Pular para o conteúdo principal

O absurdo do personagem André Luiz

(Autor: Senhor dos Anéis)

André Luiz, o suposto médico que divulgava ideias através de Francisco Cândido Xavier, nunca existiu na realidade. Independente de quem teria contribuído para conceber o personagem - Xavier, Antônio Wantuil de Freitas, a influência de George Vale Owen ou mesmo a colaboração do então jovem Waldo Vieira - , o que se constata é que o personagem foi pura obra de ficção.

Como é de praxe no "espiritismo" brasileiro, o rol de confusões e desentendimentos faz com que se suponha, sem qualquer precisão de dados, vários possíveis personagens históricos reais que teriam se transformado em "André Luiz", de acordo com as delirantes suposições dos "espíritas".

Há uma hipótese de que ele teria sido Osvaldo Cruz, médico sanitarista brasileiro. Outra, defendida por Waldo Vieira, alega que teria sido Carlos Chagas. Outra tese, de Luciano dos Anjos, afirma que ele teria sido Faustino Esporel, médico e ex-dirigente do Clube de Regatas Flamengo, entidade que chegou a presidir em 1921.

O "cientista" André Luiz já começa mal com isso. Há outros que atribuem até mesmo ao médico Miguel Couto. Fora o que vier por aí. Ver que, na doutrina "unificadora" que se autoproclama o "espiritismo" brasileiro, há dados divergentes sobre quem teria sido André Luiz entre nós, mostra o quanto a situação é ridícula.

Mas é evidente que André Luiz é fictício. Seu molde inicial foi o livro A Vida Além do Véu (Life Beyond the Veil), de George Vale Owen, que teria também inspirado em parte a "carreira" de Chico Xavier, já que Owen também dizia fazer psicografia sob intuição de sua mãe e um mentor.

Alguns aspectos estranhos se relacionam ao suposto espírito de André Luiz, e que remetem ao dado da "evolução em linha reta" (imediata e sem etapas) descrito por Jean-Baptiste Roustaing na sua obra Os Quatro Evangelhos.

Consta-se que André teria sido um médico fanfarrão, boêmio, alcoolista, e teria falecido prematuramente de ataque cardíaco, durante um jantar com a esposa. Ele também era usuário de remédios prescritos, sobretudo contra depressão.

Ele teria sido de caráter moral mediano. Não era uma pessoa cruel, mas quando voltou ao mundo espiritual foi dirigido para zonas sombrias que são conhecidas como "umbral", ambiente visto de forma controversa como a analogia ao Inferno católico, para algumas fontes, e ao Purgatório da mesma religião, para outras fontes.

Em Nosso Lar, o umbral é narrado como se fosse o Inferno, enquanto a suposta colônia espiritual que leva esse nome parece um misto de Purgatório com Paraíso, talvez um misto desses dois paradigmas trazidos pela mitologia católica.

Aí tem uma confusão. André não era considerado uma pessoa perversa. Era um dedicado médico que apenas tinha vícios alimentícios e lúdicos. No umbral, foi tratado como suicida por uma multidão que parecia zumbis de filme de terror.

Ele foi para o umbral porque "comeu besteira" e "se divertiu demais". Isso sugere um julgamento moralista, em que pese serem reprováveis, sim, os excessos na alimentação e no lazer. O moralismo consiste na grave sentença para vícios como estes, como se eles não fossem apenas vícios, mas crimes.

Mas aí entra outra contradição. André ficou oito anos no umbral. O tempo não existe no mundo espiritual, não há a convenção que se adota no Ocidente da Terra (a antiga Rússia e a China adotavam outro tipo de calendário e a Antiguidade Clássica tinha outro critério de tempo, diferente do "antes de Cristo" que hoje adotamos).

Se as formas de calcular o tempo na Terra são divergentes e o tempo não existe no mundo espiritual, que sentido tem os "oito anos" de André no umbral? Eles seriam mais rápidos ou mais lentos? Ele teria que passar por esse tempo todo, ou mais, ou menos? Ou bastava uma avaliação de consciência?

Aí André vai para a colônia Nosso Lar depois que sua mãe, na Terra, tenha feito toda uma porção de preces e súplicas para Jesus e Deus. Ela era devota religiosa, mas no fundo era uma cover da mãe de Owen, se bem que o autor de A Vida Além do Véu, com sua "trindade" envolvendo o próprio reverendo e os espíritos de sua mãe e de seu mentor inspiraram Chico Xavier a fazer o mesmo, com Maria João de Deus e Emmanuel.

Outro aspecto estranho. No mundo espiritual, as habilidades intelectuais costumam ser ampliadas e não diminuídas, por causa do desprendimento do corpo físico. Mas André Luiz "decai" nos seus conhecimentos e tem que reaprender a ser médico em Nosso Lar. Isso porque "bebeu demais" e "se divertiu demais". A comilança e a boemia o deixaram meio burro, contrariando nossa tradição de que cientistas e intelectuais boêmios continuam sendo cientistas e intelectuais.

Aí, passam se os anos e André Luiz passa a ter como missão socorrer pessoas que eram dizimadas na Europa durante o começo da Segunda Guerra Mundial. Era o ano 1939 e o super-herói da ficção científica de quinta categoria, mas com pretensões de ser "realidade fidedigna", foi fazer sua poderosa missão, como um super-homem do além-túmulo.

E aí, o que acontece? André se torna, num piscar de olhos, "espírito superior", e em 1943 lança seu "testemunho", Nosso Lar, dando início a uma "pequena dívida" que ele, agora "iluminado", passou a desempenhar: transmitir sua "sabedoria" recuperada na colônia espiritual para os leitores.

E aí vieram os trabalhos "científicos", que na verdade camuflam pregações religiosas com arremedos de análises científicas, de estudos sobre Espiritismo, de reflexões filosóficas. Tem desde uma "resposta" brasileira ao kardeciano O Livro dos Médiuns - Nos Domínios da Mediunidade, de 1955 - até relatos supostamente pioneiros de dados sobre Biologia.

E isso tudo também traz muita incoerência. Afinal, são livros lançados por Chico Xavier. E, além do mais, a pretensão "científica" piora, na medida em que a transmissão de conhecimento é confusa e deturpada por uma série de mistificações e pelo pedantismo. O conteúdo dessas obras completa e consagra a figura absurda e aberrante do fictício médico da imaginária cidade de Nosso Lar.
Postado por Senhor dos Anéis às 07:30

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

(Autor: Artur Felipe Azevedo)
Nosso Sistema Solar é composto de 8 planetas. Um leitor anônimo escreveu um comentário, dizendo o seguinte:

"Respeito a opnião (sic) de vocês, mas estão um pouco desatualizados. Se não sabem, foi descoberto um planeta próximo a Plutão, denominado Planeta X, mas que anteriormente foi citado pelo medium Chico Xavier como o Planeta Chupão. Se voces ligarem a teoria espirita com a lógica, viriam que jamais ela errou, mas se exitam em falar sem ao menos saber em que se resume tal coisa. http://geniusvirtual.blogspot.com/2009/07/seria-o-apocalispe-o-planeta-chupao.html  Esse link acima é para a reportagem completa, e abaixo dela está a fonte. Essa repostagem nao é espirita, é científica.
Parem um pouco e leiam para depois falar. É por isso que sempre digo: NÃO PODEMOS FALAR MAL DE ALGUMA COISA QUE NAO CONHECEMOS COMPLETAMENTE, APENAS SE APOIANDO EM SUPOSTOS COMENTARIOS OU SUPOSIÇÕES."


Bem, vemos que o colega ramatisista parece convencido da existência do …

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

(Autor: Professor Caviar)
Na madrugada de ontem, numa serra na Colômbia, um trágico acidente ceifou quase todos os ocupantes de um avião que levava a equipe catarinense Associação Chapecoense de Futebol, time conhecido como Chapecoense ou, simplesmente, Chape.
No acidente, inicialmente 75 pessoas faleceram. A maioria dos jogadores do Chapecoense, parte da tripulação boliviana que estava no avião, jornalistas e dirigentes esportivos. Apenas seis pessoas foram resgatadas com vida. O famoso zagueiro Neto foi resgatado com vida, e está sob cuidados médicos.
A tragédia comoveu o mundo inteiro e revelou um sonho interrompido de um time em ascensão. Consta-se que o Chapecoense era melhor do que muito time festejado que vence fácil qualquer torneio, e seu time era considerado de grande entrosamento. Com a perda de muitos desses jogadores, o time terá que recomeçar a temporada de 2017 do zero, provavelmente aproveitando jogadores juvenis.
Sob a ótica "espírita", fala-se que o aciden…

Por defender a ditadura militar, Chico Xavier devia perder homenagens em logradouros

(Autor: Professor Caviar)

Pode parecer, para muitos, cruel e injusto, mas a verdade é que Francisco Cândido Xavier deveria perder as homenagens dadas a logradouros por todo o país.
Na famosa entrevista ao programa Pinga Fogo, em julho de 1971, Chico Xavier exaltou a ditadura militar, com muita convicção, e disse para orarmos para as Forças Armadas, porque os militares estavam construindo o "reino de amor" do Brasil futuro.
Demonstrando um raivoso direitismo, Chico Xavier simplesmente disparou comentários contra manifestantes sem-terra e operários, com um reacionarismo descomunal e que muitos não conseguem imaginar, apegados à "dócil imagem" atribuída ao anti-médium mineiro. Quem duvida, é só ver o vídeo no YouTube. E é o próprio Chico Xavier quem diz, para tristeza de seus seguidores.
Ele defendeu a ditadura militar num contexto em que ela se mostrou bem mais repressiva. Era a época do DOI-CODI, principal órgão de repressão, que aprisionava, torturava e matava pri…