Dizer que Chico Xavier era o Kardec que voltou é uma malandragem

(Autor: Kardec McGuiver)

Há uma grande gama de pseudo-espíritas que acreditam na absurda teoria de que Chico Xavier era a reencarnação de Allan Kardec, com quem vivia contradizendo o tempo todo. O critério para essa afirmação absurda e bem superficial: o prestígio naquiloque os seguidores entendem como doutrina e a necessidade de priorizar o Brasil como pátria "espírita" o que não passa de um bem safado ufanismo materialista.

Mas na verdade, além do ufanismo e da ideia tola de que Kardec (o grande desconhecido dos brasileiros) tinha "escolhido" o Brasil para voltar, como se "Deus" tivesse dividido o país (divinizar a pátria? Xiiii...), a absurda lenda serve também para dispensar os crédulos seguidores de Chico Xavier de estudar Kardec.

E mesmo que os tolos que acreditam na tese admitissem que o conteúdo dos livros de Kardec e de Xavier diferem bastante, vão sugerir outra tese absurda de que Xavier resolveu "corrigir" e "atualizar" a sua obra, parecendo para os incautos que as obras de xavier esta mais corretas que as da codificação, dispensando os livros escritos por Kardec. 

Bingo! Troca-se os "rebuscados e prolixos"livros de Kardec pelas sonhadoras obras do médium bonzinho e sedutor. dispensa-se do esforço do estudo serio e consagra-se a relaxante fé cega de acreditar em qualquer coisa vinda de alguém que julgamos ser a volta de outro ainda mais superior.

E assim, o "Espiritismo" cristão pode se achar"kardecista" sem tocar um único dedo em algum livro de Kardec. Pra quê? Se "Kardec voltou como Chico" e que "as obras de Xavier estão ais atualizadas".

Assim o "Espiritismo" cristão se torna uma seita de malandros, intelectualmente preguiçosos e indispostos a estudar seriamente preferindo acreditar no que qualquer palestrante irresponsável diz nas passivas reuniões.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria