O verdadeiro corrupto

(Autor: Senhor dos Anéis)

Existe um homem que adora fazer corrupção. Cria mensagens para as pessoas e põe na conta de outros autores, inclusive ilustres. Mente afirmando sobre um futuro que não passa de especulação, inclusive descrevendo cidades com elevada qualidade de vida que, simplesmente, não existem nem jamais existiram.

O homem aprontou muitas confusões. Suas falsas mensagens agradavam uns e desagradavam outros. Uns ficaram muito deslumbrados mas outros ficaram irritados de tanta indignação. Controvérsias pesadas resultavam em escândalos, nos quais o seu responsável era justamente o menos atingido, saindo sempre de fininho.

O homem procurava ser simpático com as pessoas, mas às vezes tem surtos de juízo de valor e certa vez afirmou que as vítimas de um trágico incêndio tinham sido gente sanguinária no passado. Mas, para não pegar mal, o esperto homem alegou que foi um falecido intelectual que lhe disse isso, lhe contando, como quem espalha um rumor com status de verdade, quem teriam sido as vítimas.

Numa outra vez, os amigos de um jovem falecido duvidavam que o corrupto iria mesmo transmitir o recado dele. O corrupto se irritou com o ceticismo dos jovens e fez uma maledicência, em tom bastante ríspido. Os amigos alegavam que a primeira mensagem lembrava a de um inocente coroinha de igreja, noutras parecia um psicótico depois de um coquetel de heroína e LSD.

Certa vez, o corrupto declarou para milhares de pessoas que defendia um governo autoritário, por mais repressivo que seja, porque é assim que o Brasil poderia ter mais solidariedade, mesmo sob a ameaça de um cacetete ou de um fuzil. Com seu habitual juízo de valor, ele via naqueles que lutavam por justiça social um bando de desordeiros.

O corrupto também esteve junto com os chefões da grande mídia manipuladora, apoiou um político que depois confiscou dinheiro dos brasileiros, e, em suas mensagens, foram identificadas visões sociais sombrias, como dizer que negros e índios eram "socialmente inferiores" e que os judeus eram culpados pela morte de Jesus.

Além disso, ele havia doado dinheiro supostamente à caridade, mas garantiu o enriquecimento de seus patrões, que aumentaram seu poder de maneira vertiginosa e criaram uma administração centralizadora, que prejudicou o trabalho das unidades regionais, impedindo-as de até terem poder de decisão nos debates.

De repente, diante disso, você visita o corrupto e ele mostra todo um aparato de seus projetos sociais: criancinhas tomando sopa, velhinhos em camas modestas com lençóis limpos, reuniões com canções piegas de amor e pessoas fascinadas, e um ritual de aparentes gentilezas e confraternizações.

E aí você, vendo todo esse espetáculo, pensa que fulano não é corrupto. Pois é o verdadeiro corrupto que lhe seduziu com esse teatro da "bondade" que você acredita ter sido realista.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria