Pular para o conteúdo principal

Chico Xavier foi "filho" da prepotência

(Autor: Professor Caviar)

Gosta de Chico Xavier? Então você é convidado a endeusar também o antigo presidente da FEB, Antônio Wantuil de Freitas, e o falecido presidente das Organizações Globo, Roberto Marinho. Por associação, deve também endeusar, com devoção exemplar, os filhos de Marinho, João Roberto, José Roberto e Roberto Irineu.

Antes que você, neste caso hipotético, se revolte com tal sugestão, pois você nunca iria endeusar poderosos e gosta de Chico Xavier pela suposta imagem de "humildade" a este associada, é fundamental parar para refletir e pesquisar bastante sobre como surgiu o mito do "bondoso médium".

Chico Xavier foi, sem sombra de dúvida, um dos mais graves deturpadores da Doutrina Espírita, e ele deturpou o legado kardeciano com muito gosto, até porque mais de 400 livros foram feitos, material demais para dizer que Chico "errou sem querer". Não se faz uma bibliografia extensa com erros cometidos de boa-fé. Bastam cinco ou talvez dez, e depois uma revisão autocrítica e mudança deposição. Mas Chico foi deturpador até suas últimas atividades, pregou o igrejismo mais próximo do Catolicismo medieval - inclusive a Teologia do Sofrimento, de que Chico era devoto - do que de qualquer til de um livro de Allan Kardec.

Só a deturpação faz o "médium" desmerecer a idolatria que recebe. Porque trair Allan Kardec não é pouca coisa, desvirtuando um sistema de ideias que o pedagogo francês desenvolveu com trabalho, às custas da difamação alheia, de viagens pagas pelo próprio professor, que ainda por cima escreveu seus últimos textos sofrendo de febre, de aneurisma, no esgotamento de suas forças físicas.

O pensamento de Kardec, desenvolvido com tanto trabalho, não pode ser desmontado de graça. E, se foi desmontado, isso é um acinte, um desrespeito. Daí o trabalho de um deturpador ser indigno de qualquer admiração. E esconder os erros dos deturpadores pela suposta filantropia é ainda coisa muito mais grave, e as pessoas pouco percebem a respeito disso, preferindo a tímida crítica à deturpação, sem pôr em risco o prestígio dos deturpadores.

E é por isso que devemos analisar as coisas sem as paixões religiosas que tão confortavelmente endeusam supostos médiuns, por conta de uma filantropia que ajuda muito pouco, com medidas meramente paliativas e inócuas. E ver que Chico Xavier é um mito construído mediante interesses levianos é uma ideia chocante, mas bastante realista.

COMO SE DEU O MITO DE CHICO XAVIER

O mito de Chico Xavier cresceu vertiginosamente porque houve um senso publicitário do então presidente da "Federação Espírita Brasileira", Antônio Wantuil de Freitas, que atuava como dublê de empresário do "médium" e, muito provavelmente, era co-autor de vários livros que levavam a "assinatura empírica" do mineiro.

Mas aí o chiquista pergunta: se o mito de Chico Xavier era expressão do poder de Wantuil, então Chico não tem responsabilidade pelos erros que cometeu? Sim, tem, e muito. Cúmplice é também culpado, porque decidiu participar ativamente do erro. Chico deturpou o Espiritismo em quatro centenas de livros, material demais para atribuir a eles erros de boa-fé. Chico tinha consciência do que estava fazendo e apoiou abertamente as decisões de Wantuil e até pedia conselhos a este.

O poder de Wantuil é que garantiu que Chico Xavier crescesse como mito. Wantuil alimentou o sensacionalismo na grande imprensa, inicialmente lançando Xavier como figura exótica. O incentivou a produzir livros que evocassem em boa parte nomes de autores literários famosos, para chamar a atenção e atrair mais vendas.

Vale lembrar duas coisas. Uma: Chico Xavier cometeu mesmo pastiches, porque as obras "mediúnicas" destoam dos estilos pessoais dos autores mortos alegados, porque existem diferenças sérias que contradizem a natureza pessoal de cada autor, mas as obras sempre refletem o pensamento pessoal do "médium". A diferença é que os pastiches eram feitos com a ajuda de uma equipe editorial da FEB - incluindo o próprio Wantuil - , detalhe que poucos conseguem admitir.

Outra: Chico Xavier aparentemente abriu mão dos lucros de seus livros, mas não em nome da caridade. Os lucros ficaram nos cofres da cúpula da FEB. Chico apenas não tocava em dinheiro, mas vivia confortavelmente, enquanto o faturamento de seus livros fazia o poderio da alta cúpula da federação. Wantuil enriqueceu muito com os livros de seu pupilo.

Wantuil viu no Chico Xavier um estereótipo ótimo para trabalhar a publicidade: caipira ingênuo, que parecia escrever rápido, tinha comportamento excêntrico e era católico fervoroso, desses que rezam terços e adoram imagens de santos. Ótimo para combinar sensacionalismo e religiosidade, atraindo público para a FEB.

Para contornar obstáculos contra o mito de Xavier, Wantuil teria feito de tudo: do dramalhão da defesa de Xavier no julgamento do caso Humberto de Campos à mandinga de umbanda - sim, Wantuil teria feito "despachos de macumba" - para "afastar" questionadores, como Osório Borba, que não lançou o prometido livro questionando Chico Xavier e Attila de Paes Barreto, que teve o livro O Enigma Chico Xavier Posto à Clara Luz do Dia, "desaparecido" das livrarias. E há suspeitas de que o sobrinho de Chico Xavier, Amauri Xavier Pena, teria morrido por "queima-de-arquivo", através de envenenamento, para evitar a revelação dos bastidores da aparente mediunidade de Xavier.

Wantuil também lançou Chico Xavier na suposta psicofonia e nas aparentes práticas de materialização espiritual (fraude já cometida pela FEB, antes de lançar o "médium"), na década de 1950. E certamente planejou a "doce emboscada" que Xavier armou para Humberto de Campos Filho, o cético filho do escritor maranhense, que foi vítima de processo de fascinação obsessiva assim que Chico o abraçou e ainda foi seduzido pelo aparente teatro do assistencialismo que foi mostrado ao filho do falecido acadêmico.

Isso tudo agigantou Chico Xavier nos anos 1950 e 1960, mas faltava alguma coisa. No ocaso da era Wantuil, Chico quase pôs tudo a perder quando se envolveu nas fraudes da ilusionista Otília Diogo, a partir de 1963. O mito quase foi derrubado, mas a FEB, parodiando a ideia do âmbito político de que "cunhado não é parente", sobre as relações de Leonel Brizola com João Goulart, tentou afirmar que "cúmplice não é culpado" e livrou Xavier da culpa, apesar de haver fotos provando que Chico Xavier não foi enganado por Otília, mas que apoiava todo o processo, acompanhando tudo nos bastidores.

Com a morte de Wantuil e o "racha" no "movimento espírita" que gerou a "fase dúbia" - oficialmente intitulada "kardecismo" pelo tendencioso vínculo ao nome de Allan Kardec - , Chico Xavier teve seu mito relançado pela Rede Globo, a corporação televisiva de Roberto Marinho, que viu no "médium" um ótimo concorrente para os "pastores eletrônicos" que se ascenderam em meados dos anos 1970, Edir Macedo e R. R. Soares.

As Organizações Globo romperam a antiga animosidade a Chico Xavier - expressa por católicos que colaboravam no jornal O Globo e na Rádio Globo - e o relançaram como o mito que hoje conhecemos - o suposto filantropo e pretenso mensageiro dos mortos - a partir do documentário Algo Bonito para Deus (Something Beautiful for God), que o jornalista da BBC, o católico Malcolm Muggeridge, fez em 1969 para alimentar o mito de Madre Teresa de Calcutá.

A partir de então - consta-se que um dos primeiros programas "globais" a promover Chico Xavier foi uma edição do Globo Repórter, no final dos anos 1970 - , Chico Xavier simbolizou os mesmos paradigmas conservadores de caridade, moral religiosa e bondade que estão associados a Madre Teresa de Calcutá, depois denunciada por deixar os alojados em suas casas em condições sub-humanas.

