Leitor reclama da reação do "movimento espírita"

(Autor: Tiago Fernandes)

É assustador o poder do chamado movimento espírita, e todo o seu cinismo de reagir a quem questiona suas ideias claramente igrejistas.

Nas últimas semanas, as páginas e os veículos da tal mídia espírita agora escrevem sobre amor, caridade, fraternidade, para preencher a falta de assunto desses verdadeiros analfabetos de Allan Kardec.

Eles passaram agora a falar de tudo: querem que a gente altere os pensamentos sobre a vida, deixemos de reclamar, promovemos a fraternidade, a caridade e a paz, como se os espíritas fossem os melhores que todo o mundo e os únicos a serem os bonzinhos na sociedade.

A gente vê que não é nada disso e o que se lê nesses "livros maravilhosos" do Chico Xavier, Divaldo Franco, e autores da moda como José Carlos de Lucca e Robson Pinheiro é puro igrejismo barato, chorosas estorinhas de dramas pessoais e moralismo católico mal disfarçado. 

Fora as novelas espíritas que são um horror. Se você faz roteiro ruim de novela da Globo e é reprovado, pode publicar como livro mediúnico, usar um nome grego ou latino de suposto espírito e botar mensagens de amor. Vende feito bala.

Nesse país em crise, não dá para sermos "fraternos" se a gente vê pessoas abusando do poder político e econômico para enganar as pessoas. Se formos "fraternos", nessa situação, estaremos aceitando o abuso dos egoístas sobre nós, e aí seria entregar o ouro a bandido.

O que a gente quer é justiça social, desenvolvimento humano, qualidade de vida e combate aos privilégios. Sem isso, não dá para ser "fraterno". Os espíritas estão perdendo tempo com esse papo todo de sermos "irmãos" numa situação de tantas desgraças.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria