Pular para o conteúdo principal

Aliança com João Dória desmascara farsa do "Espiritismo" brasileiro

(Autor: Kardec McGuiver)

O apoio dado por Divaldo Franco a João Dória, incluindo a homenagem e o direito do prefeito irresponsável de São Paulo de lançar seu projeto alimentício foi uma iniciativa muito pior do que se pode imaginar, o que pode dar um arranhão violento no suposto médium que se prepara para encerrar a vida terrena, além de destruir de vez a já fraca reputação do "Espiritismo" brasileiro, que já era deturpada desde o começo.

João Dória é um personagem controverso que só conseguiu ser eleito prefeito de São Paulo graças a onda de ódio anti-progressista que apareceu em 2016 pela influência da mídia corporativa que queria colocar representantes dos empresários no poder. 

Dória é uma figura controversa. Se vendeu como gestor, mas a sua única empresa conhecida, a LIDE, não produz nada, servindo apenas de ponto de encontro de empresários, políticos e personalidades alinhadas com o neoliberalismo. A empresa servia apenas de ponto de encontro e dizem as más línguas, de lavagem de dinheiro adquirido ilicitamente.

O atual prefeito da maior cidade da América Latina é um ex-presidente da Embratur e em sua gestão estimulou o turismo sexual, além de ter sido acusado de corrupção, o que levou a sua demissão. Este episódio foi apagado da memória durante as campanhas que o lançaram como "novidade" na política paulista, embora ideologicamente, Dória seja mais do que retrógrado.

Dória, que foi conhecido por apresentar o reality show O Aprendiz e um malfadado programa de entrevistas com empresários no fim das noites, que servia apenas como extensão de seus trabalhos na LIDE, chegou a dar declarações agressivas e ofensivas a quem não corresponde a seu ponto de vista. Gradativamente vem sido conhecido como um cara truculento e que não tem medo de ofender os outros.

Para piorar ainda mais a reputação de Dória, que pretendia ser candidato a presidente sem qualquer tipo de realização (pelo contrário, abandonou São Paulo e só faz trapalhadas, desmentindo a fama de "bom gestor"), ele lança uma estranha forma de alimento conhecida como "farinata", cuja procedência é desconhecida, sendo possivelmente de sobras de restaurantes e indústrias de alimento.

Além da farinata estar ligada a empresas que pretendiam lucrar com a confecção e distribuição do estranho alimento (de qualidade inferior até a das comidas feitas para cachorros), há suspeitas que ela tenha sido testada numa instituição paulista ligada à Igreja Católica chamada Missão Belém, onde se teve noticias de várias mortes por entoxicação alimentar. A aprovação do alimento se deu depois do episódio e a escolha da empresa produtora do alimento muita rápida demais.

Este projeto suspeito, comandado por alguém ainda mais suspeito, foi apoiado por ninguém menos que Divaldo Franco, a maior liderança viva do "Movimento Espírita",  através do evento ecumênico "Você e a Paz". O "Movimento Espírita", criador do evento, é  na verdade uma igreja construída para cultuar o Espiritismo, sem absorver suas teses científicas, se limitando a um moralismo cheio de enxertos de outras religiões cristãs.

Isso mostra a irresponsabilidade do "Espiritismo" brasileiro, que dotado de supostos poderes paranormais, não conseguiu enxergar todos os inúmeros erros do projeto de João Dória, ele em si uma pessoa cheia de defeitos reprovados pelo Espiritismo original.

Isso desmascara a mediunidade de Divaldo Franco, que não foi orientado pela suposta espiritualidade superior a evitar a associação a este projeto, o que significa que ele não é tão clarividente como se pensava. Só para lembrar, para Herculano Pires, o melhor tradutor de Allan Kardec e um espírita realmente sério, Divaldo foi considerado um impostor. 

Herculano foi uma liderança séria falando de um deturpador que acredita em bobagens como "crianças índigo" e merece ser levado a sério. Ou vamos continuar a dar ouvidos ao boquirroto deturpador de palavras floridas? Como vários fanáticos admiradores de Divaldo que tentam salvar o suposto médium desta gafe com justificativas contraditórias e absurdas, algumas risíveis.

Para nossa equipe, este episódio, assim como muitos, serviu para desmascarar de vez, não apenas o suposto médium, mas todo o "Espiritismo" brasileiro, apoiador do golpe e que se fosse verdadeiro, lutaria para a evolução do intelecto e do senso altruístico da humanidade e não teria se transformado nesta igreja piegas e conservadora que só serve para encher de pompa e vaidade lideranças pseudo-altruístas que há mais de 130 anos não conseguiram eliminar injustiças e problemas sociais?

Para nós, o "Espiritismo" brasileiro foi extinto, depois deste episódio. Se insistir em durar, será como uma tremenda farsa. Quem quiser continuar seguindo, será bastante enganado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Silêncio da imprensa em torno do caso Divaldo Franco-João Dória Jr. é grave

(Autor: Professor Caviar)
De repente, até a imprensa de esquerda desaprendeu a fazer jornalismo. O prefeito de São Paulo, João Dória Jr., enquanto divulgava a intragável "farinata", composto alimentar de procedência e valor nutricional duvidosos, exibiu o tempo todo a camiseta do evento Você e a Paz, comandado pelo "médium" Divaldo Franco. O silêncio total da imprensa quanto a este aspecto tem muito o que dizer, e não são coisas boas.
Em primeiro lugar, João Dória Jr. não exibiu a camiseta do Você e a Paz porque foi a única camiseta branca que encontrou ele que costuma usar camisas de colarinho e paletó. Também não foi uma iniciativa comparável à de um moleque usando camiseta de banda. Houve um propósito para João Dória Jr. aparecer vestindo a camiseta do Você e a Paz, na qual havia o crédito do nome de Divaldo Franco.
Nenhum jornalista, por mais investigativo que fosse, chegou sequer a perguntar: "ora, se a 'farinata' era apoiada pela Arquidiocese de…

Por defender a ditadura militar, Chico Xavier devia perder homenagens em logradouros

(Autor: Professor Caviar)

Pode parecer, para muitos, cruel e injusto, mas a verdade é que Francisco Cândido Xavier deveria perder as homenagens dadas a logradouros por todo o país.
Na famosa entrevista ao programa Pinga Fogo, em julho de 1971, Chico Xavier exaltou a ditadura militar, com muita convicção, e disse para orarmos para as Forças Armadas, porque os militares estavam construindo o "reino de amor" do Brasil futuro.
Demonstrando um raivoso direitismo, Chico Xavier simplesmente disparou comentários contra manifestantes sem-terra e operários, com um reacionarismo descomunal e que muitos não conseguem imaginar, apegados à "dócil imagem" atribuída ao anti-médium mineiro. Quem duvida, é só ver o vídeo no YouTube. E é o próprio Chico Xavier quem diz, para tristeza de seus seguidores.
Ele defendeu a ditadura militar num contexto em que ela se mostrou bem mais repressiva. Era a época do DOI-CODI, principal órgão de repressão, que aprisionava, torturava e matava pri…

Um grave equívoco numa frase de Chico Xavier

(Autor: Professor Caviar)
Pretenso sábio, o "médium" Francisco Cândido Xavier é uma das figuras mais blindadas do "espiritismo" brasileiro a ponto de até seus críticos terem medo de questioná-lo de maneira mais enérgica e aprofundada.
Ele foi dado a dizer frases de efeito a partir dos anos 1970, quando seu mito de pretenso filantropo ganhou uma abordagem menos confusa que a de seu antigo tutor institucional, o ex-presidente da FEB, Antônio Wantuil de Freitas. Nessa nova abordagem, feita sob o respaldo da Rede Globo, Chico Xavier era trabalhado como ídolo religioso nos moldes que o jornalista católico inglês Malcolm Muggeridge havia feito no documentário Algo Bonito para Deus (Something Beautiful for God), em relação a Madre Teresa de Calcutá.
Para um público simplório que é o brasileiro, que anda com mania de pretensa "sabedoria de bolso", colecionando frases de diversas personalidades, umas admiráveis e outras nem tanto, sem que tivesse um hábito de lei…