David Bowie era muito mais evoluído espiritualmente do que Chico Xavier


(Autor: Kardec McGuiver)

Sim, amigos. O caipira bonzinho de Pedro Leopoldo, tido como "o mais evoluído do país", mas que não sabia nada sobre coisa nenhuma, enganando a Deus e o mundo com sua deturpação doutrinária, na verdade era inferior pacas, Não tinha o mal caratismo de um bandido mas não era bondoso como dizem, chegando a cometer seus julgamentos injustos, legitimados pelo seu falso prestígio. Quanto a intelectualidade, Xavier era bastante ingênuo. E seus espíritos "mentores" eram mais ingênuos ainda (lei de afinidades: ingênuos não atraem espíritos sábios).

Na verdade, Chico Xavier foi um dos espíritos mais atrasados que estiveram na Terra. Sua suposta superioridade foi uma farsa inventada por seus tutores (Xavier era um católico "acolhido" por "espíritas" brasileiros) para se aproveitar da paranormalidade que possuía, atraindo gente para a Igreja "Espírita", garantindo lucros para as suas lideranças. Ou seja, Chico Xavier nada tinha de superior ou de "sábio". Era um cidadão comum que tinha paranormalidade e só.

Por ser um dos espíritos mais atrasados no planeta, é mais do que óbvio que existam muitos espíritos muito mais superiores que Xavier, cujo igrejismo deste já servia como prova de sua inferioridade, senal moral, mas evidentemente intelectual.

David Bowie dava sinais de que era espírito evoluído

Entre as pessoas que demonstram ter muito mais superioridade espiritual do que Xavier está o cantor e compositor David Bowie, falecido recentemente. Letrista insuperável, contador de estórias cheias de lições de vida, Bowie era um intelectual da música, além de ser uma pessoa generosa e que usava as suas canções para tentar educar os jovens e fazer um mundo melhor. Era ativista e não perdia a oportunidade de fazer a verdadeira caridade, não a paliativa das religiões.

A sua postura e a qualidade de suas obras já denunciavam sua elevação espiritual. Era avesso a tudo que representasse padrões e monotonia. Era um mutante, mas mudava não para deixar de ser ele mesmo, para para se melhorar. Seu mimetismo era na verdade um processo de aperfeiçoamento constante. Até mesmo sua morte aconteceu como uma lição de vida. A última lição de vida, mas com a acumulada sabedoria de alguém na beira dos 70 anos.

David Bowie sempre se esforçou em passar longe da mediocridade. Nunca se declarou ateu, mas a religiosidade lhe dava mais dúvidas que certezas, o que é um bom sinal. Religiões são lendas e duvidar delas, para permitir uma verificação justa, é um sinal de evolução. Bowie nunca cometeu os erros de Xavier, um beato da gema. O médium de Pedro Leopoldo envergonha a humanidade com a sua submissão igrejista. Somente inferiores são submissos. E Bowie, pelo contrário, vivia questionando e se modificando. Se Bowie nasceu sábio, morreu ainda mais sábio.

A humanidade está acostumada ao estereótipo de embutir suposta superioridade a lideres religiosos. Isso é um equívoco, pois a verdadeira superioridade está no desenvolvimento intelectual, já que o cérebro é que manda em nossas atitudes. Xavier, ignorante, preferiu ouvir a voz do coração, que não pensa, sendo apenas uma mera bomba de explodir sangue, e se ferrou.

Enquanto isso, Bowie preferiu a sua sabedoria verdadeira e deixa para nós canções e entrevistas ceias de sabedoria, bons conselhos e grandes ideias. Se as pessoas preferissem trocar Chico Xavier por David Bowie, avançariam muito mais na evolução espiritual, com lições que podem ser postas em prática, do contrário da pseudo-sabedoria puramente teórica do beato Xavier. 

Se viajarmos com o astronauta Major Tom, voaremos para mais longe, elevando cada vez mais o nosso nível. Enquanto Bowie segue para outras dimensões superiores, adequadas a sua evolução espiritual, Xavier retorna a Terra para aprender a ouvir mais a voz do cérebro do que ouvir o coração e parar de enganar os outros com seu igrejismo fajuto. Você pode ter esbarrado em Chico Xavier reencarnado e nem sabe.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria