Os terrenos doados pela Prefeitura de Uberaba são para a ICAR. Chico Xavier iria adorar isso

Havíamos falado que a Prefeitura De Uberaba estava com planos de doar terrenos públicos a uma instituição religiosa. Mas pensávamos que seria para alguma igreja neo-pentecostal. 

Mas informações recentes mostram que a instituição a receber tais terrenos seria a Igreja Católica Apostólica Romana, o que agradaria e tanto Chico Xavier, católico fervoroso que entrou no "espiritismo" de paraquedas, sem entender bulhufas o que estava acontecendo, preferindo inserir um monte de dogmas absurdos no qual acreditava empastelando de vez a doutrina.

Conhecendo a personalidade do velho médium, se estivesse vivo, Xavier aprovaria a medida por acreditar que os terrenos seriam doados para um "importante trabalho do bem", já que como católico, via no trabalho da igreja uma forma de manter o mundo no bom caminho da (suposta) caridade.

Xavier sempre foi católico e nunca deixou de ser. Exigia sempre um lugar para a estátua de sua santa favorita, Nossa Senhora da Abadia e tempo livre para poder rezar totalmente o terço, duas coisas inconcebíveis para quem pretendia ser uma liderança espírita. O Espiritismo original reprova tais cultos e outras práticas similares. Assim como reprovaria a doação dos terrenos.

Entidades laicas lançaram um processo judicial contra a prefeitura argumentando que a medida fere o estado laico. O "Espiritismo" brasileiro, através da roustainguista FEB, prefere "lavar as mãos" quanto ao laicismo, sem defender nem condenar e continuar seu trabalho de ludibriamento com sua gororoba doutrinária que agrada mais aos católicos dissidentes do que aos espíritas mais sérios.

Mas evidencias mostram que Chico Xavier com absoluta certeza ficaria do lado da prefeitura e defenderia a doação dos terrenos. Era coerente com sua verdadeira fé.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria