a ciência pode dar o aval a uma tolice com base na fé cega, tipicamente de Igreja? Como pode haver ciência em algo que soa proselitismo puramente religioso de um único grupo?

E será preciso todo mundo virar cristão para que possa ser salvo neste suposto cataclismo que vai cotra o que está escrito em A Gênese de Allan Kardec? Para o beato de Uberaba sim, porque tido às vezes como discípulo, como parceirão, e até como o próprio Kardec, Chico Xavier vivia diariamente contradizendo o mestre de Lyon, fazendo os trouxas crerem que estava sendo fiel às origens. Acordem, o negócio de Xavier era o Catolicismo Apostólico Romano, o do Vaticano, com santos, ritos, terço, musiquinha e o escambau!

Sinceramente este tal de "Data Limite" é uma coisa cheia de detalhes sem pé nem cabeça, que nega Kardec e que só serve para fazer propaganda do Cristianismo. Tomara que ninguém leve a sério essa palhaçada e que perceba que a Terra vai muito bem obrigado e que todos caminharão para a felicidade, seja de que crença e não crença for, mesmo que Jesus nunca tenha existido.

E que parem de tratar o alucinado Chico Xavier como "sábio". Um cara que não sabia nada sobre coisa nenhuma e que nunca, mas NUNCA estudou Espiritismo, não merece ser ouvido por ninguém, sob o grave risco de pormos em prática um festival de tolices. Tolices típicas da seita de papalvos em que uns espertinhos transformaram o Espiritismo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria