A Contra-reforma "Espírita"

 (Autor: Profeta Gandalf)

A internet é o meio mais democrático de comunicação existente. É o único que dá a oportunidade de pessoas com ideias diferenciadas de se comunicar com quem quer que seja. Os outros meios de comunicação (rádio, TV, jornal, etc.), por serem caríssimos para se manter, só podem ser controlados por homens muito ricos, que acabam impondo o seu ponto de vista, barrando qualquer ideia que se oponha a convicção pessoal de seus donos.

E graças a internet, um imenso debate sobre Espiritismo está sendo feito, na tentativa de retomar as pesquisas feitas por Allan Kardec, infelizmente esquecidas pelo que se conhece com o nome de "Espiritismo" no Brasil. A forma brasileira de "Espiritismo" descartou completamente as ideias de Kardec, apesar de bajular o nome do codificador, utilizando-o apenas para dar autenticidade a avalanche de sincretismo e aos inúmeros erros presentes no "Espiritismo" brasileiro.

E é esta forma que é conhecida pela grande mídia, já que a federação que supostamente fala em nome do "Espiritismo", defende esses erros e enxertos colocados na forma tupiniquim da doutrina. A internet tenta corrigir isso tudo, mas para quem está fora da grande rede de computadores, o "Espiritismo" ainda é esta forma estranha, uma gororoba cheia de erros e enxertos que para quem acredita neles, é puro acerto e -pasmem! - evolução "científica".

Se não fosse a internet, Kardec, aos poucos seria esquecido e muito provavelmente a memória fraca da população brasileira colocaria os católicos Chico Xavier, Bezerra de Menezes e quejandos como "codificadores", estragando a historiografia da doutrina e enganando incautos. Isso já acontece em outros setores, na política, na cultura, etc, onde o autor original é esquecido, trocado por um deturpador com mais prestígio, mas desprovido da responsabilidade de manter a fidelidade ideológica.

Deturpação do Espiritismo e seus defensores do além

Como se trata de Espiritismo, a deturpação acaba tendo também seus defensores vindos de outras dimensões. Espíritos de índole duvidosa, disfarçados de superiores tem, há muitas décadas, enganado multidões e mais multidões com conceitos errados, misticismo barato e muita pieguice, resultando em todo este estrago que ainda insiste em permanecer, pois satisfaz o interesse desta máfia espiritual, com o apoio dos encarnados da FEB, muito mais interessados em lucrar financeiramente com a credulidade alheia do que alavancar a evolução espiritual de seus seguidores.

O Espiritismo, que deveria ter sido uma ciência que estuda os acontecimentos extra-materiais, acabou se tornando no Brasil uma igreja como as outras, com direito a dogmas absurdos e assistencialismo paliativo. A confusão é tanta que até entre os que condenam os abusos da FEB, há os que defendem que o Espiritismo continue sendo uma igreja, vinculada a religiosidade.

Os espíritos mistificadores se divertem com isso, pois estão muito interessados que a evolução espiritual, sobretudo no aspecto intelectual, se trave, para que nada mude e que as estruturas de poder e divisão dos bens continue como sempre esteve, há mais de 100 anos. Nenhum esforço é medido para manter as coisas do jeito que estão, com todos os seus erros intactos.

A Contra Reforma

Com os debates ocorrendo em fóruns pela internet, tentando devolver o caráter kardeciano ao Espiritismo brasileiro, esses espíritos mistificadores, muitos de origem católica medieval, incluindo jesuítas, resolveram agir para que seus interesses não pudessem ser cancelados.

Coerentes com o comportamento do Catolicismo medieval (que curiosamente é reprovado pelo Catolicismo moderno), os espíritos mistificadores, liderados pelos que se apresentam como "Emmanuel" (um jesuíta) e "André Luís", iniciam uma espécie de Contra-reforma, na tentativa de manter todo o repertório de enxertos, inserido na doutrina para impedir o progresso intelectual de seus seguidores.

Tenho notado nas últimas semanas um discreto fortalecimento dos totens e representantes da forma deturpada, sobretudo com ajuda da grande mídia, através de mais livros, mais filmes, inserções em novelas e programas televisivos e surgimento de eventos por todo o país e parte do exterior, utilizando palestrantes deturpadores prestigiados.

Para quem não sabe, a Contra-reforma foi um conjunto de atitudes tomadas pela Igreja Católica medieval para impedir o avanço do movimento protestante, incluindo a formação do grupo conhecido como Companhia de Jesus, conhecido como jesuítas, treinados militarmente e especializados em se infiltrar em outras ideologias para depois destruí-las e substituí-las pelo Catolicismo medieval. Muito a ver com os espíritos jesuítas que mandam no "Espiritismo" brasileiro.

Para evitar que essa nova Contra-reforma estabilize a deturpação "espírita" em nossa sociedade, devemos ignorar essa reação deturpadora e continuar com o debate de retomada das origens kardecianas. Desprezar e denunciar obras e personalidades que apesar do prestígio, contribuem para o não-entendimento do Espiritismo é um dever que tem que ser feito para que a cancerígena deturpação não volte a se fortalecer através dessa Contra-reforma organizada pelos jesuítas de lá, com o apoio de espiritólicos de cá, para que tudo fique na mesma.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria