Pular para o conteúdo principal

Chico Xavier avacalhou com a literatura brasileira

(Por Eleutério Andrade, via e-mail)

Quero aqui manifestar meu repúdio total à figura do há muito falecido Francisco Cândido Xavier, popularmente conhecido por Chico Xavier, pelo desserviço que ele fez à literatura brasileira.

Vendo que os livros originais do admirável Humberto de Campos não estão mais em catálogo, o que circula hoje nas livrarias é uma farsa literária, montada por Chico, seu tutor institucional e então presidente da FEB, Antônio Wantuil de Freitas e escritores e consultores literários a serviço da referida federação que se diz "espírita".

Usurpador dos mortos, Chico Xavier, hoje tido como "santo", pretensa unanimidade que têm até as bênçãos da manipuladora Rede Globo, se deixou valer pela apropriação sensacionalista de saudosos escritores e poetas do passado, forjando poemas "espirituais" que mais soam paródias dos poemas que os autores de outros tempos, só apresentando semelhanças nesse sentido, mas também apresentando diferenças que derrubam qualquer hipótese de veracidade.

Li os livros originais deixados em vida por Humberto de Campos, e alguns em publicação póstuma dessa obra. E comparei com os livros religiosos que muitos juram de joelhos que haviam sido fruto da criação do mesmo autor já no mundo espiritual. Com a maior boa vontade do mundo, tentei ver alguma similaridade entre uns livros e outros. Infelizmente, não me foi possível.

Os livros "espirituais" que usam o nome de Humberto de Campos ou o pseudônimo de Irmão X fogem totalmente do estilo original do escritor. Uma e outra semelhança aparecem, mas são raras e têm um tom de paródia, Mesmo assim, a maior parte dos textos revela diferenças bastante grotescas, sendo o texto muito pesado e cansativo, a mensagem de um apelo religioso exagerado, como que trazido por um beato religioso, que Humberto nunca foi, e as narrativas bastante prolixas e sem um pingo da agilidade que o saudoso autor nos brindava com sua escrita impecável.

Não podemos ser complacentes e achar que obras literárias de valor duvidoso e com indícios fortes de fraude sejam tidas como legítimas só porque apresentam mensagens do tipo "somos todos irmãos". Quer dizer que a fraude é irmã da honestidade? Temos que ser misericordiosos e tratar como "obra paralela" de Humberto de Campos uma série de livros que nada lembram de seu estilo original fluente e de leitura deliciosa?

Infelizmente, o Brasil prefere proteger um ídolo religioso acima de tudo. Pode botar até a ética, a lógica, o bom senso, o povo brasileiro, a História do Brasil, a democracia etc, no lixo, contrariando os avisos dados por Allan Kardec, que disse que era mais válido cair uma pessoa do que cair uma multidão.

Pois os brasileiros preferem que multidões caíssem e toda a cultura literária brasileira seja avacalhada como se nosso grande acervo literário fosse um estoque de papéis higiênicos. Preferem proteger um ídolo religioso acima de tudo, por atuações frouxas de caridade que nunca ajudaram ninguém de verdade e expunham sem necessidade nenhuma as tragédias familiares de maneira sensacionalista. 

Preferem proteger um ídolo religioso e seus livros de falsa literatura e grotescos apelos igrejeiros de baixa categoria, só por causa de palavrinhas agradáveis inseridas em narrativas pesadas e cansativas, em livros que já são lançados com um forte e nauseabundo cheiro de mofo. Pois tudo que vem de Chico Xavier cheira a mofo, ele que mais parecia um saudoso do Brasil-colônia em plena República brasileira. Um sujeito desses merece o desprezo, e não a adoração obsessiva que entretém sua legião de fanáticos por todo o país.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Silêncio da imprensa em torno do caso Divaldo Franco-João Dória Jr. é grave

(Autor: Professor Caviar)
De repente, até a imprensa de esquerda desaprendeu a fazer jornalismo. O prefeito de São Paulo, João Dória Jr., enquanto divulgava a intragável "farinata", composto alimentar de procedência e valor nutricional duvidosos, exibiu o tempo todo a camiseta do evento Você e a Paz, comandado pelo "médium" Divaldo Franco. O silêncio total da imprensa quanto a este aspecto tem muito o que dizer, e não são coisas boas.
Em primeiro lugar, João Dória Jr. não exibiu a camiseta do Você e a Paz porque foi a única camiseta branca que encontrou ele que costuma usar camisas de colarinho e paletó. Também não foi uma iniciativa comparável à de um moleque usando camiseta de banda. Houve um propósito para João Dória Jr. aparecer vestindo a camiseta do Você e a Paz, na qual havia o crédito do nome de Divaldo Franco.
Nenhum jornalista, por mais investigativo que fosse, chegou sequer a perguntar: "ora, se a 'farinata' era apoiada pela Arquidiocese de…

Por defender a ditadura militar, Chico Xavier devia perder homenagens em logradouros

(Autor: Professor Caviar)

Pode parecer, para muitos, cruel e injusto, mas a verdade é que Francisco Cândido Xavier deveria perder as homenagens dadas a logradouros por todo o país.
Na famosa entrevista ao programa Pinga Fogo, em julho de 1971, Chico Xavier exaltou a ditadura militar, com muita convicção, e disse para orarmos para as Forças Armadas, porque os militares estavam construindo o "reino de amor" do Brasil futuro.
Demonstrando um raivoso direitismo, Chico Xavier simplesmente disparou comentários contra manifestantes sem-terra e operários, com um reacionarismo descomunal e que muitos não conseguem imaginar, apegados à "dócil imagem" atribuída ao anti-médium mineiro. Quem duvida, é só ver o vídeo no YouTube. E é o próprio Chico Xavier quem diz, para tristeza de seus seguidores.
Ele defendeu a ditadura militar num contexto em que ela se mostrou bem mais repressiva. Era a época do DOI-CODI, principal órgão de repressão, que aprisionava, torturava e matava pri…

Um grave equívoco numa frase de Chico Xavier

(Autor: Professor Caviar)
Pretenso sábio, o "médium" Francisco Cândido Xavier é uma das figuras mais blindadas do "espiritismo" brasileiro a ponto de até seus críticos terem medo de questioná-lo de maneira mais enérgica e aprofundada.
Ele foi dado a dizer frases de efeito a partir dos anos 1970, quando seu mito de pretenso filantropo ganhou uma abordagem menos confusa que a de seu antigo tutor institucional, o ex-presidente da FEB, Antônio Wantuil de Freitas. Nessa nova abordagem, feita sob o respaldo da Rede Globo, Chico Xavier era trabalhado como ídolo religioso nos moldes que o jornalista católico inglês Malcolm Muggeridge havia feito no documentário Algo Bonito para Deus (Something Beautiful for God), em relação a Madre Teresa de Calcutá.
Para um público simplório que é o brasileiro, que anda com mania de pretensa "sabedoria de bolso", colecionando frases de diversas personalidades, umas admiráveis e outras nem tanto, sem que tivesse um hábito de lei…