Pular para o conteúdo principal

Por que não há motivo para o "espiritismo" sofrer intolerância religiosa?

(Autor: Equipe Dossiê Espírita)

O "espiritismo" brasileiro, em crise, adotou uma estratégia insólita. Depois de décadas tentando se livrar das confusões com o umbandismo, a doutrina que deturpou o legado de Allan Kardec em prol de um sub-catolicismo de moldes medievais agora mudou de ideia e passou a gostar da confusão com as religiões afro-brasileiras devido às circunstâncias infelizes por estas sofridas.

Hoje a imprensa sensacionalista, considerada de baixíssima qualidade e que normalmente subestima a inteligência de seu público (que, apesar de sua baixa escolaridade, não é burro e deveria ser tratado com mais respeito pela mídia "popular"), anda creditando como "centros espíritas" os terreiros de umbanda e candomblé que estão sendo vítimas de ataques de intolerância religiosa, sobretudo de parte de seitas neopentecostais, que não aceitam conviver junto a essas expressões religiosas.

O que se vê, depois da retomada ultraconservadora no Brasil, após a queda da presidenta Dilma Rousseff, é a liberação dos mais profundos e perversos preconceitos sociais. A catarse de uma parcela da sociedade brasileira permite práticas que vão desde o cyberbullying até o fanatismo religioso, aumentando casos de pistolagem e feminicídios e mostrando a sordidez moral que está por trás até mesmo de pessoas consideradas "de bem" e "melhor instruídas".

Hoje vemos empresas consideradas de grande importância para o público consumidor, associadas a fatos infelizes como propagandas que aludem a ideias machistas e racistas ou a práticas escravistas no mercado de trabalho. Marcas como Dove, McDonalds, Riachuelo, Volkswagen, O Boticário, Marisa e outras se envolveram em episódios infelizes de propagandas socialmente preconceituosas e acusações de promover trabalho análogo à escravidão (a chamada "escravidão moderna").

O que vemos é a chamada luta de classes e o escancaramento das neuroses e outros defeitos da chamada sociedade privilegiada. O "alto da pirâmide" está mostrando a sua podridão e os defeitos que se acumularam sobretudo desde o auge da ditadura militar, o ano de 1974, que criou um "padrão ideal" de comportamento e valores sociais que nos últimos anos se encontram em declínio.

As neuroses chegam a atingir níveis surreais, criando medos inimagináveis em setores "importantes" da sociedade. Com tantas personalidades valiosas morrendo prematuramente, há um medo tão grande de ver feminicidas impunes idosos morrendo que, se eles realmente morrem, a imprensa não noticia, mesmo se seus crimes tivessem "parado o país". Mas não se pode dizer sequer que eles estão muito doentes, mesmo tendo eles contribuído para isso no decorrer da vida.

Mas a sociedade tem até medo de que sistemas de transporte por ônibus cancelem a chamada pintura padronizada - no qual diferentes empresas de ônibus exibem o mesmo visual, enfatizando o logotipo da prefeitura ou do governo estadual - , o que faria com que a liberação da respectiva identidade visual de cada empresa (que facilitaria o cidadão na hora de ir e vir e até para identificar a empresa que presta mau serviço) mandasse certas pessoas para o psicanalista.

São neuroses descomunais, que fazem com que, nas redes sociais, haja ataques racistas em série, em cyberbullying organizado por grupos de internautas, capazes de humilhar negros que difundem mensagens positivas nos seus perfis pessoais. E isso quando o racismo é considerado crime, mas o internauta ignora riscos ao assumir sua truculência virtual, ainda que seja o de ver seu computador ou celular apreendido pela polícia para investigação criminal.

Dito isso, observa-se que o "espiritismo" brasileiro anda "muito feliz" com os últimos tempos. Sua narrativa é conservadora, achando "positiva" a queda de Dilma Rousseff e do PT pela "falta de amor (sic) ao próximo", definindo como "regeneração" as passeatas dos "coxinhas" que defendiam até a intervenção militar e exibiam símbolos nazi-fascistas e apoiando as "reformas" do governo Michel Temer como meios de "moderar" o "materialismo" dos infortunados.

A narrativa dos "espíritas" destoa da realidade que até a imprensa estrangeira consegue tirar de letra. Segundo os "espíritas", foi iniciado um "período de libertação" que anda pontuado de "muitas dificuldades", mas que deve ser encarado "com fé e esperança" diante da aceitação de uma série de restrições que são feitas para "promover a moderação dos instintos humanos", eufemismo para a aceitação das desigualdades sociais que, aos olhos dos conservadores, soam "equilibradas".

O "espiritismo" brasileiro se comprova cada vez mais conservador e cada vez mais afinado com os tempos atuais. Ele, portanto, não tem motivos para se queixar de intolerância religiosa. Comunga com os neopentecostais em muitas causas, como a reprovação do aborto até em casos de estupro e ameaça à saúde e a defesa de projetos educacionais análogos à Escola Sem Partido.

O que está por trás dos apelos dos "espíritas" pela "liberdade religiosa" - um dos assuntos tratados este mês pelo "Correio Espírita" - e "contra a intolerância" é, na verdade, uma interpretação equivocada das circunstâncias. Mesmo o vandalismo que atingiu o mausoléu de Francisco Cândido Xavier, o Chico Xavier, foi um ato de intolerância comum, mais uma intolerância a uma pessoa famosa do que a uma figura religiosa.

A intolerância religiosa atinge expressões religiosas ligadas a setores mais pobres da sociedade, como a umbanda ou canbomblé, ou a grupos étnicos diferentes dos padrões ocidentais, como o islamismo. O "espiritismo", apesar de sua roupagem "humilde" e "informal", é uma religião aristocrática, e uma das mais toleradas e blindadas do Brasil, no qual nem seus piores erros são alvos de investigação séria e imparcial, como se o "espiritismo" fosse um PSDB da religião.

O próprio Chico Xavier esteve associado às piores usurpações literárias, das quais se observa irregularidades explícitas de estilo e elementos pessoais. Obras "psicográficas" atribuídas a Olavo Bilac, Auta de Souza e Humberto de Campos fogem drasticamente dos estilos pessoais originais e o caso deste último, escritor que em vida resenhou Parnaso de Além-Túmulo, revelou-se, na verdade, uma porção de atitudes arrivistas e oportunistas promovidas pelo suposto médium mineiro.

Só que, em vez de haver uma investigação séria, temos a seletividade da Justiça. Basta uma mensagem fake dizer "somos todos irmãos" e supostamente promover a paz para que ela seja aceita sem críticas. Cria-se apenas um simulacro de investigação judicial, jornalística ou acadêmica, para que tudo seja aceito em nome das "mensagens de amor" e o resto se usa a desculpa do "mistério da espiritualidade".

O "espiritismo" é protegido até demais. Os "espíritas" fazem o que querem com o legado de Allan Kardec, reduzem a Doutrina Espírita a um igrejismo retrógrado mas querem passar a falsa impressão de que "professam fidelidade absoluta e rigorosa aos postulados espíritas originais". São protegidos até da maior rede de televisão do Brasil, a Rede Globo.

A religião "espírita" é de elite. Os "centros espíritas" são comandados por pessoas de classe média alta, os palestrantes "espíritas" costumam fazer exposições para ricos e acumulam medalhas e condecorações, além de aparecer ao lado de aristocratas em eventos reportados nas colunas sociais. Os valores morais defendidos são arcaicos e têm um forte conteúdo conservador.

Esse conteúdo conservador remete, frequentemente, à Teologia do Sofrimento, doutrina derivada do Catolicismo medieval que faz apologia às desigualdades sociais. Ela pede "misericórdia" aos abusos dos privilegiados ou prepotentes, que "não sabem o que fazem e pagarão pelos atos um dia", enquanto apela para sofredores e desgraçados aceitarem e até amarem seus infortúnios, sob o pretexto de "serem salvos um dia".

A Teologia do Sofrimento, que virou a bandeira do "espiritismo" no Brasil, mais do que os postulados de Kardec, vê o sofrimento de Jesus de Nazaré sob o ponto de vista de seus condenadores. Apesar disso, a ideologia, que teve como adeptos fervorosos Chico Xavier e Madre Teresa de Calcutá, é associada à ideia de "humildade" e "libertação" humanas.

Isso tudo faz do "espiritismo" uma religião até mais tolerada que as seitas neopentecostais, pois estas, apesar do poder que exercem sobretudo no Poder Legislativo - no qual compõem um bloco chamado "bancada da Bíblia" - , ainda são denunciadas por escândalos e irregularidades cometidos, além de muitas de suas posturas reacionárias sofrerem repercussão negativa na sociedade, até mesmo dentro dos próprios evangélicos.

No "espiritismo", há históricos de fraudes literárias, juízos de valor perversos, acúmulos de riqueza com o "dinheiro da caridade", casos de falsidade ideológica relacionadas a pessoas mortas, exploração das tragédias familiares e apologias à desgraça humana, e não há um único questionamento oficial que causasse ampla repercussão na sociedade.

Pelo contrário, quando surge algum questionamento trazido pela mídia alternativa, ela é enquadrada, erroneamente e de forma leviana, a atos de intolerância religiosa, permitindo a chamada "carteirada" na qual os "espíritas" usam do prestígio pessoal em seus meios para apelar "liberdade religiosa" como pretexto para fazerem tudo o que quiserem, jogando a coerência, o bom senso, a lógica, a ética e o respeito humano na lata de lixo.

Não há motivo, portanto, dos "espíritas" sofrerem intolerância religiosa. Mesmo o vandalismo contra o mausoléu de Chico Xavier foi um ato de intolerância social comum. Se o mausoléu fosse, por exemplo, de Tancredo Neves, Carlos Lamarca, Emílio Garrastazu Médici e Hebe Camargo, o vandalismo teria sido rigorosamente o mesmo, com todos os detalhes. 

O fato do vandalismo ter atingido um memorial de um ídolo religioso não garante, em si, que seja ato de intolerância religiosa. Ainda mais em se tratando de uma religião como o "espiritismo", protegida pelos setores da sociedade conservadora que retomou o poder.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Silêncio da imprensa em torno do caso Divaldo Franco-João Dória Jr. é grave

(Autor: Professor Caviar)
De repente, até a imprensa de esquerda desaprendeu a fazer jornalismo. O prefeito de São Paulo, João Dória Jr., enquanto divulgava a intragável "farinata", composto alimentar de procedência e valor nutricional duvidosos, exibiu o tempo todo a camiseta do evento Você e a Paz, comandado pelo "médium" Divaldo Franco. O silêncio total da imprensa quanto a este aspecto tem muito o que dizer, e não são coisas boas.
Em primeiro lugar, João Dória Jr. não exibiu a camiseta do Você e a Paz porque foi a única camiseta branca que encontrou ele que costuma usar camisas de colarinho e paletó. Também não foi uma iniciativa comparável à de um moleque usando camiseta de banda. Houve um propósito para João Dória Jr. aparecer vestindo a camiseta do Você e a Paz, na qual havia o crédito do nome de Divaldo Franco.
Nenhum jornalista, por mais investigativo que fosse, chegou sequer a perguntar: "ora, se a 'farinata' era apoiada pela Arquidiocese de…

Por defender a ditadura militar, Chico Xavier devia perder homenagens em logradouros

(Autor: Professor Caviar)

Pode parecer, para muitos, cruel e injusto, mas a verdade é que Francisco Cândido Xavier deveria perder as homenagens dadas a logradouros por todo o país.
Na famosa entrevista ao programa Pinga Fogo, em julho de 1971, Chico Xavier exaltou a ditadura militar, com muita convicção, e disse para orarmos para as Forças Armadas, porque os militares estavam construindo o "reino de amor" do Brasil futuro.
Demonstrando um raivoso direitismo, Chico Xavier simplesmente disparou comentários contra manifestantes sem-terra e operários, com um reacionarismo descomunal e que muitos não conseguem imaginar, apegados à "dócil imagem" atribuída ao anti-médium mineiro. Quem duvida, é só ver o vídeo no YouTube. E é o próprio Chico Xavier quem diz, para tristeza de seus seguidores.
Ele defendeu a ditadura militar num contexto em que ela se mostrou bem mais repressiva. Era a época do DOI-CODI, principal órgão de repressão, que aprisionava, torturava e matava pri…

Um grave equívoco numa frase de Chico Xavier

(Autor: Professor Caviar)
Pretenso sábio, o "médium" Francisco Cândido Xavier é uma das figuras mais blindadas do "espiritismo" brasileiro a ponto de até seus críticos terem medo de questioná-lo de maneira mais enérgica e aprofundada.
Ele foi dado a dizer frases de efeito a partir dos anos 1970, quando seu mito de pretenso filantropo ganhou uma abordagem menos confusa que a de seu antigo tutor institucional, o ex-presidente da FEB, Antônio Wantuil de Freitas. Nessa nova abordagem, feita sob o respaldo da Rede Globo, Chico Xavier era trabalhado como ídolo religioso nos moldes que o jornalista católico inglês Malcolm Muggeridge havia feito no documentário Algo Bonito para Deus (Something Beautiful for God), em relação a Madre Teresa de Calcutá.
Para um público simplório que é o brasileiro, que anda com mania de pretensa "sabedoria de bolso", colecionando frases de diversas personalidades, umas admiráveis e outras nem tanto, sem que tivesse um hábito de lei…