Mais leitor pedindo o livro de Attila Paes Barreto

(Autor: Renato Pavanelli)

Eu nunca sabia que Chico Xavier tinha causado muito escândalo. Eu, que fui espírita e não sou mais, achava que toda essa confusão era apenas uma campanha para desmoralizar o cara, conhecido pela aparente bondade que muitos acreditam piamente.

Eu era chiquista apaixonado, fiquei fascinado por Chico Xavier, era encantado com sua imagem de pessoa bondosa e cheguei mesmo a defender o cara em muitos fóruns da Internet. Mas eu me desiludi quando um amigo meu resolveu me explicar detalhadamente toda a farsa que estava por trás dele. Eu, a princípio, não acreditei, mas meu amigo fez argumentos muito consistentes para serem postos em dúvida.

Eu percebi que a caridade de Chico Xavier era frouxa e fraca, que a mediunidade dele era mentira, que muitas ideias trazidas por ele eram antiquadas e de um moralismo cruel, e vi que as confusões que, para mim, soavam como campanha difamatória, eram na verdade reações coerentes contra os abusos que o dito médium causou na sociedade.

E aí falaram que foi publicado um livro detalhando as fraudes que Chico cometeu até os anos 40 do século passado. Título bastante contundente: "O Enigma Chico Xavier posto à clara luz do dia", do esquecido Attila Paes Barreto. Como é que ninguém lança um livro desses?

O trabalho tem que ser lançado, queiram ou não queiram os que querem proteger Chico Xavier. Até porque, se ninguém tem coragem de lançar, é por causa do medo de ver o mito do carinhoso filantropo mineiro ser desmoronado de vez. Se o pessoal se julga tão seguro e sem medo, que aceite um livro desses, que se compromete não com a calúnia, mas com a informação.

Antes um livro desses que derruba fantasias do que outros que mantém os leitores no mundo dos sonhos. A gente quer informação, não literatura anestesiante com palavrinhas de amor! Queremos ver o livro de Attila novamente, de qualquer forma, mesmo um e-Book na Internet. O pessoal tem que garimpar esse livro e publicá-lo o mais rápido possível!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria