Pular para o conteúdo principal

Só o amor não resolve

(Autor: Profeta Gandalf)

Virou uma nova tradição na sociedade brasileira, desde os anos 90, uma certa aversão à intelectualidade. Os brasileiros acharam que o importante é desenvolver o sentimento, a moral, a bondade e sobretudo a fé, tratando o desenvolvimento intelectual como algo nocivo. Isso agrada muito a autoridades que encontram nisso uma espécie de consagração da burrice que faz com que a população se torne facilmente manipulável.

Se os brasileiros odeiam desenvolver o intelecto, os espiritólicos, devotos de Bezerra de Menezes, Chico Xavier e Divaldo Franco, odeiam ainda mais a evolução do intelecto. Para eles só amor, o amor e o amor resolvem tudo. Mas que amor é esse que tem que caminha longe do intelecto?

Um amor frouxo, piegas, que por ser irracional, nunca consegue resolver problemas. Por isso mesmo a caridade resultante do amor sem intelecto é paliativa, não muda nada e não consegue acabar com problemas, preferindo apenas empurrá-los com a barriga. Esse amor é o defendido pelas religiões há mais de 2000 anos e sua incompetência em mudar a sociedade já está mais do que comprovada, embora seus fanáticos fiéis insistam em dizer o contrário. Distribuir cestinhas básicas muda o mundo? certamente que não.

Um pseudo-espírita (daqueles que cultuam e obedecem Chico Xavier) entrou na comunidade de Espiritismo em uma rede social falando no amor sem intelecto. Eu questionei e a coisa quase foi para a discussão (que amor é esse que não sabe ouvir os mais esclarecidos?). A irracionalidade da fé cega é muito perigosa, embora poucos saibam disso. Mata-se e morre em nome de absurdas formas de credulidade.

Triste mesmo é ver que os brasileiros consideram a fé como sua maior qualidade e importante valor positivo. Fé é sinônimo de credulidade, de crença em seres e teses sem comprovação e sem lógica. Acreditar que um ser que não sabemos se existe vai nos salvar tem feito com que o mundo permanecesse o mesmo em sua essência, por longuíssimo tempo. 

Hoje , em pleno século XX!, não sabemos resolver os problemas mais simples de nosso cotidiano. E tão cedo não vamos saber, pois até mesmo os jovens resolveram mergulhar de cabeça na fé cega, como "comemorou" um jornal daqui no último domingo. Uma triste notícia para quem quer ver o mundo livre dos ideais medievais.

Só resta a dizer que enquanto acharmos que só o amor resolve e que a fé é a nossa prioridade, tudo permanecerá na mesma, problemas, injustiça, violência e tudo de errado que puder aparecer. Pois não são seres e fatos ficcionais que irão derrotar todos aqueles que se beneficiam do prejuízo social, já que estes mesmos que se dão bem com os erros querem mesmo que a religiosidade continue alta para que todos, iludidos com uma ajuda divinal que nunca chega, possam se manter amordaçados no amor que nunca resolve nada, se limitando a servir deuma espécie de cárcere das ilusões.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Silêncio da imprensa em torno do caso Divaldo Franco-João Dória Jr. é grave

(Autor: Professor Caviar)
De repente, até a imprensa de esquerda desaprendeu a fazer jornalismo. O prefeito de São Paulo, João Dória Jr., enquanto divulgava a intragável "farinata", composto alimentar de procedência e valor nutricional duvidosos, exibiu o tempo todo a camiseta do evento Você e a Paz, comandado pelo "médium" Divaldo Franco. O silêncio total da imprensa quanto a este aspecto tem muito o que dizer, e não são coisas boas.
Em primeiro lugar, João Dória Jr. não exibiu a camiseta do Você e a Paz porque foi a única camiseta branca que encontrou ele que costuma usar camisas de colarinho e paletó. Também não foi uma iniciativa comparável à de um moleque usando camiseta de banda. Houve um propósito para João Dória Jr. aparecer vestindo a camiseta do Você e a Paz, na qual havia o crédito do nome de Divaldo Franco.
Nenhum jornalista, por mais investigativo que fosse, chegou sequer a perguntar: "ora, se a 'farinata' era apoiada pela Arquidiocese de…

Por defender a ditadura militar, Chico Xavier devia perder homenagens em logradouros

(Autor: Professor Caviar)

Pode parecer, para muitos, cruel e injusto, mas a verdade é que Francisco Cândido Xavier deveria perder as homenagens dadas a logradouros por todo o país.
Na famosa entrevista ao programa Pinga Fogo, em julho de 1971, Chico Xavier exaltou a ditadura militar, com muita convicção, e disse para orarmos para as Forças Armadas, porque os militares estavam construindo o "reino de amor" do Brasil futuro.
Demonstrando um raivoso direitismo, Chico Xavier simplesmente disparou comentários contra manifestantes sem-terra e operários, com um reacionarismo descomunal e que muitos não conseguem imaginar, apegados à "dócil imagem" atribuída ao anti-médium mineiro. Quem duvida, é só ver o vídeo no YouTube. E é o próprio Chico Xavier quem diz, para tristeza de seus seguidores.
Ele defendeu a ditadura militar num contexto em que ela se mostrou bem mais repressiva. Era a época do DOI-CODI, principal órgão de repressão, que aprisionava, torturava e matava pri…

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

(Autor: Artur Felipe Azevedo)
Nosso Sistema Solar é composto de 8 planetas. Um leitor anônimo escreveu um comentário, dizendo o seguinte:

"Respeito a opnião (sic) de vocês, mas estão um pouco desatualizados. Se não sabem, foi descoberto um planeta próximo a Plutão, denominado Planeta X, mas que anteriormente foi citado pelo medium Chico Xavier como o Planeta Chupão. Se voces ligarem a teoria espirita com a lógica, viriam que jamais ela errou, mas se exitam em falar sem ao menos saber em que se resume tal coisa. http://geniusvirtual.blogspot.com/2009/07/seria-o-apocalispe-o-planeta-chupao.html  Esse link acima é para a reportagem completa, e abaixo dela está a fonte. Essa repostagem nao é espirita, é científica.
Parem um pouco e leiam para depois falar. É por isso que sempre digo: NÃO PODEMOS FALAR MAL DE ALGUMA COISA QUE NAO CONHECEMOS COMPLETAMENTE, APENAS SE APOIANDO EM SUPOSTOS COMENTARIOS OU SUPOSIÇÕES."


Bem, vemos que o colega ramatisista parece convencido da existência do …