Quem nos acusa de calúnias e difamação não trabalha com a lógica

(Autor: Kardec McGuiver)

Sempre que uma ideia nova aparece para derrubar totens antigos e ideias absurdas, sempre aparecem os inquietos interessados em defendê-los. Assumir a lógica e o bom senso nunca foi fácil para ninguém e por isso mesmo nem Jesus conseguiu ser compreendido, principalmente pelos bajuladores que fingem ser seus seguidores.

Nosso trabalho é facilmente contestado pelos defensores do "Espiritismo" brasileiro e de sua maior liderança, Chico Xavier, que nunca entendeu a doutrina e confundiu as mentes de todos inserindo muitos pontos de sua verdadeira crença, a católica, numa atitude que praticamente matou o verdadeiro Espiritismo no Brasil. Os admiradores do médium, que por isso mesmo também não entenderam a doutrina, correm para defender o médium, a forma humana de zona de conforto.

Não entendem os defensores da deturpação doutrinária e do médium-estrela que o nosso trabalho e baseado em fatos e que lemos detalhadamente as obras de Allan Kardec, percebendo que o que se faz no Brasil com o nome de "Espiritismo" é na verdade uma gororoba mística que permanece completamente em oposição ao pensamento kardeciano.

Portanto as críticas aqui são sensatas e verdadeiras. Não podemos classificá-las de "construtivas" porque admitimos que Chico Xavier não serva pera o Espiritismo, por nunca ter entendido realmente a doutrina. Xavier seria mais útil se voltasse para o Catolicismo, levando para lá o que aprendeu sobre vida após morte.

Este site não tem a intenção de derrubar ninguém com ofensas insensatas. Nossa missão é criticar os erros praticados por uma doutrina que só vive se contradizendo, graças a confiança cega em um médium que apesar de não ter entendido nada, e infelizmente tido como a sua maior liderança, cegando ainda mais as mentes de fiéis cegos, confiantes no estereótipo oferecido por Xavier.

Usem mais a lógica e assumam seus erros, ao invés de acusarem os outros de ofensivos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria