Pular para o conteúdo principal

Mais uma equivocada mensagem de Chico Xavier que contradiz a si mesma

(Autor: Professor Caviar)

Mais uma mensagem equivocada de Francisco Cândido Xavier e que certamente mostra a sua falsa modéstia e mostra também uma grave contradição, se levarmos em conta a idolatria obsessiva que se pratica em relação aos "médiuns espíritas", alvos de um tipo de adoração que corresponde à fascinação obsessiva, um tipo grave de obsessão que a literatura espírita original já preveniu com muita antecedência.

Vejamos então a frase, que parece bonita mas é até muito piegas: "Amar, sem esperar ser amado e sem esperar recompensa alguma". Mais uma mensagem de apelo igrejista do deturpador pioneiro Chico Xavier.

Vamos pensar um pouco. Chico Xavier, como os demais "médiuns espíritas", são os que mais receberam recompensas na Terra, privilégios comparados aos ricos da fortuna material terrena, do luxo dos tesouros materialistas, acumulados pela ambição, pela vaidade e pela adulação dos outros.

Os "médiuns", como Chico Xavier e Divaldo Franco, são aristocratas da Terra, mas sob um outro enfoque, o religioso. Se tornaram os "sacerdotes" de um "espiritismo" que é deturpado e trai os postulados espíritas originais. E eles, que passam sempre a pretensa imagem de "humildade" e até "pobreza", são na verdade os ricos e afortunados das paixões terrenas, porque sua fortuna pode, com certeza, não ser a do dinheiro e do luxo, mas ela é simbólica e se equipara, pelo nível de vaidade e pela sensação de superioridade pessoal, aos grandes magnatas.

Deturpadores e conservadores, os "médiuns" são considerados "espíritos de luz" pelas paixões religiosas da Terra. São ilusões que se mascaram pela suposta espiritualidade, pela falsa simplicidade, pela pretensa despretensão. Isso já lhes garante as recompensas da Terra, garantido pelo culto à personalidade, da adoração fanática e devota que muitos pensam não haver.

Aliás, a dissimulação é o pior dos truques que beneficiam os "médiuns". Ninguém assume que eles vivem do culto à personalidade. Mas vivem. A propaganda do evento Você e a Paz comprova isso, em relação a Divaldo Franco. Só no caso da "farinata" de João Dória Jr. é que Divaldo, sob o risco de ser desmascarado num possível escândalo, "desapareceu" a ponto de muitos pensarem que o Você e a Paz paulista era idealizado pelo arcebispo católico Dom Odilo Scherer.

Outras dissimulações: as paixões religiosas, o fanatismo, a fascinação obsessiva. Muitos pensam que a adoração aos "médiuns espíritas" é saudável e edificante. Muito pelo contrário. Só a adoração a Chico Xavier comprova a morbidez desse sentimento, motivado mais pelos apelos emotivos bastante duvidosos, movidos pela propaganda midiático-religiosa, uma idolatria que envergonharia Moisés, porque, embora se dirija a humanos, a idolatria religiosa de hoje os faz "velocinos de ouro" em forma humana.

Chico Xavier queria recompensas, queria o aplauso das multidões. A falsa modéstia das frases que ele difundiu eram apenas ganchos para essa vaidade e presunção, que alimentavam o prestígio religioso, que na prática é o pior dos estrelatos.

Com toda certeza, Chico Xavier penou quando, ao regressar ao mundo espiritual, em 2002, sentiu a decepção enorme e chocante de uma alegada "luminosidade" que nunca existiu. Foi apenas uma ilusão terrena, como tantas ilusões movidas pela paixão excessiva, e a religião também traz muitas paixões tão levianas quanto a do dinheiro e do luxo. E o "espiritismo" brasileiro leva essas paixões às mais derradeiras consequências.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Silêncio da imprensa em torno do caso Divaldo Franco-João Dória Jr. é grave

(Autor: Professor Caviar)
De repente, até a imprensa de esquerda desaprendeu a fazer jornalismo. O prefeito de São Paulo, João Dória Jr., enquanto divulgava a intragável "farinata", composto alimentar de procedência e valor nutricional duvidosos, exibiu o tempo todo a camiseta do evento Você e a Paz, comandado pelo "médium" Divaldo Franco. O silêncio total da imprensa quanto a este aspecto tem muito o que dizer, e não são coisas boas.
Em primeiro lugar, João Dória Jr. não exibiu a camiseta do Você e a Paz porque foi a única camiseta branca que encontrou ele que costuma usar camisas de colarinho e paletó. Também não foi uma iniciativa comparável à de um moleque usando camiseta de banda. Houve um propósito para João Dória Jr. aparecer vestindo a camiseta do Você e a Paz, na qual havia o crédito do nome de Divaldo Franco.
Nenhum jornalista, por mais investigativo que fosse, chegou sequer a perguntar: "ora, se a 'farinata' era apoiada pela Arquidiocese de…

Por defender a ditadura militar, Chico Xavier devia perder homenagens em logradouros

(Autor: Professor Caviar)

Pode parecer, para muitos, cruel e injusto, mas a verdade é que Francisco Cândido Xavier deveria perder as homenagens dadas a logradouros por todo o país.
Na famosa entrevista ao programa Pinga Fogo, em julho de 1971, Chico Xavier exaltou a ditadura militar, com muita convicção, e disse para orarmos para as Forças Armadas, porque os militares estavam construindo o "reino de amor" do Brasil futuro.
Demonstrando um raivoso direitismo, Chico Xavier simplesmente disparou comentários contra manifestantes sem-terra e operários, com um reacionarismo descomunal e que muitos não conseguem imaginar, apegados à "dócil imagem" atribuída ao anti-médium mineiro. Quem duvida, é só ver o vídeo no YouTube. E é o próprio Chico Xavier quem diz, para tristeza de seus seguidores.
Ele defendeu a ditadura militar num contexto em que ela se mostrou bem mais repressiva. Era a época do DOI-CODI, principal órgão de repressão, que aprisionava, torturava e matava pri…

Um grave equívoco numa frase de Chico Xavier

(Autor: Professor Caviar)
Pretenso sábio, o "médium" Francisco Cândido Xavier é uma das figuras mais blindadas do "espiritismo" brasileiro a ponto de até seus críticos terem medo de questioná-lo de maneira mais enérgica e aprofundada.
Ele foi dado a dizer frases de efeito a partir dos anos 1970, quando seu mito de pretenso filantropo ganhou uma abordagem menos confusa que a de seu antigo tutor institucional, o ex-presidente da FEB, Antônio Wantuil de Freitas. Nessa nova abordagem, feita sob o respaldo da Rede Globo, Chico Xavier era trabalhado como ídolo religioso nos moldes que o jornalista católico inglês Malcolm Muggeridge havia feito no documentário Algo Bonito para Deus (Something Beautiful for God), em relação a Madre Teresa de Calcutá.
Para um público simplório que é o brasileiro, que anda com mania de pretensa "sabedoria de bolso", colecionando frases de diversas personalidades, umas admiráveis e outras nem tanto, sem que tivesse um hábito de lei…