Pular para o conteúdo principal

Muitos acreditam que deturpadores salvarão Espiritismo no Brasil

(Autor: Professor Caviar)

Com a crise do "movimento espírita" atingindo graus extremos, mais uma vez a situação se volta aos anos 1970, mais ou menos entre a aposentadoria e a morte do então presidente da FEB, Antônio Wantuil de Freitas, quando a cúpula da doutrina brasileira começou a entrar em sério conflito com as federações regionais.

Surgiram denúncias de que a FEB obtivera lucros financeiros com as vendas dos livros - em tese destinados à caridade - e que o poder central da federação nacional desagradava as federações regionais, que, resolvendo agir em revanche ao Pacto Áureo de 1949, iniciaram a "fase dúbia" na qual o igrejismo de raiz roustanguista não era abandonado, mas disfarçado com artifícios que dão a falsa impressão de "recuperação das bases espíritas originais".

A "fase dúbia" popularizou o "espiritismo" igrejista e criou um falso equilíbrio entre o espiritismo "místico" (catolicizado) e o "científico" (ligado às ideias espíritas originais lançadas por Allan Kardec), e a coexistência do joio igrejeiro e do trigo kardeciano criou uma falsa estabilidade que fez muitos imaginarem ver o "espiritismo" brasileiro como uma doutrina transparente, equilibrada e despretensiosa.

Mas as contradições graves, escondidas sob o tapete, se acentuaram cada vez mais. Se o nome de Jean-Baptiste Roustaing virou um palavrão, seus "ensinamentos" se propagaram, sobretudo através de romances "espíritas" e de pregações de Francisco Cândido Xavier e Divaldo Pereira Franco. Este último se tornou o maior astro da "fase dúbia", através de ares professorais que, para os leigos, o faziam ser confundido como um seguidor exemplar do pedagogo de Lyon.

O auge de popularidade, com a reinvenção do mito de Chico Xavier, e a ascensão de Divaldo Franco revela o sucesso relativo da "fase dúbia" que prometia criar um "espiritismo ideal", com a coexistência "equilibrada" de ideias científicas com crenças igrejeiras. Mas isso tornou-se ainda pior do que a campanha agressiva de Wantuil, que fez o "espiritismo" virar mais um fenômeno pitoresco e sensacionalista do que uma religião em busca de popularidade.

Neste caso, a "fase dúbia" tentou evitar sensacionalismos e conflitos. O "movimento espírita" passou a enfatizar a ação das federações regionais, em detrimento do poder central da FEB. A deturpação se tornou mais light e os deturpadores que não faziam parte da cúpula da FEB ou dela se afastavam - como Chico e Divaldo - passaram a bajular os espíritas autênticos e virar elogiadores baratos de qualquer personalidade científica, ativista e humanitária que encontrarem pela frente.

Daí tantos artigos em publicações "espíritas" bajulando todo tipo de benfeitor autêntico: Martim Luther King, Mahatma Gandhi, Paulo Freire, os irmãos Dom Paulo e Zilda Arns, Charlie Chaplin, e por aí vai. Toda a roupagem de "caridade" e "amor" parecia fazer o "espiritismo" brasileiro se tornar a religião dos sonhos de todo brasileiro. Mas isso não ocorreu.

O que se viu foi um aspecto bastante sombrio. As pregações "espíritas", sobretudo da parte dos "médiuns" dotados de muito estrelato e beneficiados pelo culto à personalidade, sucumbiram a um conservadorismo católico que nem a Igreja Católica prega mais, contrariando a imagem futurista que tanto se atribui ao "espiritismo" no Brasil.

Os "espíritas" passaram a pregar a Teologia do Sofrimento, corrente medieval católica que o "espiritismo" adotou via Chico Xavier, e que remete ao pensamento medieval dos primeiros tempos do Catolicismo. Na prática, o "espiritismo" brasileiro se aproximou do imperador Constantino e se afastou de Allan Kardec.

A dissimulação de muitos palestrantes "espíritas" não adiantou. Uns criticavam a "vaticanização" e os "novos Constantinos", mas exaltavam tudo isso que reprovavam no discurso. Outros citavam Erasto, ignorando que eram eles mesmos os maiores alvos das críticas do discípulo de Paulo de Tarso, e desprezavam que Erasto criticava muitas práticas feitas com muito gosto pelos "médiuns" brasileiros.

Isso só fez acentuar a crise, porque os verdadeiros problemas nunca foram resolvidos. Os deturpadores do Espiritismo no Brasil apenas se dividiram entre o "alto clero" isolado nos escritórios centrais da FEB e os "astros" que fingiam "recuperar as bases doutrinárias". Mas o igrejismo no "espiritismo" brasileiro ficou tão forte que, no Brasil, o legado kardeciano se rebaixou a uma recuperação não de suas bases doutrinárias, mas das bases obsoletas e austeras do velho Catolicismo jesuíta do período colonial.

