Guru de auto-ajuda não é sinônimo de sábio


(Autor: Kardec McGuiver)

Além da filantropia, Chico Xavier é conhecido por suas declarações e mensagens. Mas observando bem e analisando friamente, percebe-se com nitidez que nunca iam além do que já se vê nas mais medíocres obras de auto-ajuda ou naquelas palestras modorrentas de "neuro-linguística" que lotam grandes salões de auditório.

Considerado um "sábio" pelos seus admiradores, com certeza usando a posição de líder religioso, como se a sabedoria estivesse embutida nesta condição, Chico Xavier nunca trouxe de fato uma lição de vida que pudesse ser realmente relevante.

Suas mensagens eram uma mistura dessa auto-ajuda mencionada acima com moralismo religioso dos mais retrógrados. Nunca devemos esquecer que Chico Xavier era católico, nunca deixou de ser e o seu Catolicismo era dos mais medievais. Um Catolicismo que nem mesmo os católicos mais fervorosos da atualidade querem mais saber.

Fico lendo as mensagens escritas ou atribuídas a Xavier e vivo me perguntando: como é que um cara tao medíocre, com declarações tão inócuas, pôde ser considerado "a perfeição das perfeições"? os admiradores de Chico Xavier bateram o recorde de ingenuidade em todos os tempos.

Colocar Xavier acima de verdadeiros sábios, com certeza é uma grande ofensa aos maiores pensadores da humanidade. Na melhor das hipóteses, Xavier nunca passou de mero sacerdote a dar conselhos igrejeiros a seus seguidores, como um padre naturalmente faria.

Melhor dizendo: Xavier nunca passou de algo análogo a um padre. Rotulá-lo de sábio, pensador, intelectual é forçar a barra para tentar rotular de brilhante algo que nunca ultrapassou os limites da mediocridade. Se Xavier agrada aos seus admiradores que ele agrade como sacerdote e não como intelectual. Guru de auto-ajuda não é sábio e não é ofensa nenhuma admitir isso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria