Pular para o conteúdo principal

O silêncio dos "espíritas" diante da Reforma Trabalhista

(Autor: Kardec McGuiver)

Todos os dias cai a máscara de intelectualidade e compromisso social do "Espiritismo" brasileiro. Totalmente divorciada de Allan Kardec, desde o início reduzido a um mero "cartório" a autenticar os surreais dogmas enxertados na versão brasileira da doutrina.

Com isso, ela não cessa de cometer erros, além de nunca ter se empenhado em assumi-los e corrigi-los. Com tais erros, o "Espiritismo" se isola e entra em nítida decadência, um preço pago por ter se reduzido a um mero entretenimento que serve de fuga da realidade que os "espíritas" se recusam a transformar.

Se não bastasse o rompimento definitivo com Allan Kardec e suas ideias, os "espíritas" apoiaram de forma discreta, mas clara, o golpe de 2016. Com ele, além do rompimento de nossa soberania nacional, temos perdas de direitos, aumento das desigualdades sociais e a perpetuação de uma crise que nunca mais será resolvida.

A respeito do fim da soberania nacional do Brasil, Chico Xavier, que acreditava no fortalecimento da soberania brasileira no início do "terceiro milênio", desmascarado de forma incontestável. Intruso católico responsável pela destruição do Espiritismo original e sua substituição por uma forma híbrida de Catolicismo reencarnacionista, Xavier finalmente vê a sua "profecia" ir por água abaixo, pois 2019 está chegando e o Brasil instalado na guilhotina apenas esperando a queda da lâmina que a matará.

SILÊNCIO DIANTE DA REFORMA TRABALHISTA

Uma das medidas cruéis do golpe apoiado pelos "caridosos 'espíritas' " vai ser posta em prática a partir de amanhã, a macabra Reforma Trabalhista, que eliminará vários direitos dos trabalhadores e permitirá o maior número de abusos praticados por patrões e empresários, que usam a falácia da eliminação de direitos para "desenvolver o país". Curioso que o Brasil vai na contramão de países desenvolvidos, cada vez mais empenhados na proteção das classes trabalhadoras.

Uma das maiores contradições do "Espiritismo" brasileiro se mostra agora, no total silêncio diante de algo que não somente vai arrasar com as vidas de muitos cidadãos como também vai arrasar a economia brasileira como um todo além de impedir o desenvolvimento do país, que desde já começa a assumir características de uma nação em miséria total.

Uma doutrina que sempre se declarou altruísta e comprometida com os interesses doa mais necessitados não deve se calar diante de uma atrocidade gigantesca, geradora de danos colossais. O silêncio dos "espíritas" é mais uma medida que desmascara a doutrina que nunca foi kardeciana de fato e que sempre preferiu o igrejismo de Jean Baptiste Routaing, cujo nome nunca tiveram a coragem de pronunciar publicamente.

Se a FEB e outras entidades não se pronunciarem publicamente contra esta verdadeira crueldade chamada Reforma Trabalhista, ela estará assumindo o seu total rompimento não somente com Kardec, mas também com o compromisso de auxiliar os mais necessitados, que sofrerão de forma intensa com as medidas incluídas na citada reforma.

Com isso o "Espiritismo" contribui mais uma vez para seu fim, já que se reduziu a mera forma de ilusionismo a entreter almas ingênuas que acreditam que sopinhas, agasalhos e musicas bonitas compensarão as desgraças que os "espíritas" nunca se empenharam em combater. A "seita dos papalvos" nunca esteve tão papalva como está nos anos mais recentes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Silêncio da imprensa em torno do caso Divaldo Franco-João Dória Jr. é grave

(Autor: Professor Caviar)
De repente, até a imprensa de esquerda desaprendeu a fazer jornalismo. O prefeito de São Paulo, João Dória Jr., enquanto divulgava a intragável "farinata", composto alimentar de procedência e valor nutricional duvidosos, exibiu o tempo todo a camiseta do evento Você e a Paz, comandado pelo "médium" Divaldo Franco. O silêncio total da imprensa quanto a este aspecto tem muito o que dizer, e não são coisas boas.
Em primeiro lugar, João Dória Jr. não exibiu a camiseta do Você e a Paz porque foi a única camiseta branca que encontrou ele que costuma usar camisas de colarinho e paletó. Também não foi uma iniciativa comparável à de um moleque usando camiseta de banda. Houve um propósito para João Dória Jr. aparecer vestindo a camiseta do Você e a Paz, na qual havia o crédito do nome de Divaldo Franco.
Nenhum jornalista, por mais investigativo que fosse, chegou sequer a perguntar: "ora, se a 'farinata' era apoiada pela Arquidiocese de…

Por defender a ditadura militar, Chico Xavier devia perder homenagens em logradouros

(Autor: Professor Caviar)

Pode parecer, para muitos, cruel e injusto, mas a verdade é que Francisco Cândido Xavier deveria perder as homenagens dadas a logradouros por todo o país.
Na famosa entrevista ao programa Pinga Fogo, em julho de 1971, Chico Xavier exaltou a ditadura militar, com muita convicção, e disse para orarmos para as Forças Armadas, porque os militares estavam construindo o "reino de amor" do Brasil futuro.
Demonstrando um raivoso direitismo, Chico Xavier simplesmente disparou comentários contra manifestantes sem-terra e operários, com um reacionarismo descomunal e que muitos não conseguem imaginar, apegados à "dócil imagem" atribuída ao anti-médium mineiro. Quem duvida, é só ver o vídeo no YouTube. E é o próprio Chico Xavier quem diz, para tristeza de seus seguidores.
Ele defendeu a ditadura militar num contexto em que ela se mostrou bem mais repressiva. Era a época do DOI-CODI, principal órgão de repressão, que aprisionava, torturava e matava pri…

Um grave equívoco numa frase de Chico Xavier

(Autor: Professor Caviar)
Pretenso sábio, o "médium" Francisco Cândido Xavier é uma das figuras mais blindadas do "espiritismo" brasileiro a ponto de até seus críticos terem medo de questioná-lo de maneira mais enérgica e aprofundada.
Ele foi dado a dizer frases de efeito a partir dos anos 1970, quando seu mito de pretenso filantropo ganhou uma abordagem menos confusa que a de seu antigo tutor institucional, o ex-presidente da FEB, Antônio Wantuil de Freitas. Nessa nova abordagem, feita sob o respaldo da Rede Globo, Chico Xavier era trabalhado como ídolo religioso nos moldes que o jornalista católico inglês Malcolm Muggeridge havia feito no documentário Algo Bonito para Deus (Something Beautiful for God), em relação a Madre Teresa de Calcutá.
Para um público simplório que é o brasileiro, que anda com mania de pretensa "sabedoria de bolso", colecionando frases de diversas personalidades, umas admiráveis e outras nem tanto, sem que tivesse um hábito de lei…