Alguém ainda acredita no tal de Chico Xavier?

(Autor: Kardec McGuiver)

O "Espiritismo" brasileiro virou uma tremenda bagunça doutrinária. Um festival de contradições e absurdos que vão contra a racionalidade proposta pela doutrina originalmente codificada na França. Sem argumentos convincentes para explicar os absurdos colocados como enxerto na versão brasileira da doutrina, ela decai gradativamente, nunca saindo dos 2% de adeptos declarados (que podem nem ser adeptos de fato), aponto de perder adeptos nos últimos anos.

Chico Xavier pode até não ter sido pioneiro na deturpação de uma seita que já nasceu confusa. Os primórdios da FEB já demonstraram maior apreço ao igrejismo de Jean Baptiste Roustaing do que na ciência de Kardec, esta usada apenas como objeto de bajulação e "cartório" para autenticar absurdos. Mas Xaver foi o responsável pela popularização de uma seita que a cada dia se tornava mais confusa e contraditória, além de priorizar uma forma piegas de religiosidade que elimina de maneira fulminante qualquer forma de racionalidade.

Poderíamos resumir a trajetória de Xavier no "Espiritismo" brasileiro da seguinte forma: um beato católico, supostamente paranormal que agradou aos dirigentes da FEB e que foi transformado em semi-deus superpoderoso e filantropo militante para atrair mais pessoas e consequentemente mais dinheiro para a federação. Escreveu livros cheios de erros e atribuídos a autores falecidos de forma duvidosa. Suas lições e sua caridade não conseguiram transformar a sociedade brasileira e serviram apenas como forma de "canonização" como "espírito puro" algo que por inúmeros motivo, é facilmente desmentido pelo Espiritismo original.

Pessoas sensatas tentaram alertar sobre o charlatanismo de Chico Xavier, mas eram imediatamente caladas, das diferentes formas. Muitas eram acusadas de doidas, embora o próprio suposto médium é que tinha sinais de possível loucura. O mito de Xavier cresceu e hoje ele é blindado como "maior filantropo do país" pelo senso comum, que desconhece a verdade por trás do mito.

Com a internet, a vigarice de Chico Xavier foi denunciada e suas supostas qualidades postas em xeque, graças a muitos debates e análises. Os alertas que muitos sensatos tentaram fazer no passado puderam ser feitos em fóruns, blogs e redes sociais. Chico Xavier foi desmascarado por seus inúmeros erros, algo extremamente oposto à imagem de perfeição e pureza que a FEB construiu em torno dele. Enfim, Chico Xavier se mostrou um completo vigarista.

Praticou um vandalismo violento na doutrina espírita, inserindo um monte de absurdos. Seus livros não foram psicografados. Sua caridade era pífia e não raramente irresponsável. Boa parte dos seus superpoderes nunca passaram de lenda urbana. Assinou documentos aprovando verdadeiras fraudes. Apoiou a ditadura militar em sua pior fase e consentiu a estranha morte de seu próprio sobrinho, com características de queima de arquivo. E isso é o que a gente conhece do beato farsante tido como maior mestre da doutrina para os brasileiros. Imagine os erros que ele cometeu nos bastidores!

Graças a ele, o "Espiritismo" brasileiro afunda cada vez mais de forma irreversível. Descartou por completo as desprezadas lições de Allan Kardec e se tornou a seita mais desonesta do país, um samba do beato doido que só serve para fugir da realidade e enganar uma multidão de ingênuos que se acha mais intelectualizado que o resto da humanidade. Não consegue explicar suas contradições e absurdos, sempre desviando o assunto com moralismo piegas.

Com tantos erros, ainda tem gente que insiste em acreditar no vigarista Chico Xavier?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria