Pular para o conteúdo principal

Radialista recém-falecido, que disse que Chico Xavier "previu" vida em Marte, caiu em contradição

(Autor: Professor Caviar)

Falecido no último dia 07 de dezembro de 2016, o radialista Gerson Simões Monteiro, que era presidente da Rádio Rio de Janeiro, havia declarado que o "médium" Francisco Cândido Xavier havia "previsto" a existência de vida em Marte, em artigo reproduzido no "Correio Espírita".

A estória se deu por causa de descobertas científicas realizadas pela NASA, agência espacial norte-americana, no ano de 2004. Criou-se então um alarde, a partir da declaração de Gerson Monteiro, que tinha alto prestígio e visibilidade no "movimento espírita" fluminense, de que Chico Xavier havia "previsto", de "forma pioneira", a existência de vida humana, sociedades avançadas e canais fluviais artificiais em Marte.

A "façanha" é atribuída, por Gerson, às obras Cartas de uma Morta, de 1935, atribuída à mãe de Chico Xavier, Maria João de Deus, e Novas Mensagens, de 1939, tão levianamente atribuída a Humberto de Campos (por sinal "rebaixado" de acadêmico a "repórter do além-túmulo). Tanto a suposta Maria João de Deus quanto o pseudo-Humberto teriam "viajado" para Marte para "confirmar" a existência de tais aspectos em solo marciano. Gerson atribui 65 anos (tomando como base a obra do "Humberto") de "pioneirismo" de Chico Xavier e seus "parceiros do além".

Observa-se que Chico Xavier deve ter copiado informações de reportagens científicas da imprensa na época, por meio de entrevista com o cientista Robert Millikan, físico experimental estadunidense, Prêmio Nobel de Física em 1923 e professor do Instituto de Tecnologia da Califórnia, que havia comentado sobre possibilidade de haver vida em Marte e havia detalhado informações que Chico "sequestrou" e pôs na responsabilidade do fictício "espírito Humberto", que sabemos ter escrito numa linguagem muito diferente da que o autor maranhense nos deixou em vida.

A CONTRADIÇÃO

Gerson atribui não só um suposto pioneirismo a Chico Xavier e seus "parceiros do além", aos quais se atribuiu supostas descrições "pioneiras" de Marte - houve também relatos de Emmanuel e do suposto espírito de Abel Gomes - , mas alega à bibliografia do "médium" um "farto material" sobre descrições de vestígios de vida humana no planeta.

Ele comete uma contradição, ao citar a reportagem de Roberta Jansen no caderno Ciências de O Globo, intitulada "O silêncio dos ETs", publicada em 13 de março de 2010. Ele chega a questionar os 50 anos atribuídos pela jornalista aos esforços de cientistas encontrarem vestígios de vida humana e canais fluviais artificiais em solo marciano, atribuindo o prazo para 65, com base no livro do suposto Humberto de Campos.

Mas, em outra passagem, Gerson descreve um trecho em que Roberta cita os estudos de Percival Lowell, o verdadeiro pioneiro na sistematização de estudos neste sentido, em informações que não são questionadas pelo radialista, que deixa passar o trecho reproduzido:

"A ideia da existência de ETs inteligentes começou a ganhar força e a povoar o imaginário da população em geral e de escritores de ficção científica em particular a partir de observações feitas pelo astrônomo Giovanni Schiaparelli, em 1877, de um telescópio recém-construído. Schiaparelli notou que a superfície do planeta vermelho era marcada por linhas e sulcos intrincados, que chamou de canais. Ainda no século XIX, o astrônomo americano Percival Lowell retomou a ideia dos canais marcianos — ele chegou a criar um centro para estudá-los, popularizando-a. Tais canais, sustentava Lowell, só poderiam ter sido construídos por uma inteligência superior. A coisa chegou a tal ponto que ele chegou a localizar a região onde seria a capital de Marte, numa confluência de canais".

Se as pessoas realizarem pesquisas sobre os fatos e os costumes sociais ocorridos entre 1935 e 1939, se verificará que os debates sobre a possibilidade de haver vida em Marte já eram considerados velhos. Na época se havia produções em histórias em quadrinhos e no cinema, nos EUA, que falavam sobre vida em Marte, o que indicava que o tema já era bem conhecido do imaginário popular.

Além disso, a ficção científica já produziu, ainda no século XIX, obras as respeito, vide Jules Verne. E as obras de Percival Lowell que sistematizaram os estudos sobre o tema foram publicados entre 1895 e 1908, antes de Chico Xavier nascer. Portanto, não há como atribuir pioneirismo ao "médium".

Como de praxe, Gerson termina o artigo com apelos religiosos, como em todo texto "espírita" que evoca a ciência para apelar para o igrejismo. Não bastasse louvar o cientista Robert Millikan pela sua suposta reconciliação entre Ciência e Religião, Gerson evoca Allan Kardec, em traduções igrejeiras, citando a "pluralidade dos mundos", através da interpretação católica do recado de Jesus de Nazaré: "há muitas moradas na casa de meu Pai". Jesus e Kardec reduzidos a propagandistas da Santa Igreja.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Silêncio da imprensa em torno do caso Divaldo Franco-João Dória Jr. é grave

(Autor: Professor Caviar)
De repente, até a imprensa de esquerda desaprendeu a fazer jornalismo. O prefeito de São Paulo, João Dória Jr., enquanto divulgava a intragável "farinata", composto alimentar de procedência e valor nutricional duvidosos, exibiu o tempo todo a camiseta do evento Você e a Paz, comandado pelo "médium" Divaldo Franco. O silêncio total da imprensa quanto a este aspecto tem muito o que dizer, e não são coisas boas.
Em primeiro lugar, João Dória Jr. não exibiu a camiseta do Você e a Paz porque foi a única camiseta branca que encontrou ele que costuma usar camisas de colarinho e paletó. Também não foi uma iniciativa comparável à de um moleque usando camiseta de banda. Houve um propósito para João Dória Jr. aparecer vestindo a camiseta do Você e a Paz, na qual havia o crédito do nome de Divaldo Franco.
Nenhum jornalista, por mais investigativo que fosse, chegou sequer a perguntar: "ora, se a 'farinata' era apoiada pela Arquidiocese de…

Por defender a ditadura militar, Chico Xavier devia perder homenagens em logradouros

(Autor: Professor Caviar)

Pode parecer, para muitos, cruel e injusto, mas a verdade é que Francisco Cândido Xavier deveria perder as homenagens dadas a logradouros por todo o país.
Na famosa entrevista ao programa Pinga Fogo, em julho de 1971, Chico Xavier exaltou a ditadura militar, com muita convicção, e disse para orarmos para as Forças Armadas, porque os militares estavam construindo o "reino de amor" do Brasil futuro.
Demonstrando um raivoso direitismo, Chico Xavier simplesmente disparou comentários contra manifestantes sem-terra e operários, com um reacionarismo descomunal e que muitos não conseguem imaginar, apegados à "dócil imagem" atribuída ao anti-médium mineiro. Quem duvida, é só ver o vídeo no YouTube. E é o próprio Chico Xavier quem diz, para tristeza de seus seguidores.
Ele defendeu a ditadura militar num contexto em que ela se mostrou bem mais repressiva. Era a época do DOI-CODI, principal órgão de repressão, que aprisionava, torturava e matava pri…

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

(Autor: Artur Felipe Azevedo)
Nosso Sistema Solar é composto de 8 planetas. Um leitor anônimo escreveu um comentário, dizendo o seguinte:

"Respeito a opnião (sic) de vocês, mas estão um pouco desatualizados. Se não sabem, foi descoberto um planeta próximo a Plutão, denominado Planeta X, mas que anteriormente foi citado pelo medium Chico Xavier como o Planeta Chupão. Se voces ligarem a teoria espirita com a lógica, viriam que jamais ela errou, mas se exitam em falar sem ao menos saber em que se resume tal coisa. http://geniusvirtual.blogspot.com/2009/07/seria-o-apocalispe-o-planeta-chupao.html  Esse link acima é para a reportagem completa, e abaixo dela está a fonte. Essa repostagem nao é espirita, é científica.
Parem um pouco e leiam para depois falar. É por isso que sempre digo: NÃO PODEMOS FALAR MAL DE ALGUMA COISA QUE NAO CONHECEMOS COMPLETAMENTE, APENAS SE APOIANDO EM SUPOSTOS COMENTARIOS OU SUPOSIÇÕES."


Bem, vemos que o colega ramatisista parece convencido da existência do …