Pular para o conteúdo principal

Uberaba, que acolheu Chico Xavier, não está entre as 100 melhores cidades do país

A cidade mineira de Uberaba, que tanto acolheu Francisco Cândido Xavier e tornou-se sua cidade adotiva até o fim da vida, é considerada uma das cidades mais violentas do país e seu índice de qualidade de vida não é das melhores do país.

Segundo dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Uberaba já estava no 104º lugar no Índice de Desenvolvimento Humano, uma colocação considerada mediana, mas suficiente para questionar a força transformadora que tanto se atribui a Chico Xavier, ainda vivo nessa época, ano 2000 (com levantamentos pesquisados ainda no final dos anos 1990).

Em 2010, ano do centenário de nascimento de Chico Xavier, Uberaba ainda recebeu de presente uma queda brusca de colocação, em 106 posições, ficando em 210ª colocação. Ou seja, se Uberaba já não estava entre as 100 melhores cidades do país, já não está mas entre as 200.

"NÃO SE PREOCUPEM, SÓ MORREM 'ROMANOS'"

Outro dado alarmante é a violência que atinge Uberaba, que de longe é uma das cidades mais violentas de Minas Gerais. Não se trata de uma constatação rotineira e normal, própria da complexidade da vida urbana, mas um dado que as próprias autoridades de segurança pública consideram "fora do normal".

Segundo diversas reportagens, a violência em Uberaba é assustadora, o índice de assassinatos é muitíssimo alto, com assaltos à luz do dia e muitos homicídios. Segundo dados estatísticos, só o que a polícia consegue registrar e liberar para publicação na imprensa corresponde a uma média mensal de cinco assassinatos por mês. Fora as mortes que não são sequer denunciadas, até pelo medo de possíveis represálias.

Segundo especialistas, mata-se mais em Uberaba do que em muitas áreas violentas dos EUA, e muitas das notícias sobre homicídios chegam a portais nacionais de notícias. No último Carnaval, um corpo de um homem foi encontrado com sinais de violência no município.

O que dirão os "espíritas" com isso? "Falta de Chico Xavier no coração"? Não. Há até uma overdose de Chico Xavier no município, ele é quase um deus naquele município. A confusa linha do "movimento espírita" não iria mesmo trazer boas energias.

Mas, para todo efeito, se a violência mata as pessoas em Uberaba, os "espíritas" vão logo arrumando a desculpa de que elas haviam sido "centuriões", "tiranos" ou "patrícios" do Império Romano que tinham prazer em ver o sangue do outro se derramar sob o ataque da espada, a mordida de um leão ou a navalha de uma guilhotina e a pressão de uma corda enforcadora.

Na boa. Se Chico Xavier tivesse sido mesmo transformador, isso não teria acontecido em Uberaba. Isso mostra o fiasco que é a "bondosa" doutrina do "espiritismo" brasileiro, igrejeiro e moralista, que fala demais em bondade porque é incapaz de praticá-la seriamente. 

Fácil é pedir fraternidade e mendigar amor, além de dar esmolas ou ensinar coisas banais como se isso mudasse alguma coisa. Difícil é promover uma bondade que não se limite no espetáculo fácil do deslumbramento religioso, e essa tarefa árdua o "espiritismo" popularizado por Chico Xavier demonstrou ser incapaz de fazer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Silêncio da imprensa em torno do caso Divaldo Franco-João Dória Jr. é grave

(Autor: Professor Caviar)
De repente, até a imprensa de esquerda desaprendeu a fazer jornalismo. O prefeito de São Paulo, João Dória Jr., enquanto divulgava a intragável "farinata", composto alimentar de procedência e valor nutricional duvidosos, exibiu o tempo todo a camiseta do evento Você e a Paz, comandado pelo "médium" Divaldo Franco. O silêncio total da imprensa quanto a este aspecto tem muito o que dizer, e não são coisas boas.
Em primeiro lugar, João Dória Jr. não exibiu a camiseta do Você e a Paz porque foi a única camiseta branca que encontrou ele que costuma usar camisas de colarinho e paletó. Também não foi uma iniciativa comparável à de um moleque usando camiseta de banda. Houve um propósito para João Dória Jr. aparecer vestindo a camiseta do Você e a Paz, na qual havia o crédito do nome de Divaldo Franco.
Nenhum jornalista, por mais investigativo que fosse, chegou sequer a perguntar: "ora, se a 'farinata' era apoiada pela Arquidiocese de…

Por defender a ditadura militar, Chico Xavier devia perder homenagens em logradouros

(Autor: Professor Caviar)

Pode parecer, para muitos, cruel e injusto, mas a verdade é que Francisco Cândido Xavier deveria perder as homenagens dadas a logradouros por todo o país.
Na famosa entrevista ao programa Pinga Fogo, em julho de 1971, Chico Xavier exaltou a ditadura militar, com muita convicção, e disse para orarmos para as Forças Armadas, porque os militares estavam construindo o "reino de amor" do Brasil futuro.
Demonstrando um raivoso direitismo, Chico Xavier simplesmente disparou comentários contra manifestantes sem-terra e operários, com um reacionarismo descomunal e que muitos não conseguem imaginar, apegados à "dócil imagem" atribuída ao anti-médium mineiro. Quem duvida, é só ver o vídeo no YouTube. E é o próprio Chico Xavier quem diz, para tristeza de seus seguidores.
Ele defendeu a ditadura militar num contexto em que ela se mostrou bem mais repressiva. Era a época do DOI-CODI, principal órgão de repressão, que aprisionava, torturava e matava pri…

Um grave equívoco numa frase de Chico Xavier

(Autor: Professor Caviar)
Pretenso sábio, o "médium" Francisco Cândido Xavier é uma das figuras mais blindadas do "espiritismo" brasileiro a ponto de até seus críticos terem medo de questioná-lo de maneira mais enérgica e aprofundada.
Ele foi dado a dizer frases de efeito a partir dos anos 1970, quando seu mito de pretenso filantropo ganhou uma abordagem menos confusa que a de seu antigo tutor institucional, o ex-presidente da FEB, Antônio Wantuil de Freitas. Nessa nova abordagem, feita sob o respaldo da Rede Globo, Chico Xavier era trabalhado como ídolo religioso nos moldes que o jornalista católico inglês Malcolm Muggeridge havia feito no documentário Algo Bonito para Deus (Something Beautiful for God), em relação a Madre Teresa de Calcutá.
Para um público simplório que é o brasileiro, que anda com mania de pretensa "sabedoria de bolso", colecionando frases de diversas personalidades, umas admiráveis e outras nem tanto, sem que tivesse um hábito de lei…