Pular para o conteúdo principal

Caridade "Espírita" nunca tirou pessoas da pobreza

(Autor: Kardec McGuiver)

A opinião pública e sobretudo os "espíritas" consagraram as lideranças desta religião como "os maiores filantropos do mundo" a ponto de forjarem uma lenda que diz que eles "atingiram a perfeição máxima, não precisando mais reencarnar". Uma lenda que vai contra o Espiritismo original que diz que todos na Terra pertencem ao mesmo nível espiritual e precisarão reencarnar, para encararem novas experiências que desafiarão a desenvolver novas habilidades.

Mas quem tem o bom senso desenvolvido sabe que a caridade praticada pelos "espíritas" brasileiros nunca gerou o resultado esperado, nunca passando de uma ajudinha precária que nunca foi além de dar uma espécie de compensação para que os mais carentes suportem a sua condição indigna.

A caridade "espírita" nunca foi de fato eficiente. Na verdade foi o meio de promover as lideranças "espíritas" e atrair mais fieis à seita para gerar dinheiro aos diretores da mesma, que nunca aparecem de fato diante de seus fiéis. Um clero oculto que administra muito bem uma religião que usa o suposto beneficio aos mais carentes para se consagrar.

Todos sabem que sem esta imagem de caridosos, fica complicado para as lideranças, difusores de ideias sem pé nem cabeça, de seduzir multidões e garantir a lotação de "centros espíritas", frequentados por pessoas ingênuas a procura de soluções fáceis para seus problemas. A imagem de caridosos, capazes de resolver os mais intricados problemas com um passe de mágica, garante o prestígio de lideranças, servindo de isca a atrair muitos fiéis a "centros".

Mas o fato é que a acridade "espírita" sempre se mostrou inócua e incapaz de eliminar os problemas. Soa uma hipocrisia querer canonizar lideranças que pouco ou nada fazem pelos mais carentes, atribuindo a eles uma suposta "perfeição" que os fará a ter supostos privilégios no mundo espiritual.

A verdadeira ajuda que os pobres merecem e a eliminação da pobreza. seria ideal que lideranças "espíritas" usassem sua influência, garantida pelo prestígio que possuem, para cobrar de autoridades a melhoria da distribuição de renda e leis que favoreçam os direitos essenciais aos mais carentes. 

Mas isso não acontece, pois quando uma liderança se encontra com alguma autoridade é somente para receber prêmios (que deveriam ser recusados pelas lideranças "espíritas", caso sua humildade alegada fosse real) e nunca para cobrar atitudes. As lideranças "espíritas" entram caladas, recebem seus prêmios e saem caladas do mesmo jeito. A plutocracia adora lideranças religiosas caladas.

Observando o resultado da chamada caridade "espírita" percebemos que para uma religião que é uma farsa, cheia de dogmas contraditórios entre si, a ajuda aos mais carentes também deveria ser uma farsa, feita apenas para sensibilizar falsos altruístas e atrair muita gente a "centros" garantindo um quorum que forjasse a lenda da "religião que mais cresce no país" e que nunca sai dos 2%.

Vamos cair na real: sopinhas, agasalhos e frases bonitinhas nunca deram dignidade ao povo pobre. Ainda esperamos uma caridade verdadeira vinda de algum "espírita". Lembrando que "espíritas" apoiaram o golpe de 2016, que destruiu os direitos dos mais carentes que os mesmos fingem ajudar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Silêncio da imprensa em torno do caso Divaldo Franco-João Dória Jr. é grave

(Autor: Professor Caviar)
De repente, até a imprensa de esquerda desaprendeu a fazer jornalismo. O prefeito de São Paulo, João Dória Jr., enquanto divulgava a intragável "farinata", composto alimentar de procedência e valor nutricional duvidosos, exibiu o tempo todo a camiseta do evento Você e a Paz, comandado pelo "médium" Divaldo Franco. O silêncio total da imprensa quanto a este aspecto tem muito o que dizer, e não são coisas boas.
Em primeiro lugar, João Dória Jr. não exibiu a camiseta do Você e a Paz porque foi a única camiseta branca que encontrou ele que costuma usar camisas de colarinho e paletó. Também não foi uma iniciativa comparável à de um moleque usando camiseta de banda. Houve um propósito para João Dória Jr. aparecer vestindo a camiseta do Você e a Paz, na qual havia o crédito do nome de Divaldo Franco.
Nenhum jornalista, por mais investigativo que fosse, chegou sequer a perguntar: "ora, se a 'farinata' era apoiada pela Arquidiocese de…

Por defender a ditadura militar, Chico Xavier devia perder homenagens em logradouros

(Autor: Professor Caviar)

Pode parecer, para muitos, cruel e injusto, mas a verdade é que Francisco Cândido Xavier deveria perder as homenagens dadas a logradouros por todo o país.
Na famosa entrevista ao programa Pinga Fogo, em julho de 1971, Chico Xavier exaltou a ditadura militar, com muita convicção, e disse para orarmos para as Forças Armadas, porque os militares estavam construindo o "reino de amor" do Brasil futuro.
Demonstrando um raivoso direitismo, Chico Xavier simplesmente disparou comentários contra manifestantes sem-terra e operários, com um reacionarismo descomunal e que muitos não conseguem imaginar, apegados à "dócil imagem" atribuída ao anti-médium mineiro. Quem duvida, é só ver o vídeo no YouTube. E é o próprio Chico Xavier quem diz, para tristeza de seus seguidores.
Ele defendeu a ditadura militar num contexto em que ela se mostrou bem mais repressiva. Era a época do DOI-CODI, principal órgão de repressão, que aprisionava, torturava e matava pri…

Um grave equívoco numa frase de Chico Xavier

(Autor: Professor Caviar)
Pretenso sábio, o "médium" Francisco Cândido Xavier é uma das figuras mais blindadas do "espiritismo" brasileiro a ponto de até seus críticos terem medo de questioná-lo de maneira mais enérgica e aprofundada.
Ele foi dado a dizer frases de efeito a partir dos anos 1970, quando seu mito de pretenso filantropo ganhou uma abordagem menos confusa que a de seu antigo tutor institucional, o ex-presidente da FEB, Antônio Wantuil de Freitas. Nessa nova abordagem, feita sob o respaldo da Rede Globo, Chico Xavier era trabalhado como ídolo religioso nos moldes que o jornalista católico inglês Malcolm Muggeridge havia feito no documentário Algo Bonito para Deus (Something Beautiful for God), em relação a Madre Teresa de Calcutá.
Para um público simplório que é o brasileiro, que anda com mania de pretensa "sabedoria de bolso", colecionando frases de diversas personalidades, umas admiráveis e outras nem tanto, sem que tivesse um hábito de lei…