Pular para o conteúdo principal

Rede Globo adotou Chico Xavier para concorrer com R. R. Soares

(Autor: Professor Caviar)

O mito de bondade de Francisco Cândido Xavier, que encanta muita gente, foi um fenômeno espontâneo e naturalmente desenvolvido pelo imaginário popular?

Não! Em primeiro momento, o mito de Chico Xavier foi construído pela Federação "Espírita" Brasileira com o intuito de vender livros e aumentar o poder da instituição.

Mas, em segundo momento, Chico Xavier foi trabalhado como um mito religioso para consolidar sua imagem para a posteridade, unindo os interesses comerciais da FEB com interesses estratégicos da grande mídia dominante.

Sabe-se que o mito de Chico Xavier como "filantropo" foi alimentado a partir dos anos 1970, embora esse mito tivesse sido latente nas décadas anteriores. Mas só depois é que ele foi reforçado pelo poder midiático das Organizações Globo, com base em documentário da BBC sobre Madre Teresa de Calcutá.

E por que o mito de Chico Xavier precisou ser reforçado? Pelo ponto de vista da FEB, depois da morte de Antônio Wantuil de Freitas, ex-presidente da federação e mentor terreno de Chico Xavier - foi Wantuil quem inventou toda essa imagem "adorável" que conhecemos - , havia a necessidade de realimentar o mito que aquecia o mercado literário "espírita" de maneira atualizada e revista, sobretudo tentando livrar Chico Xavier da sombra de sua maior influência, o advogado francês Jean-Baptiste Roustaing, cujo livro Os Quatro Evangelhos foi uma das primeiras fontes para a produção literária do anti-médium mineiro.

Já pelo ponto de vista das Organizações Globo, que desfez a antiga hostilidade em relação a Chico Xavier, que era fruto da presença de católicos mais-do-que-ortodoxos na empresa, era uma maneira de enfrentar a cruzada de pastores midiáticos que começaram a crescer no país.

Havia o crescimento da Igreja Universal do Reino de Deus, em 1977, mas Edir Macedo não parecia tanto ser o maior pastor midiático do país. Seu cunhado, R. R. Soares (Romildo Ribeiro Soares), tinha mais traquejo como animador de auditórios pentecostais, algo que depois foi melhor defendido por Macedo, que virou empresário da mídia, ao adquirir a Record.

O crescimento das seitas chamadas neopentecostais, derivadas da Igreja Nova Vida, do pastor canadense radicado no Brasil, Robert McAllister e fundada em 1960, tornou-se uma pedra no sapato na vocação católica da Rede Globo, que precisava criar um ícone católico mais flexível, sem que deixasse o lado católico propriamente dito (a rede transmite desde 1968 a Santa Missa em Seu Lar).

Dessa forma, os produtores da Globo descobriram o documentário Algo Bonito para Deus (Something Beautiful for God), que o jornalista Malcolm Muggeridge fez sobre Madre Teresa de Calcutá, e, aproveitando os recursos discursivos do filme, resolveram criar uma adaptação brasileira. Mas ela não deveria ser com um padre, porque aí seria escancarar demais as coisas.

E aí, o que os executivos da Globo fizeram? Trabalharam um mito considerado "ecumênico", até pela finalidade de fazerem frente aos neopentecostais - a essas alturas, a IURD gerou uma dissidência chamada Igreja Internacional da Graça de Deus, de R. R. Soares, que alugava espaços nas programações de televisão e rádio - , sem que se limite a uma roupagem meramente católica.

Daí que o escolhido foi Chico Xavier, que representava estereótipos que o imaginário social conservador associava à velhice, bondade e humildade. E aí os produtores tomaram como base o documentário de Muggeridge de 1969 para trabalhar o mito de Chico Xavier.

Tudo que Muggeridge fez de Madre Teresa de Calcutá foi aproveitado: Chico Xavier chegando a uma casa religiosa acolhido pela multidão. Chico Xavier abraçando bebê no colo. Chico Xavier conversando com velhinhos miseráveis. Chico Xavier dizendo frases bonitinhas de pretensa sabedoria. Qualquer semelhança com Madre Teresa não é mera coincidência. Tudo isso veio da imaginação fértil do católico conservador que era o inglês Malcolm Muggeridge.

Foi um trabalho engenhoso que conseguiu manipular as mentes fracas e os corações moles das pessoas, que transformaram Chico Xavier numa pretensa unanimidade. O charlatão dos plágios literários e da usurpação dos nomes dos mortos virou o "maior ícone de caridade" no Brasil, mesmo sendo uma pessoa retrógrada que mais parece ter vindo dos cafundós da República Velha. 

E isso mostra o quanto a sociedade está vulnerável a tomar como crenças suas algo que na verdade é construído pelo poder midiático com o objetivo de concorrer com seitas religiosas visando manter privilégios e interesses comerciais dos mais nefastos. A sociedade acredita em Chico Xavier sem saber das armadilhas em que caiu com essa idolatria.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Silêncio da imprensa em torno do caso Divaldo Franco-João Dória Jr. é grave

(Autor: Professor Caviar)
De repente, até a imprensa de esquerda desaprendeu a fazer jornalismo. O prefeito de São Paulo, João Dória Jr., enquanto divulgava a intragável "farinata", composto alimentar de procedência e valor nutricional duvidosos, exibiu o tempo todo a camiseta do evento Você e a Paz, comandado pelo "médium" Divaldo Franco. O silêncio total da imprensa quanto a este aspecto tem muito o que dizer, e não são coisas boas.
Em primeiro lugar, João Dória Jr. não exibiu a camiseta do Você e a Paz porque foi a única camiseta branca que encontrou ele que costuma usar camisas de colarinho e paletó. Também não foi uma iniciativa comparável à de um moleque usando camiseta de banda. Houve um propósito para João Dória Jr. aparecer vestindo a camiseta do Você e a Paz, na qual havia o crédito do nome de Divaldo Franco.
Nenhum jornalista, por mais investigativo que fosse, chegou sequer a perguntar: "ora, se a 'farinata' era apoiada pela Arquidiocese de…

Por defender a ditadura militar, Chico Xavier devia perder homenagens em logradouros

(Autor: Professor Caviar)

Pode parecer, para muitos, cruel e injusto, mas a verdade é que Francisco Cândido Xavier deveria perder as homenagens dadas a logradouros por todo o país.
Na famosa entrevista ao programa Pinga Fogo, em julho de 1971, Chico Xavier exaltou a ditadura militar, com muita convicção, e disse para orarmos para as Forças Armadas, porque os militares estavam construindo o "reino de amor" do Brasil futuro.
Demonstrando um raivoso direitismo, Chico Xavier simplesmente disparou comentários contra manifestantes sem-terra e operários, com um reacionarismo descomunal e que muitos não conseguem imaginar, apegados à "dócil imagem" atribuída ao anti-médium mineiro. Quem duvida, é só ver o vídeo no YouTube. E é o próprio Chico Xavier quem diz, para tristeza de seus seguidores.
Ele defendeu a ditadura militar num contexto em que ela se mostrou bem mais repressiva. Era a época do DOI-CODI, principal órgão de repressão, que aprisionava, torturava e matava pri…

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

(Autor: Artur Felipe Azevedo)
Nosso Sistema Solar é composto de 8 planetas. Um leitor anônimo escreveu um comentário, dizendo o seguinte:

"Respeito a opnião (sic) de vocês, mas estão um pouco desatualizados. Se não sabem, foi descoberto um planeta próximo a Plutão, denominado Planeta X, mas que anteriormente foi citado pelo medium Chico Xavier como o Planeta Chupão. Se voces ligarem a teoria espirita com a lógica, viriam que jamais ela errou, mas se exitam em falar sem ao menos saber em que se resume tal coisa. http://geniusvirtual.blogspot.com/2009/07/seria-o-apocalispe-o-planeta-chupao.html  Esse link acima é para a reportagem completa, e abaixo dela está a fonte. Essa repostagem nao é espirita, é científica.
Parem um pouco e leiam para depois falar. É por isso que sempre digo: NÃO PODEMOS FALAR MAL DE ALGUMA COISA QUE NAO CONHECEMOS COMPLETAMENTE, APENAS SE APOIANDO EM SUPOSTOS COMENTARIOS OU SUPOSIÇÕES."


Bem, vemos que o colega ramatisista parece convencido da existência do …