Chico Xavier foi "filho" da prepotência. Primeiro, a da ambição de Antônio Wantuil de Freitas, de criar um popstar da fé religiosa "espírita", visando crescer o poder da FEB, que já era enorme dentro do "movimento espírita". Segundo, a da ambição de Roberto Marinho, que reforçou seu poder, já aumentado durante a ditadura militar, explorando os clichês da paixão religiosa, através de um ídolo tido como "ecumênico", um católico sem batina que representava estereótipos fáceis de humildade e bondade, fáceis para manipular o inconsciente coletivo dos brasileiros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

(Autor: Professor Caviar)
Na madrugada de ontem, numa serra na Colômbia, um trágico acidente ceifou quase todos os ocupantes de um avião que levava a equipe catarinense Associação Chapecoense de Futebol, time conhecido como Chapecoense ou, simplesmente, Chape.
No acidente, inicialmente 75 pessoas faleceram. A maioria dos jogadores do Chapecoense, parte da tripulação boliviana que estava no avião, jornalistas e dirigentes esportivos. Apenas seis pessoas foram resgatadas com vida. O famoso zagueiro Neto foi resgatado com vida, e está sob cuidados médicos.
A tragédia comoveu o mundo inteiro e revelou um sonho interrompido de um time em ascensão. Consta-se que o Chapecoense era melhor do que muito time festejado que vence fácil qualquer torneio, e seu time era considerado de grande entrosamento. Com a perda de muitos desses jogadores, o time terá que recomeçar a temporada de 2017 do zero, provavelmente aproveitando jogadores juvenis.
Sob a ótica "espírita", fala-se que o aciden…

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

(Autor: Artur Felipe Azevedo)
Nosso Sistema Solar é composto de 8 planetas. Um leitor anônimo escreveu um comentário, dizendo o seguinte:

"Respeito a opnião (sic) de vocês, mas estão um pouco desatualizados. Se não sabem, foi descoberto um planeta próximo a Plutão, denominado Planeta X, mas que anteriormente foi citado pelo medium Chico Xavier como o Planeta Chupão. Se voces ligarem a teoria espirita com a lógica, viriam que jamais ela errou, mas se exitam em falar sem ao menos saber em que se resume tal coisa. http://geniusvirtual.blogspot.com/2009/07/seria-o-apocalispe-o-planeta-chupao.html  Esse link acima é para a reportagem completa, e abaixo dela está a fonte. Essa repostagem nao é espirita, é científica.
Parem um pouco e leiam para depois falar. É por isso que sempre digo: NÃO PODEMOS FALAR MAL DE ALGUMA COISA QUE NAO CONHECEMOS COMPLETAMENTE, APENAS SE APOIANDO EM SUPOSTOS COMENTARIOS OU SUPOSIÇÕES."


Bem, vemos que o colega ramatisista parece convencido da existência do …

Não quiseram cortar o mal pela raiz? Agora o estrago foi feito. Aguentem!

(Autor: Kardec McGuiver)
Muita gente reclama atualmente das críticas feitas a Chico Xavier. Não são críticas inventadas, são observações dos inúmeros erros cometidos pelo beato católico transformado em "liderança espírita" graças a um festival de manipulações feitas pelas lideranças da FEB, interessadas em fabricar um "santo vivo" para atrair gente e consequentemente, dinheiro. Dinheiro que ia muito pouco para a caridade e mais para as lideranças.
Se esquecem essas pessoas, cegas pela idolatria fanática a um verdadeiro charlatão que foi Chico Xavier, que se tudo fosse evitado antes, nada disso teria acontecido. Era preciso cortar a erva daninha no início, mas preferiram alimentá-la e deixar crescer. Hoje Chico Xavier é uma planta carnívora em dimensões colossais e o estrago que causou no Espiritismo se tornou algo praticamente irreversível.
Claro que houve tentativas para denunciar o charlatão no início. Mas sem a internet ou meios que propagassem as denúncias, el…