Pular para o conteúdo principal

Quando O Cruzeiro sentiu Muggeridge antes da Rede Globo

É verdade que o mito "filantrópico" de Francisco Cândido Xavier já era trabalhado desde cedo, mas ele se tornou mais explícito ao longo dos anos, sobretudo para abafar casos de deturpação doutrinária em relação ao pensamento kardeciano quanto casos de fraudes em atividades ditas "mediúnicas".

É verdade, também, que o grosso dessa campanha em promover Chico Xavier como "ícone da caridade" se deu no final dos anos 1970, através das Organizações Globo, por inspiração no documentário da BBC sobre Madre Teresa de Calcutá feito por Malcolm Muggeridge, Algo Bonito para Deus (Something Beautiful for God), de 1969.

Mas observa-se que, de maneira relativa, a sombra de Malcolm Muggeridge e a "luz" que ele acreditava ser da força de Deus e não das poderosas máquinas da Kodak, foi incorporada pelos Diários Associados sob o respaldo da Federação "Espírita" Brasileira já meses depois de Chico Xavier ter dado entrevista no programa Pinga Fogo, da TV Tupi de São Paulo.

É o que se nota nessas duas páginas publicadas pela revista O Cruzeiro, a partir de 10 de novembro de 1971, a revista que costumava bater pesado no "médium", e um ano antes havia feito reportagem desmascarando a farsante Otília Diogo, que fazia pseudo-materializações como "irmã Josefa" e outros, depois que um material contendo os referidos disfarces foi encontrado. Os repórteres de O Cruzeiro chegaram a receber ameaças de "espíritas" mineiros, pelas denúncias divulgadas.

Geralmente a TV Tupi é mais generosa com Chico Xavier do que o frequentemente desconfiado O Cruzeiro, o que é curioso diante dessas posturas de veículos dos Diários Associados. E aqui se vê a publicação de duas das edições em que o "colaborador" Chico Xavier transmite mensagens "edificantes", dentro daquele igrejismo devotado que conhecemos.

Tudo isso é reflexo do mito de Madre Teresa de Calcutá, que o imaginário religioso brasileiro cultua e buscava ter um equivalente próprio. E aí veio o farsante Chico Xavier, plagiador de trechos de obras literárias, criador de pastiches estilísticos cercado de uma plêiade de editores da FEB e consultores literários a serviço da federação, bancar o "filantropo" como exímio mercador de palavras bonitinhas, um grande vendilhão das "boas palavras".

No texto de 24 de novembro, ainda tem uma foto com Chico Xavier carregando um bebê no colo, um apelo conhecido da campanha publicitária da Madre Teresa. Isso é um recurso para manipular e sensibilizar as pessoas, algo típico das campanhas políticas, mas como o Brasil se apega ao deslumbramento religioso, fica por isso mesmo.

Chico Xavier publica vários textos ditados pelo seu tirânico mentor, o jesuíta Emmanuel, mas adota as identidades de outros espíritos, ilustres ou amigos. Nota-se que ele chegou a usar o nome de Cornélio Pires, conhecido contador de causos e compositor caipira, que havia sido tio de José Herculano Pires, um dos que combatiam a deturpação "espírita" e que, dentro do lema "amigos, amigos, negócios à parte", era amigo do anti-médium mineiro.

As mensagens não tem lá muita serventia. Sempre apelos para se ter calma, se conformar com a vida que leva e esperar ajuda do "Alto". Mensagens inúteis em prol da resignação com tudo, da servidão, do infortúnio e da vida "qualquer nota". Para alguém como Chico Xavier, defensor entusiasmado da Teologia do Sofrimento, apelar para o conformismo dos sofredores é uma grande habilidade.

São falsos ensinamentos que O Cruzeiro, neste momento infeliz, definiu como "verdades eternas". Sim, são "verdades eternas" de quem plagiou livros e fez pastiches literários, mas que, com o apoio da grande mídia virou "símbolo de amor e bondade". Temos nossa "Madre Teresa de Calcutá", agora falta surgir um Christopher Hitchens.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

(Autor: Professor Caviar)
Na madrugada de ontem, numa serra na Colômbia, um trágico acidente ceifou quase todos os ocupantes de um avião que levava a equipe catarinense Associação Chapecoense de Futebol, time conhecido como Chapecoense ou, simplesmente, Chape.
No acidente, inicialmente 75 pessoas faleceram. A maioria dos jogadores do Chapecoense, parte da tripulação boliviana que estava no avião, jornalistas e dirigentes esportivos. Apenas seis pessoas foram resgatadas com vida. O famoso zagueiro Neto foi resgatado com vida, e está sob cuidados médicos.
A tragédia comoveu o mundo inteiro e revelou um sonho interrompido de um time em ascensão. Consta-se que o Chapecoense era melhor do que muito time festejado que vence fácil qualquer torneio, e seu time era considerado de grande entrosamento. Com a perda de muitos desses jogadores, o time terá que recomeçar a temporada de 2017 do zero, provavelmente aproveitando jogadores juvenis.
Sob a ótica "espírita", fala-se que o aciden…

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

(Autor: Artur Felipe Azevedo)
Nosso Sistema Solar é composto de 8 planetas. Um leitor anônimo escreveu um comentário, dizendo o seguinte:

"Respeito a opnião (sic) de vocês, mas estão um pouco desatualizados. Se não sabem, foi descoberto um planeta próximo a Plutão, denominado Planeta X, mas que anteriormente foi citado pelo medium Chico Xavier como o Planeta Chupão. Se voces ligarem a teoria espirita com a lógica, viriam que jamais ela errou, mas se exitam em falar sem ao menos saber em que se resume tal coisa. http://geniusvirtual.blogspot.com/2009/07/seria-o-apocalispe-o-planeta-chupao.html  Esse link acima é para a reportagem completa, e abaixo dela está a fonte. Essa repostagem nao é espirita, é científica.
Parem um pouco e leiam para depois falar. É por isso que sempre digo: NÃO PODEMOS FALAR MAL DE ALGUMA COISA QUE NAO CONHECEMOS COMPLETAMENTE, APENAS SE APOIANDO EM SUPOSTOS COMENTARIOS OU SUPOSIÇÕES."


Bem, vemos que o colega ramatisista parece convencido da existência do …

Não quiseram cortar o mal pela raiz? Agora o estrago foi feito. Aguentem!

(Autor: Kardec McGuiver)
Muita gente reclama atualmente das críticas feitas a Chico Xavier. Não são críticas inventadas, são observações dos inúmeros erros cometidos pelo beato católico transformado em "liderança espírita" graças a um festival de manipulações feitas pelas lideranças da FEB, interessadas em fabricar um "santo vivo" para atrair gente e consequentemente, dinheiro. Dinheiro que ia muito pouco para a caridade e mais para as lideranças.
Se esquecem essas pessoas, cegas pela idolatria fanática a um verdadeiro charlatão que foi Chico Xavier, que se tudo fosse evitado antes, nada disso teria acontecido. Era preciso cortar a erva daninha no início, mas preferiram alimentá-la e deixar crescer. Hoje Chico Xavier é uma planta carnívora em dimensões colossais e o estrago que causou no Espiritismo se tornou algo praticamente irreversível.
Claro que houve tentativas para denunciar o charlatão no início. Mas sem a internet ou meios que propagassem as denúncias, el…