Chico Xavier, o homem chamado CoXinha


(Autor: Kardec McGuiver)

Idolatrado por todos por cumprir estereótipos de "bondade" e de "sabedoria", Francisco Cândido Xavier ainda é muito cultuado por gente que se diz progressista, que desconhece o lado escuro e triste do homem considerado "o mais bondoso do país".

Um dos episódios que fazem parte do lado oculto do médium bonzinho e tão amado por quase todos, é que ele apoiou a ditadura militar na sua fase mais sangrenta. Parece cruel, mas dizer que Chico Xavier tinha o seu lado fascista, não parece absurdo. Até porque ele era entusiasta e difusor da sadomasoquista Teologia do Sofrimento, que alega que a dor e a infelicidade são "privilégios que aceleram o caminho da evolução espiritual". É , seu Chico, ideia fascista, não?

Se estivesse vivo, com a mais absoluta certeza, Xavier estaria do lado da direita retrógrada, embora não pudesse se manifestar publicamente sobre isso hoje, sob orientação da sua instituição-patroa, a FEB. Divaldo Franco, outra cria da FEB, até agora não se manifestou sob qual lado está, se limitando ao inútil conselho de ficarmos orando para que tudo se equilibre. Se orações adiantassem, não precisaríamos mais de nada, nem de profissionais nem de ação, basta rezar e tudo se resolveria.

Chico Xavier tinha educação retrógrada. Era um beato católico que invadiu o "Espiritismo" só por causa de uma certa paranormalidade. Graças a um trabalho intenso de publicidade, inspirado no que o jornalista inglês Malcolm Muggeridge fez com Madre Teresa, o médium mineiro foi drasticamente alçado a posto de divindade, uma espécie de semi-deus. 

Mas sua personalidade era bastante conservadora: era racista (apesar de não ser branco - era pardo, como Neymar), homofóbico (apesar do jeito desmunhecado de falar  - mais a ver com sua excessiva tranquilidade passiva do que com pederastia) e direitista. Uma declaração serve como prova do caráter pró-capitalista e pró-ditadura que defendia, coerentemente com a Teologia do Sofrimento difundida pelo médium:

"Temos que convir (...) que os militares, em 3l de março de 1964, só deram o golpe para tomar o Poder Federal, atendendo a um apelo veemente, dramático, das famílias católicas brasileiras, tendo à frente os cardeais e os bispos. E, na verdade, com justa razão, ou melhor, com grande dose de patriotismo, porque o governo do Presidente João Goulart, de tendência francamente esquerdista, deixou instalar-se aqui no Brasil um verdadeiro caos, não só nos campos, onde as ligas camponesas (os “Sem Terra” de hoje), desrespeitando o direito sagrado da propriedade, invadiam e tomavam à força as fazendas do interior. Da mesma forma os “sem teto”, apoderavam-se das casas e edifícios desocupados, como, infelizmente, ainda se faz  hoje em dia, e ali ficavam, por tempo indeterminado. Faziam isto dirigidos e orientados pelos comunistas, que, tomando como exemplo a União Soviética e o Regime Cubano de Fidel Castro, queriam também criar aqui em nossa pátria a República do Proletariado, formada pelos trabalhadores dos campos e das cidades".

Os esquerdistas que admiram e defendem Chico Xavier não sabem com quem estão lidando. Certamente o velho médium bondoso teria saído às ruas no domingo passado para pedir a saída do PT, a prisão de Lula, o impedimento de Dilma e entregar as rédeas do país a um grupo de empresários,  juízes e militares, todos gananciosos e autoritários dispostos a preservar todas as desigualdades que causam os problemas do país.

Chico Xavier, com CX de CoXinha. Em prol do retrocesso do país!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria