Pular para o conteúdo principal

"Espiritismo" brasileiro e o modismo da Nova Era

(Autor: Kardec McGuiver)

No fim dos anos 80, com a proximidade da última década do século XX, futurólogos, místicos, hippies, pseudo-cientistas, seitas e grupos afins a todos eles, com base em suposições feitas por místicos em geral, criaram um engodo chamado "Nova Era".

A "Nova Era" consistia em se preparar para a chegada do século XXI que, segundo várias previsões - feitas na base do "achismo", mas consagradas com o tempo - seri uma época de gigantescas transformações, principalmente nos seres humanos, que supostamente seriam mais inteligentes e mais altruístas, lançando mão da tecnologia como um impulsionador.

A ideia foi divulgada com muita exaustão. As prometidas transformações foram tratadas como certeza, criando um clima de otimismo na população - e claro, enriquecendo aqueles que trabalhavam com produtos relativos ao misticismo da "Nova Era". 

Crentes que o chamado "Terceiro Milênio" ou "Era de Aquário" seria de grandes transformações, seitas que se consideravam "avançadas", como o "Espiritismo" brasileiro, embarcaram na onda, lançando mão dela para se promover e angariar adeptos e consequentemente, lucros.

Curiosamente é justamente no meio da onda da "Nova Era" que se encontra o auge de popularidade do "Espiritismo" brasileiro. Suas principais lideranças eram frequentemente convidadas a dar entrevistas e palestras para falar sobre a "Nova Era", usando de todo o pseudo-cientificismo capaz de enganar o mais racional dos crédulos.

Centros lotaram, livros venderam, fizeram filmes, novelas, suas lideranças viraram celebridades. Enfim, o modismo da "Nova Era" ajudou muito a popularizar o "Espiritismo" brasileiro, que lucrou muito com as promessas de intensa transformação que viriam com o século XXI.

Mas, chegada a segunda década do século XXI, a carruagem virou abóbora. A ideologia chamada de"Nova Era" foi direto para o ralo e descobrimos que o papo de transformação era uma farsa e que a mudança lenta e gradua referida por Kardec seria muito mais longa do que pensávamos.

O ser humano não mudou nada. Somos os mesmos medievais de séculos atrás. A "Regeneração" na verdade é o começo da entrada da fase de "Provas e Expiações", com muitos resquícios da grotesca fase primitiva. Ainda não sabemos domar nossos instintos e estamos cada vez mais ignorantes e insensíveis. O modismo da "Nova Era" não passou de uma festa passageira a nos divertir e a criar um falso otimismo.

Desacreditado e sem a prometida transformação regeneradora do "Terceiro Milênio", o "Espiritismo" brasileiro se encolhe, se isola e tanta sobreviver como uma igreja de fé cega. "Espíritas" descobriram que não são como mágicos, a ponto de fazer transformações bruscas em um curto espaço de tempo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Silêncio da imprensa em torno do caso Divaldo Franco-João Dória Jr. é grave

(Autor: Professor Caviar)
De repente, até a imprensa de esquerda desaprendeu a fazer jornalismo. O prefeito de São Paulo, João Dória Jr., enquanto divulgava a intragável "farinata", composto alimentar de procedência e valor nutricional duvidosos, exibiu o tempo todo a camiseta do evento Você e a Paz, comandado pelo "médium" Divaldo Franco. O silêncio total da imprensa quanto a este aspecto tem muito o que dizer, e não são coisas boas.
Em primeiro lugar, João Dória Jr. não exibiu a camiseta do Você e a Paz porque foi a única camiseta branca que encontrou ele que costuma usar camisas de colarinho e paletó. Também não foi uma iniciativa comparável à de um moleque usando camiseta de banda. Houve um propósito para João Dória Jr. aparecer vestindo a camiseta do Você e a Paz, na qual havia o crédito do nome de Divaldo Franco.
Nenhum jornalista, por mais investigativo que fosse, chegou sequer a perguntar: "ora, se a 'farinata' era apoiada pela Arquidiocese de…

Por defender a ditadura militar, Chico Xavier devia perder homenagens em logradouros

(Autor: Professor Caviar)

Pode parecer, para muitos, cruel e injusto, mas a verdade é que Francisco Cândido Xavier deveria perder as homenagens dadas a logradouros por todo o país.
Na famosa entrevista ao programa Pinga Fogo, em julho de 1971, Chico Xavier exaltou a ditadura militar, com muita convicção, e disse para orarmos para as Forças Armadas, porque os militares estavam construindo o "reino de amor" do Brasil futuro.
Demonstrando um raivoso direitismo, Chico Xavier simplesmente disparou comentários contra manifestantes sem-terra e operários, com um reacionarismo descomunal e que muitos não conseguem imaginar, apegados à "dócil imagem" atribuída ao anti-médium mineiro. Quem duvida, é só ver o vídeo no YouTube. E é o próprio Chico Xavier quem diz, para tristeza de seus seguidores.
Ele defendeu a ditadura militar num contexto em que ela se mostrou bem mais repressiva. Era a época do DOI-CODI, principal órgão de repressão, que aprisionava, torturava e matava pri…

Um grave equívoco numa frase de Chico Xavier

(Autor: Professor Caviar)
Pretenso sábio, o "médium" Francisco Cândido Xavier é uma das figuras mais blindadas do "espiritismo" brasileiro a ponto de até seus críticos terem medo de questioná-lo de maneira mais enérgica e aprofundada.
Ele foi dado a dizer frases de efeito a partir dos anos 1970, quando seu mito de pretenso filantropo ganhou uma abordagem menos confusa que a de seu antigo tutor institucional, o ex-presidente da FEB, Antônio Wantuil de Freitas. Nessa nova abordagem, feita sob o respaldo da Rede Globo, Chico Xavier era trabalhado como ídolo religioso nos moldes que o jornalista católico inglês Malcolm Muggeridge havia feito no documentário Algo Bonito para Deus (Something Beautiful for God), em relação a Madre Teresa de Calcutá.
Para um público simplório que é o brasileiro, que anda com mania de pretensa "sabedoria de bolso", colecionando frases de diversas personalidades, umas admiráveis e outras nem tanto, sem que tivesse um hábito de lei…