Pular para o conteúdo principal

Problemática frase de Chico Xavier sobre orgulho

(Autor: Professor Caviar)

Sabendo que as frases de Francisco Cândido Xavier nem de longe possuem a beleza e a sabedoria a que tanto se atribuem, constituindo-se, na verdade, em meros jogos de trocadilhos entre ideias opostas, vamos agora para mais um punhado dessas frases. Vamos lá:

"Disse certa vez que nunca ia cair, a pessoa me olhou admirado chamando-me orgulhoso, como diz: "Nunca vou cair"... Respondi: "Não posso cair, porque nunca me levantei".

A frase está cheia de equívocos. Primeiro, porque a suposta ideia de "não levantar" como "não se julgar acima de outrem" ou "não agredir o outro" não procede, porque isso não está claro de forma alguma nesse período gramatical.

Segundo, porque as frases apresentam indícios de falsa modéstia e de mania de triunfalismo, ambos decorrentes da arrogância e do orgulho de um "médium" que, na verdade, nunca foi mais do que um arrivista que começou fazendo (com a colaboração de outros) plágios e pastiches literários e, depois, quis ter a santidade para si.

Num primeiro momento, Chico Xavier disse que "nunca ia cair". No contexto dessa ideia, o "médium" expressava triunfalismo, até porque sua esperteza e a proteção de Antônio Wantuil de Freitas, presidente da FEB (atualmente, Chico Xavier é postumamente blindado pelas Organizações Globo, da família Marinho, maior império midiático do Brasil que passou a blindá-lo nos anos 1970) garantiram derrubar obstáculos, que eram combatidos não porque o "médium" era um oculto seguidor do Cristianismo primitivo reencarnado no Brasil, mas por se tratar de um sujeito medieval que a FEB via um potencial vendedor de livros e fomentador de idolatria religiosa.

Diante disso, Chico Xavier afirmou, no seu orgulho nunca assumido - qual o espertalhão que irá assumir seus piores atos? - , que "nunca ia cair". Mas, ao ser desmascarado pelo interlocutor, ele usou como desculpa para sua mania de triunfalismo a frase "Não posso cair, porque nunca me levantei".

Só que o sentido de "levantar" é muito vago e ambíguo. Os chiquistas acham que Chico "nunca se levantou", no sentido de reagir com agressão, a seus contestadores e opositores. Mas a verdade é que Chico nunca se levantou para a realidade, pois "levantar" também significa "sair da ilusão", do "adormecimento" das fantasias e dos desejos obsessivos.

Isso diz muito da falsa modéstia de Chico, um "humilde" que é capaz de acusar os humildes frequentadores de um circo de Niterói, vitimados por um incêndio criminoso, de terem sido, em "outra vida", gauleses sanguinários, em clara demonstração de juízo de valor, que Chico se apressou em botar na responsabilidade póstuma de Humberto de Campos, escritor que o "médium" passou a detestar depois da resenha jocosa no Diário Carioca.

Portanto, a conclusão que se tem é que Chico Xavier nunca passou de um grande orgulhoso, um falso humilde que se esforçou em manter a adoração pública, alimentada pelas paixões religiosas, tão terrenas e materialistas quanto as paixões mórbidas do sexo, do enriquecimento abusivo e das drogas. As paixões religiosas criam falsos humildes, que, no entanto, se mantém no seu pedestal da falsa luminosidade, produzida pela histeria da fé terrestre, que desenvolve uma idolatria não muito diferente do que qualquer celebridade movida pelo estrelismo extremo.

Assim, Chico Xavier, cuja imagem "iluminada" só encontra validade nas paixões terrenas do deslumbramento religioso, foi apenas um arrivista que buscou o conforto da popularidade extrema através do status de ídolo da fé, um pretenso humilde blindado por entidades nada humildes, como o poder midiático, jurídico e econômico, que sempre se beneficiaram pela idolatria religiosa que faz as pessoas pobres ficarem conformadas com sua inferioridade social.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Silêncio da imprensa em torno do caso Divaldo Franco-João Dória Jr. é grave

(Autor: Professor Caviar)
De repente, até a imprensa de esquerda desaprendeu a fazer jornalismo. O prefeito de São Paulo, João Dória Jr., enquanto divulgava a intragável "farinata", composto alimentar de procedência e valor nutricional duvidosos, exibiu o tempo todo a camiseta do evento Você e a Paz, comandado pelo "médium" Divaldo Franco. O silêncio total da imprensa quanto a este aspecto tem muito o que dizer, e não são coisas boas.
Em primeiro lugar, João Dória Jr. não exibiu a camiseta do Você e a Paz porque foi a única camiseta branca que encontrou ele que costuma usar camisas de colarinho e paletó. Também não foi uma iniciativa comparável à de um moleque usando camiseta de banda. Houve um propósito para João Dória Jr. aparecer vestindo a camiseta do Você e a Paz, na qual havia o crédito do nome de Divaldo Franco.
Nenhum jornalista, por mais investigativo que fosse, chegou sequer a perguntar: "ora, se a 'farinata' era apoiada pela Arquidiocese de…

Por defender a ditadura militar, Chico Xavier devia perder homenagens em logradouros

(Autor: Professor Caviar)

Pode parecer, para muitos, cruel e injusto, mas a verdade é que Francisco Cândido Xavier deveria perder as homenagens dadas a logradouros por todo o país.
Na famosa entrevista ao programa Pinga Fogo, em julho de 1971, Chico Xavier exaltou a ditadura militar, com muita convicção, e disse para orarmos para as Forças Armadas, porque os militares estavam construindo o "reino de amor" do Brasil futuro.
Demonstrando um raivoso direitismo, Chico Xavier simplesmente disparou comentários contra manifestantes sem-terra e operários, com um reacionarismo descomunal e que muitos não conseguem imaginar, apegados à "dócil imagem" atribuída ao anti-médium mineiro. Quem duvida, é só ver o vídeo no YouTube. E é o próprio Chico Xavier quem diz, para tristeza de seus seguidores.
Ele defendeu a ditadura militar num contexto em que ela se mostrou bem mais repressiva. Era a época do DOI-CODI, principal órgão de repressão, que aprisionava, torturava e matava pri…

Um grave equívoco numa frase de Chico Xavier

(Autor: Professor Caviar)
Pretenso sábio, o "médium" Francisco Cândido Xavier é uma das figuras mais blindadas do "espiritismo" brasileiro a ponto de até seus críticos terem medo de questioná-lo de maneira mais enérgica e aprofundada.
Ele foi dado a dizer frases de efeito a partir dos anos 1970, quando seu mito de pretenso filantropo ganhou uma abordagem menos confusa que a de seu antigo tutor institucional, o ex-presidente da FEB, Antônio Wantuil de Freitas. Nessa nova abordagem, feita sob o respaldo da Rede Globo, Chico Xavier era trabalhado como ídolo religioso nos moldes que o jornalista católico inglês Malcolm Muggeridge havia feito no documentário Algo Bonito para Deus (Something Beautiful for God), em relação a Madre Teresa de Calcutá.
Para um público simplório que é o brasileiro, que anda com mania de pretensa "sabedoria de bolso", colecionando frases de diversas personalidades, umas admiráveis e outras nem tanto, sem que tivesse um hábito de lei…