Frases atribuídas a Chico Xavier não passam de auto-ajuda inútil

(Autor: Kardec McGuiver)

Quase todos gostam de postar frases cuja autoria é supostamente atribuída a Chico Xavier. Estereótipo de velhinho bonzinho, de líder religioso responsável, ele seduz muita gente que vê nele uma espécie de "salvador" das causas que seus próprios admiradores se recusam a lutar. Claro, economizar esforço é sempre muito bom e entregar aos outros a responsabilidade de resolver nossos problemas faz muito bem para os preguiçosos intelectuais. E as frases inócuas do bom velhinho de Uberaba cumprem essa função. Embora não sirvam para melhorar a sociedade.

É coisa realmente de preguiçosos intelectuais, pois as frases de Chico Xavier se parecem muito com as que lemos em qualquer livro de auto-ajuda. E são frases que nada servem, que não nos impulsionam, limitam-se ao igrejismo piegas e em muitos casos estimula a inércia, o conformismo e a fé cega.

As frases de Xavier nunca mudaram o mundo e nem servem para isso. São na verdade puro entretenimento romântico para os que acreditam nos estereótipos de bondade trazidos pelo bom velhinho que na verdade foi o maior charlatão de todos os tempos alem de intruso católico que se intrometeu no Espiritismo, cometendo um verdadeiro vandalismo doutrinário.

Não precisamos das frases de Chico Xavier. Aliás não precisamos de Chico Xavier. A capacidade e melhorar a sociedade está dentro de nós. Se soubermos utilizar melhor o nosso cérebro teremos condições de fazer muto ais do que o que sugeria o estereótipo do velhinho bonzinho de boina que de fato nunca conseguiu melhorar a sociedade que acreditava nele.

Chico Xavier sempre foi um inútil. Mais inútil que o próprio médium é acreditar que o médium era um ser indispensável. Somente tolos não conseguem viver sem este falso profeta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria