Nem tudo que é espiritual é espírita"

(Autor: Kardec McGuiver)

Uma das coisas que mais favoreceram Chico Xavier e esse "Espiritismo" pirata praticado no Brasil é a ideia de vida após a morte e da comunicação com os mortos. As pessoas adoram usar isso como justificativa para validar o médium e a falsa sita que construíram com o nome da ciência criada por Kardec (e que eles não seguem).

Mas se esquecem todos que nem tudo que envolve vida após a morte pode ser considerado Espiritismo, já que esta palavra na verdade surgiu para designar um sistema de fatos e teses comprováveis através de métodos científicos e não essa seita cheia de ilusões que existe no Brasil e se espalha pelo mundo através das colônias de brasileiros.

Na verdade, existe a palavra Espiritualismo, que parece bem mais correta e que deveria ter sido utilizada para definir tudo que envolve crença (que é diferente de conhecimento, embora alguns insistam em negar isso) em vida pós morte.

As religiões afro-brasileiras, o Budismo e  Hinduismo, além de outras seitas e igrejas, reconhecem a vida a pós a morte e a comunicação com os mortos. Várias acreditam em reencarnação. Até mesmo protestantes e católicos, sem admitir, dão sinais de que admitem pelo menos a vida após a morte, pois se falam sobre o que acontece com a gente quando saímos da matéria, é porque existe alguma coisa em outra dimensão.

Então pra quê definir Chico Xavier como "espírita" só porque ele falava com os mortos? Deixavam ele em sua crença particular, o Catolicismo, e ele que se virasse com as polêmicas causadas entre ele e sua igreja. A influência dele no que deveria ser o Espiritismo fez um grande estrago que está sendo quase impossível de se reparar. 

Se admitissem que existe mediunidade em todas as crenças, nada disso teria acontecido.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria