É preciso fazer din-din!

(Autor: Kardec McGuiver)

Está sendo anunciada a produção de um musical teatral sobre a vida de Chico Xavier. Os deturpadores da doutrina continuam insistindo no médium para continuar enganando a população que acredita no estereótipo de bondade que foi atribuído a ele. Não pensem que a intenção é tentar evoluir a sociedade por meio do falso exemplo de bondade e sim pela necessidade das instituições "espíritas continuarem ganhado dinheiro para alimentar as suas lideranças.

Chico Xavier foi a galinha dos ovos de ouro das instituições "espíritas", sobretudo a FEB. Seus livros rendem uma imensa fortuna que supostamente é aplicada no sustento de atividades filantrópicas, cujo resultado prático nunca é percebido, permanecendo em mistério. Curiosamente, lideranças e instituições "espíritas" deixam escapar de vez e quando, sinais de um excelente padrão de vida, além do fato da FEB ser uma instituição bastante rica.

Para continuar recebendo essa valiosa renda, é necessário preservar o mito, mesmo que o bom senso comprove quão falso era o médium, que na prática nunca assou de um beato católico com tendências paranormais que nunca entendeu o Espiritismo, apesar de ter sido estigmatizado como "sua maior liderança". Chico Xavier é uma farsa que vem sido desmascarado desde que surgiu, mas com a internet, isso tem se intensificado, com o mito hoje quase enfraquecido, mas ainda de pé.

E mantê-lo de pé para que continue vendendo seus livros cheios de erros e mentiras é a meta dos deturpadores que enxergam no médium uma forma de se manter no poder e com um patrimônio que lhes permite um certo conforto que não é imaginado pelos fiéis mais ingênuos.

Se preparem, muito mais coisas vão surgir com o nome de Chico Xavier. É preciso passar a sacolinha para que as lideranças possam garantir para eles mesmos o Santo Caviar de todos os dias.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria