Camila Pitanga, João de Deus e a maldição do "Velho Chico"


(Autor: Kardec McGuiver)

Quem leu as colunas de celebridades em sites brasileiros sabe que a novela Velho Chico foi um festival de irregularidades. Brigas entre membros da equipe de produção aconteceram. Este festival acabou culminando em um trágico desfecho na vida real: a morte do galã Domingos Montaigner por afogamento. Triste fim para uma novela que nem deveria ter começado a ser produzida.

Camila Pitanga nadou com ele e conseguiu se salvar da correnteza. Montaigner não. Há suspeitas de que o ator, excelente nadador, tenha ficado preso em alguma pedra (há muitas no fundo no rio em que ele tomava banho). Camila tentou salvar o ator, mas não conseguiu.

Agora, me chega a notícia de que Camila Pitanga visitou o médium João de Deus para agradecer por ter escapado da morte (se a salvação foi "por decisão divina", porque ela escapou e Domingos, não?). Um fato estranho ela ir ver o tal médium, se observarmos alguns detalhes desta estranha visita.

Primeiro, Camila é ateia assumida. Segundo, porque agradecer justamente a João de Deus por ter escapado da morte, se ela sabe muito bem que ela escapou por esforço próprio? E terceiro e mais estranho ainda: é que João de Deus é um picareta, um charlatão. 

João de Deus é um curandeiro que enriqueceu misteriosamente e que se recusou a aplicar em si mesmo os métodos de curandeirismo que costuma praticar, para tratar de um câncer, quando se sabe que médicos podem realizar operações em si mesmos.

Essa visita de Camila a João de Deus, me põe a pensar. João de Deus é uma das novidades nas lideranças do "Espiritismo" brasileiro, esta forma igrejeira semelhante ao Catolicismo que usa o nome de Allan Kardec para se promover, mas que na prática se limita a exaltar o mais retrógrado moralismo cristão e praticar a caridade paliativa, aquela que "ajuda" sem resolver problemas.


Camila foi ao centro que ele administra, na cidade de Abadiânia, em Goiás e tirou uma foto com uma assessora do centro. Curioso o nome da cidade, pois Abadiânia lembra Abadia, a cidade da aparição de Nossa Senhora que criou a versão da santa da qual o médium Chico Xavier, modelo-padrão para João de Deus, era devoto.

Para piorar ainda mais as coincidências, teria sido Chico Xavier responsável pela onda de azar que envolveu a produção da Novela "Velho Chico"? Pois o nome, apesar de se referir ao famoso rio nordestino, poderia servir como referência ao médium, o maior farsante religioso de todos os tempos.

O "Espiritismo" brasileiro traz muito azar, pois no Brasil, ninguém se preocupou em estudar a sério a doutrina, que no país, age como uma Tábua Ouija, uma brincadeira de copo a atrair espíritos de índole duvidosa a bagunçar com o destino de seus seguidores. O nome da novela, associado ao nome do médium pode ter atraído uma baita energia negativa, sob o comando de espíritos obsessores que andavam com o famosíssimo beato católico que praticava mediunidade.

Essa irresponsabilidade doutrinária, já iniciada por Bezerra de Menezes e corroborada por Xavier, Divaldo Franco, João de Deus e outras lideranças, tem ensinado errado o que e o mundo espiritual, se limitando a caridade paliativa e praticando curandeirismo irresponsável, sem o conhecimento necessário de medicina e as condições necessárias para a sua prática. 

Essas e outras comprovam a maneira errada de como o "Espiritismo" é praticado no Brasil. Sem estudo adequado, o risco de interferência de espíritos mal intencionados é gigantesco e isso pode gerar inúmeros danos e de vários tipos nas vidas de seus seguidores. Conheço inúmeros casos que comprovam a tese de que "Espiritismo" brasileiro prejudica a vida das pessoas.

Arrogantes (cadê a tão falada humildade?), as lideranças "espíritas" alegam que "sabem tudo" e por isso não precisam estudar a doutrina que, segundo eles, já está embutida em suas consciências. Pura balela, pois sabemos que sábios perfeitos não reencarnam em planetas de provas e expiações. Se eles fossem sérios, estudariam antes de posar de gurus infalíveis e de "espíritos puros encarnados".

Eu admirava o ateísmo de Camila Pitanga. Ateus são realistas e praticam bondade com mais espontaneidade e eficiência. Ateus não se iludem com facilidade. Mas de uns tempos pra cá, Camila anda decepcionando com um estranho religiosismo demonstrado em várias atitudes e declarações. 

Parece que o espiral do silêncio a atingiu em cheio. Rodeada de fanáticos religiosos, viu o seu ateísmo se atrofiar e resolveu seguir a voz da maioria: "sou cristã, meu povo! Pode me abençoar!". Estamos caminhando para trás. Em tempos de regressão sócio-político-intelectual, nada mais me surpreende. Nem uma ateia virar beata. Com a bênção de um charlatão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria