No país que Tim Maia dizia não dar certo, charlatão é exemplo máximo de caráter

(Autor: Kardec McGuiver)

Estava pesquisando várias coisas e me apareceu por acaso a frase de Tim Maia, o maior cantor de música soul que o Brasil já teve (gosto bastante de sua voz e de suas músicas) que estava cético com o que acontecia no Brasil. Isso sem a crise que naufraga o Brasil de hoje. A frase:

"Este país não pode dar certo. Aqui prostituta se apaixona, cafetão tem ciúme, traficante se vicia e pobre é de direita."

O cantor e compositor poderia ter acrescentado: "e charlatão é exemplo máximo de caráter", pois Chico Xavier foi o maior enganador que esteve no Brasil. Seu talento para enganar era tanto, que consegue ludibriar muita gente séria, iludida pelo falso estereótipo associado ao médium que só cometia erros. 

Chico Xavier foi realmente o maior enganador do Brasil, quiça, do mundo, pois soube mentir como ninguém, enganando até quem pensa ser incapaz de ser enganado. Hoje, com as acusações - justas - de charlatismo sendo enterradas pela memória fraca do povo brasileiro, Xavier é tratado como a pessoa mais evoluída que esteve no Brasil, quase um "deus", com inúmeras qualidades falsamente embutidas em sua personalidade. No entanto o médium não foi nada além de um cidadão confuso, quase demente, que "caiu" na doutrina "de paraquedas".

A frase de Tim Maia poderia ter acrescentado este detalhe. Até porque ele, como eu, se decepcionou com uma seita religiosa. Enquanto Maia se tornou apóstata do Universo em Desencando/Imunidade Racional, eu sou um apóstata desse "Espiritismo" pirata praticado no Brasil, que não passa de uma seita estranha caracterizada por um Catolicismo light enrustido e que acredita em reencarnação.

Creio que Tim Maia não conseguiria ser enganado pelo velhinho bonzinho de boina, que parecia adorável, mas mentia mais que um boneco Pinóquio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria