Pular para o conteúdo principal

O que o "Espiritismo" deve fazer para merecer respeito

(Autor: Kardec McGuiver)

O caso ocorrido na Espanha acendeu uma luz amarela para nosso blog. A acusação de charlatanismo foi considerada uma ofensa, mesmo sem sequer verificada. Além do charlatanismo, o "Espiritismo" pratica de fato, infelizmente, desonestidade doutrinária, pois fala muito sobre Allan Kardec, mas defendendo pontos que contradizem com as teses do codificador francês.

Mal algo pode ser feito para reverter isso. São duas maneiras: ou os "espíritas" fazem uma revisão doutrinária na religião em que acreditam e desistem de tudo que foi feito pela FEB, inclusive descartando - sim descartando, jogando fora - Bezerra de Menezes, Chico Xavier, Divaldo Franco e similares. Estes são os deturpadores que inseriram um monte de ideias estranhas que arruinaram a doutrina original. 

Ou, na hipótese de querer preservar o repertório dogmático, que soa tão agradável aos próprios seguidores, poderiam fazer o oposto, seguindo os pontos abaixo:

PARA COMEÇAR, MUDAR DE NOME

Já que o repertório dogmático do que os brasileiros conhecem como "Espiritismo", não tem nada a ver com o original, aproveitando apenas a tese da reencarnação e da comunicação com os mortos, teses presentes também em outras religiões orientalistas, deveria urgentemente mudar de nome. 

O nome ficaria a cargo das próprias lideranças, que escolheriam um nome de acordo com os dogmas em que acreditam. "Espiritismo" não serve mais, pois é um temo escolhido por Allan Kardec, responsável por teses desprezadas pelos "espíritas" brasileiros que preferiram fazer uma espécie de Catolicismo híbrido, reencarnacionista, sem ouro e sem batina.

ESQUECER ALLAN KARDEC

Na prática, os "espíritas" se esqueceram de Allan kardec. Praticamente só se lembram dele na hora de bajulá-lo ou de usar seu nome para tentar autenticar teses absurdas. Mas as teses lançadas nos livros do professor francês são praticamente descartadas. 

Há a desculpa esfarrapada de "obsolescência" das ideias de Kardec, se esquecendo do fato de que, apesar de ter vindo posteriormente, as ideias de Chico Xavier são baseadas no catolicismo medieval que ele sempre seguiu até morrer. Apesar de ser considerado  "maior líder 'espírita'", Xavier na verdade era fiel de outra religião e suas ideias eram mais do que arcaicas, realmente obsoletas.

Assumir que o "Espiritismo" virou uma nova forma de Catolicismo, além de ser mais honesto, estaria de acordo com Chico Xavier, considerado verdadeiro líder para os "espíritas" brasileiros. Por ter sido sempre católico, Xavier não hesitou de enfiar um monte de enxertos no "Espiritismo", descaraterizando a doutrina. 

Melhor assumir esta descaracterização, descartando de vez Allan Kardec, que na verdade nunca foi útil para os "espíritas" brasileiros, que tem medo de que suas teses destruam várias zonas de conforto construídas por Xavier, que nunca foi discípulo e muito menos reencarnação do professor francês.

ASSUMIR QUE SE TRANSFORMOU EM UMA IGREJA

Outra coisa a ser feita pelos que se acham "espíritas" é assumir que o que fazem não é uma doutrina científica e sim uma religião de fé-cega como quaisquer outras. Sem essa de "fé raciocinada" pois se fosse realmente utilizado o raciocínio, boa parte dos dogmas "espíritas" seriam derrubados e lideranças como Divaldo e Chico Xavier estariam falando para as paredes.

É melhor assumir a falta de racionalidade, se quiser preservar estas duas lideranças, além de outras similares, e focar na fé, já que acham que esta é mais importante. Evitar pensar muito, o que já fazem na prática, faz com que muitas teses absurdas surjam e sejam aceitas, permitindo contradições. Como "espíritas" não querem se desfazer de seus dogmas, assumir que tudo se transformou em uma igreja, seria mais honesto.

Somente com estas três medidas, o que os brasileiros conhecem como "Espiritismo" poderá se recuperar e continuar seguindo honestamente sem causar uma confusão doutrinária que é motivo principal de nossas críticas. 

Se os "espíritas assumissem que seguem outra coisa, bem diferente do Espiritismo kardeciano, certamente pararíamos de criticar e os deixaríamos em paz. Afinal, não enfiaram o professor e sua racionalidade em algo para o qual ele não foi chamado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Silêncio da imprensa em torno do caso Divaldo Franco-João Dória Jr. é grave

(Autor: Professor Caviar)
De repente, até a imprensa de esquerda desaprendeu a fazer jornalismo. O prefeito de São Paulo, João Dória Jr., enquanto divulgava a intragável "farinata", composto alimentar de procedência e valor nutricional duvidosos, exibiu o tempo todo a camiseta do evento Você e a Paz, comandado pelo "médium" Divaldo Franco. O silêncio total da imprensa quanto a este aspecto tem muito o que dizer, e não são coisas boas.
Em primeiro lugar, João Dória Jr. não exibiu a camiseta do Você e a Paz porque foi a única camiseta branca que encontrou ele que costuma usar camisas de colarinho e paletó. Também não foi uma iniciativa comparável à de um moleque usando camiseta de banda. Houve um propósito para João Dória Jr. aparecer vestindo a camiseta do Você e a Paz, na qual havia o crédito do nome de Divaldo Franco.
Nenhum jornalista, por mais investigativo que fosse, chegou sequer a perguntar: "ora, se a 'farinata' era apoiada pela Arquidiocese de…

Por defender a ditadura militar, Chico Xavier devia perder homenagens em logradouros

(Autor: Professor Caviar)

Pode parecer, para muitos, cruel e injusto, mas a verdade é que Francisco Cândido Xavier deveria perder as homenagens dadas a logradouros por todo o país.
Na famosa entrevista ao programa Pinga Fogo, em julho de 1971, Chico Xavier exaltou a ditadura militar, com muita convicção, e disse para orarmos para as Forças Armadas, porque os militares estavam construindo o "reino de amor" do Brasil futuro.
Demonstrando um raivoso direitismo, Chico Xavier simplesmente disparou comentários contra manifestantes sem-terra e operários, com um reacionarismo descomunal e que muitos não conseguem imaginar, apegados à "dócil imagem" atribuída ao anti-médium mineiro. Quem duvida, é só ver o vídeo no YouTube. E é o próprio Chico Xavier quem diz, para tristeza de seus seguidores.
Ele defendeu a ditadura militar num contexto em que ela se mostrou bem mais repressiva. Era a época do DOI-CODI, principal órgão de repressão, que aprisionava, torturava e matava pri…

Um grave equívoco numa frase de Chico Xavier

(Autor: Professor Caviar)
Pretenso sábio, o "médium" Francisco Cândido Xavier é uma das figuras mais blindadas do "espiritismo" brasileiro a ponto de até seus críticos terem medo de questioná-lo de maneira mais enérgica e aprofundada.
Ele foi dado a dizer frases de efeito a partir dos anos 1970, quando seu mito de pretenso filantropo ganhou uma abordagem menos confusa que a de seu antigo tutor institucional, o ex-presidente da FEB, Antônio Wantuil de Freitas. Nessa nova abordagem, feita sob o respaldo da Rede Globo, Chico Xavier era trabalhado como ídolo religioso nos moldes que o jornalista católico inglês Malcolm Muggeridge havia feito no documentário Algo Bonito para Deus (Something Beautiful for God), em relação a Madre Teresa de Calcutá.
Para um público simplório que é o brasileiro, que anda com mania de pretensa "sabedoria de bolso", colecionando frases de diversas personalidades, umas admiráveis e outras nem tanto, sem que tivesse um hábito de lei…