Diante desse impasse, os "espíritas" por enquanto se ocupam de ser apenas um receituário moral e um arremedo de filantropia, mostrando a erosão doutrinária que deixou acontecer. E o velho fantasma (desculpem o trocadilho) da velha promessa de "aprender melhor Kardec" vem à tona, com os mesmos deturpadores falando em "viver Kardec" e cobrando dos "espíritas" atitudes que nem os próprios deturpadores se interessariam em tomar.

É a velha ameaça dos deturpadores comandarem uma suposta recuperação "pra valer" das bases espíritas originais. A velha falácia das raposas querendo recuperar o galinheiro que destruíram. E nós somos "convidados" a aceitar a "fraternidade da raposa com as galinhas" do "espiritismo" brasileiro, acreditando na "bondade" dos deturpadores, que com um arremedo chinfrim de caridade, se promovem como ídolos religiosos absolutos, gozando para si a imunidade social que nem os políticos do PSDB possuem mais.

Isso vai ser ruim porque, se continuarmos dependendo dos deturpadores do Espiritismo para recuperar as bases doutrinárias originais, o legado de Kardec no Brasil será sempre manchado pelas eternas contradições igrejeiras e vaticanizadas que nos impedem a ver a verdadeira natureza do espírito e do mundo extra-corporal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Silêncio da imprensa em torno do caso Divaldo Franco-João Dória Jr. é grave

(Autor: Professor Caviar)
De repente, até a imprensa de esquerda desaprendeu a fazer jornalismo. O prefeito de São Paulo, João Dória Jr., enquanto divulgava a intragável "farinata", composto alimentar de procedência e valor nutricional duvidosos, exibiu o tempo todo a camiseta do evento Você e a Paz, comandado pelo "médium" Divaldo Franco. O silêncio total da imprensa quanto a este aspecto tem muito o que dizer, e não são coisas boas.
Em primeiro lugar, João Dória Jr. não exibiu a camiseta do Você e a Paz porque foi a única camiseta branca que encontrou ele que costuma usar camisas de colarinho e paletó. Também não foi uma iniciativa comparável à de um moleque usando camiseta de banda. Houve um propósito para João Dória Jr. aparecer vestindo a camiseta do Você e a Paz, na qual havia o crédito do nome de Divaldo Franco.
Nenhum jornalista, por mais investigativo que fosse, chegou sequer a perguntar: "ora, se a 'farinata' era apoiada pela Arquidiocese de…

Por defender a ditadura militar, Chico Xavier devia perder homenagens em logradouros

(Autor: Professor Caviar)

Pode parecer, para muitos, cruel e injusto, mas a verdade é que Francisco Cândido Xavier deveria perder as homenagens dadas a logradouros por todo o país.
Na famosa entrevista ao programa Pinga Fogo, em julho de 1971, Chico Xavier exaltou a ditadura militar, com muita convicção, e disse para orarmos para as Forças Armadas, porque os militares estavam construindo o "reino de amor" do Brasil futuro.
Demonstrando um raivoso direitismo, Chico Xavier simplesmente disparou comentários contra manifestantes sem-terra e operários, com um reacionarismo descomunal e que muitos não conseguem imaginar, apegados à "dócil imagem" atribuída ao anti-médium mineiro. Quem duvida, é só ver o vídeo no YouTube. E é o próprio Chico Xavier quem diz, para tristeza de seus seguidores.
Ele defendeu a ditadura militar num contexto em que ela se mostrou bem mais repressiva. Era a época do DOI-CODI, principal órgão de repressão, que aprisionava, torturava e matava pri…

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

(Autor: Artur Felipe Azevedo)
Nosso Sistema Solar é composto de 8 planetas. Um leitor anônimo escreveu um comentário, dizendo o seguinte:

"Respeito a opnião (sic) de vocês, mas estão um pouco desatualizados. Se não sabem, foi descoberto um planeta próximo a Plutão, denominado Planeta X, mas que anteriormente foi citado pelo medium Chico Xavier como o Planeta Chupão. Se voces ligarem a teoria espirita com a lógica, viriam que jamais ela errou, mas se exitam em falar sem ao menos saber em que se resume tal coisa. http://geniusvirtual.blogspot.com/2009/07/seria-o-apocalispe-o-planeta-chupao.html  Esse link acima é para a reportagem completa, e abaixo dela está a fonte. Essa repostagem nao é espirita, é científica.
Parem um pouco e leiam para depois falar. É por isso que sempre digo: NÃO PODEMOS FALAR MAL DE ALGUMA COISA QUE NAO CONHECEMOS COMPLETAMENTE, APENAS SE APOIANDO EM SUPOSTOS COMENTARIOS OU SUPOSIÇÕES."


Bem, vemos que o colega ramatisista parece convencido da existência do …