Pular para o conteúdo principal

A caridade sem resultados admirada por fiéis ingenuos

(Autor: Kardec McGuiver)

O altruísmo admirado pelos conservadores nada tem de eficiente. Nunca passou de mero "prêmio de consolação" àqueles que não conseguiram se incluir no bem estar social da chamada classe média, tendo que suportar uma vida indigna e sem garantias. 

Para conservadores, problemas devem existir para que o nababo das elites seja respeitado e a caridade nunca deve tirar os pobres de sua condição humilhante, apenas contribuindo para que estes permaneçam vivos, servindo de propaganda para supostos benfeitores.

Estes supostos benfeitores se tornam uma espécie de "grifes do altruísmo". A caridade praticada beneficia mais a estes supostos benfeitores do que aos seus auxiliados. Supostos benfeitores vivem de receber prêmios e angariar prestígio se tornando ídolos para uma multidão de gente, principalmente para a classe média que não é auxilada por eles e que se considera dispensada de praticar a caridade, pois "tem alguém que faça".

Esta caridade, praticada há muitas décadas sem dar resultado realmente eficiente, servindo mais de um meio de suportar a desgraça nunca encerrada, é tida erroneamente como meio de "transformação humanitária" e tem servido para esconder a ganância das classes opressoras que utilizam esta forma ineficaz de altruísmo como meio de se promoverem como "pessoas de bem".


Curioso que no caso do "Espiritismo" brasileiro, apenas este tipo de caridade paliativa deve ser admirada e praticada. Apoiadores do golpe de 2016, "espíritas" condenam o verdadeiro altruísmo, caracterizado pelos movimentos sociais e pelas leis defendidas por lideranças políticas de linha progressista. isso sem falar do apoio escancarado de "espíritas" a líderes políticos, jurídicos e empresariais claramente gananciosos.


Talvez para "espíritas", resolver de fato os problemas da humanidade não seja bom, pois a fama de "eternos altruístas" te feito com que o "Espiritismo" brasileiro permaneça de pé, sustentado pela ideia da "religião da caridade". Se a sociedade se tornar justa e próspera, não haverá mais razão para "espíritas" empurrarem goela abaixo seus dogmas sem pé nem cabeça como o das "crianças índigo" e a evolução humanitária em alta velocidade, com um piscar de olhos.

Pode ser que este seja o real motivo para que "espíritas" reprovem a caridade eficiente e optem por formas mais paliativas e que mantenham os pobres na desgraça. A Teologia do Sofrimento abraçada pelos "espíritas" reforça esta tese, pois inventaram que é bom se manter no sofrimento para que a ajuda paliativa repetida como um loop eterno possa promover o "Espiritismo" e suas lideranças para que elas lucrem com prêmios e prestígio.

Sinceramente, um mundo melhor e justo faz mal a "espíritas". Não dá para lucrar com bondade se não existe mais desgraçados para serem usados para promover uma bondade interesseira e ineficaz de lideranças de uma seita sem razão real para existir.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Silêncio da imprensa em torno do caso Divaldo Franco-João Dória Jr. é grave

(Autor: Professor Caviar)
De repente, até a imprensa de esquerda desaprendeu a fazer jornalismo. O prefeito de São Paulo, João Dória Jr., enquanto divulgava a intragável "farinata", composto alimentar de procedência e valor nutricional duvidosos, exibiu o tempo todo a camiseta do evento Você e a Paz, comandado pelo "médium" Divaldo Franco. O silêncio total da imprensa quanto a este aspecto tem muito o que dizer, e não são coisas boas.
Em primeiro lugar, João Dória Jr. não exibiu a camiseta do Você e a Paz porque foi a única camiseta branca que encontrou ele que costuma usar camisas de colarinho e paletó. Também não foi uma iniciativa comparável à de um moleque usando camiseta de banda. Houve um propósito para João Dória Jr. aparecer vestindo a camiseta do Você e a Paz, na qual havia o crédito do nome de Divaldo Franco.
Nenhum jornalista, por mais investigativo que fosse, chegou sequer a perguntar: "ora, se a 'farinata' era apoiada pela Arquidiocese de…

Por defender a ditadura militar, Chico Xavier devia perder homenagens em logradouros

(Autor: Professor Caviar)

Pode parecer, para muitos, cruel e injusto, mas a verdade é que Francisco Cândido Xavier deveria perder as homenagens dadas a logradouros por todo o país.
Na famosa entrevista ao programa Pinga Fogo, em julho de 1971, Chico Xavier exaltou a ditadura militar, com muita convicção, e disse para orarmos para as Forças Armadas, porque os militares estavam construindo o "reino de amor" do Brasil futuro.
Demonstrando um raivoso direitismo, Chico Xavier simplesmente disparou comentários contra manifestantes sem-terra e operários, com um reacionarismo descomunal e que muitos não conseguem imaginar, apegados à "dócil imagem" atribuída ao anti-médium mineiro. Quem duvida, é só ver o vídeo no YouTube. E é o próprio Chico Xavier quem diz, para tristeza de seus seguidores.
Ele defendeu a ditadura militar num contexto em que ela se mostrou bem mais repressiva. Era a época do DOI-CODI, principal órgão de repressão, que aprisionava, torturava e matava pri…

Um grave equívoco numa frase de Chico Xavier

(Autor: Professor Caviar)
Pretenso sábio, o "médium" Francisco Cândido Xavier é uma das figuras mais blindadas do "espiritismo" brasileiro a ponto de até seus críticos terem medo de questioná-lo de maneira mais enérgica e aprofundada.
Ele foi dado a dizer frases de efeito a partir dos anos 1970, quando seu mito de pretenso filantropo ganhou uma abordagem menos confusa que a de seu antigo tutor institucional, o ex-presidente da FEB, Antônio Wantuil de Freitas. Nessa nova abordagem, feita sob o respaldo da Rede Globo, Chico Xavier era trabalhado como ídolo religioso nos moldes que o jornalista católico inglês Malcolm Muggeridge havia feito no documentário Algo Bonito para Deus (Something Beautiful for God), em relação a Madre Teresa de Calcutá.
Para um público simplório que é o brasileiro, que anda com mania de pretensa "sabedoria de bolso", colecionando frases de diversas personalidades, umas admiráveis e outras nem tanto, sem que tivesse um hábito de lei…