Pular para o conteúdo principal

Leitor reclama da reação do "movimento espírita"

(Autor: Tiago Fernandes)

É assustador o poder do chamado movimento espírita, e todo o seu cinismo de reagir a quem questiona suas ideias claramente igrejistas.

Nas últimas semanas, as páginas e os veículos da tal mídia espírita agora escrevem sobre amor, caridade, fraternidade, para preencher a falta de assunto desses verdadeiros analfabetos de Allan Kardec.

Eles passaram agora a falar de tudo: querem que a gente altere os pensamentos sobre a vida, deixemos de reclamar, promovemos a fraternidade, a caridade e a paz, como se os espíritas fossem os melhores que todo o mundo e os únicos a serem os bonzinhos na sociedade.

A gente vê que não é nada disso e o que se lê nesses "livros maravilhosos" do Chico Xavier, Divaldo Franco, e autores da moda como José Carlos de Lucca e Robson Pinheiro é puro igrejismo barato, chorosas estorinhas de dramas pessoais e moralismo católico mal disfarçado. 

Fora as novelas espíritas que são um horror. Se você faz roteiro ruim de novela da Globo e é reprovado, pode publicar como livro mediúnico, usar um nome grego ou latino de suposto espírito e botar mensagens de amor. Vende feito bala.

Nesse país em crise, não dá para sermos "fraternos" se a gente vê pessoas abusando do poder político e econômico para enganar as pessoas. Se formos "fraternos", nessa situação, estaremos aceitando o abuso dos egoístas sobre nós, e aí seria entregar o ouro a bandido.

O que a gente quer é justiça social, desenvolvimento humano, qualidade de vida e combate aos privilégios. Sem isso, não dá para ser "fraterno". Os espíritas estão perdendo tempo com esse papo todo de sermos "irmãos" numa situação de tantas desgraças.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Silêncio da imprensa em torno do caso Divaldo Franco-João Dória Jr. é grave

(Autor: Professor Caviar)
De repente, até a imprensa de esquerda desaprendeu a fazer jornalismo. O prefeito de São Paulo, João Dória Jr., enquanto divulgava a intragável "farinata", composto alimentar de procedência e valor nutricional duvidosos, exibiu o tempo todo a camiseta do evento Você e a Paz, comandado pelo "médium" Divaldo Franco. O silêncio total da imprensa quanto a este aspecto tem muito o que dizer, e não são coisas boas.
Em primeiro lugar, João Dória Jr. não exibiu a camiseta do Você e a Paz porque foi a única camiseta branca que encontrou ele que costuma usar camisas de colarinho e paletó. Também não foi uma iniciativa comparável à de um moleque usando camiseta de banda. Houve um propósito para João Dória Jr. aparecer vestindo a camiseta do Você e a Paz, na qual havia o crédito do nome de Divaldo Franco.
Nenhum jornalista, por mais investigativo que fosse, chegou sequer a perguntar: "ora, se a 'farinata' era apoiada pela Arquidiocese de…

Por defender a ditadura militar, Chico Xavier devia perder homenagens em logradouros

(Autor: Professor Caviar)

Pode parecer, para muitos, cruel e injusto, mas a verdade é que Francisco Cândido Xavier deveria perder as homenagens dadas a logradouros por todo o país.
Na famosa entrevista ao programa Pinga Fogo, em julho de 1971, Chico Xavier exaltou a ditadura militar, com muita convicção, e disse para orarmos para as Forças Armadas, porque os militares estavam construindo o "reino de amor" do Brasil futuro.
Demonstrando um raivoso direitismo, Chico Xavier simplesmente disparou comentários contra manifestantes sem-terra e operários, com um reacionarismo descomunal e que muitos não conseguem imaginar, apegados à "dócil imagem" atribuída ao anti-médium mineiro. Quem duvida, é só ver o vídeo no YouTube. E é o próprio Chico Xavier quem diz, para tristeza de seus seguidores.
Ele defendeu a ditadura militar num contexto em que ela se mostrou bem mais repressiva. Era a época do DOI-CODI, principal órgão de repressão, que aprisionava, torturava e matava pri…

Um grave equívoco numa frase de Chico Xavier

(Autor: Professor Caviar)
Pretenso sábio, o "médium" Francisco Cândido Xavier é uma das figuras mais blindadas do "espiritismo" brasileiro a ponto de até seus críticos terem medo de questioná-lo de maneira mais enérgica e aprofundada.
Ele foi dado a dizer frases de efeito a partir dos anos 1970, quando seu mito de pretenso filantropo ganhou uma abordagem menos confusa que a de seu antigo tutor institucional, o ex-presidente da FEB, Antônio Wantuil de Freitas. Nessa nova abordagem, feita sob o respaldo da Rede Globo, Chico Xavier era trabalhado como ídolo religioso nos moldes que o jornalista católico inglês Malcolm Muggeridge havia feito no documentário Algo Bonito para Deus (Something Beautiful for God), em relação a Madre Teresa de Calcutá.
Para um público simplório que é o brasileiro, que anda com mania de pretensa "sabedoria de bolso", colecionando frases de diversas personalidades, umas admiráveis e outras nem tanto, sem que tivesse um hábito de lei…