O "respeito" medroso com o "Espiritismo" deturpado praticado no Brasil

(Autor: Profeta Gandalf)

Com a morte de José Manoel Barboza anos atrás, as críticas às distorções do Espiritismo que duram quase 80 anos podem e ainda poderão enfraquecer e manter a FEB, seus membros, centros associados e seus mitos ainda fortalecidos, mantendo as descobertas de Kardec ainda bastante desconhecidas dos brasileiros.

O que acontece é que Barboza era um crítico bem duro ao "Espiritismo" brasileirp, forma distorcida da Doutrina Espírita, usando as palavras corretas para criticar sem dó nem piedade os abusos que impedem a real compreensão da doutrina. Claro que existem os combatentes que seguem também alertando sobre as distorções. Mas estes não possuem a coragem típica do saudoso friburguense.

O que noto na maioria das críticas é que existe um cuidado quase temeroso, como se a FEB, Chico Xavier, Divaldo e quejandos fossem pessoas isentas de críticas. Mesmo havendo alguma queixa contra eles, nota-se um cuidado em escolher palavras como se, mesmo fazendo essa grave deturpação, não pudessem ser derrubados dos postos onde se encontram, mantendo, mesmo com os erros, o prestígio conquistado sem mérito.

Não que não haja gente capaz de fazer críticas firmes. Até há. Mas além de não ser maioria, não o faz com a intensidade que José Manoel Barboza fazia. E por menor que seja, sempre há um sinal de esmero em não ferir o estabelecido.

Esse melindre pode impedir uma ruptura real com essas deturpações. Ainda mais numa época onde a religião prima do Espiritolicismo (nome dado ao Espiritismo pirata praticado no Brasil), o Catolicismo voltou a estar em alta com o novo papa e com o encontro de jovens que acontecerá neste ano. Convém lembrar que as diretrizes do Espiritolicismo são "orientadas" por espíritos de padres, freiras e sacerdotes, com a segunda intenção de enfraquecer o Espiritismo e fortalecer o Catolicismo.

Na minha opinião, quem não se respeita não merece respeito. Porque temos que "falar bonito" com essa gente que fez um grande estrago na humanidade, travando a evolução intelectual? Temos que ser duros com quem quer moleza! Criticar seriamente e com rigidez é o que deve ser feito. Senão não haverá ruptura e tudo permanecerá como está, com uma humanidade iludida com as lendas das religiões, cada vez menos racional (cérebro é enfeite?) e com instituições religiosas cada vez mais ricas e autoritárias, enganando a população para que toda a estrutura do poder se mantenha intacta.

Para romper tem que ser duro. Não é assim quando fazemos reformas em nossas casa? Então, para quê medo? A FEB e seus mitos não souberam respeitar seus seguidores, enganando a todos! Porque temos que "respeitá-los", falando fininho?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria