Pular para o conteúdo principal

O Emanuel da Codificação não é o Emmanuel de Chico Xavier

(Autor: Profeta Mentalista)

"Conhecereis a árvore pelos seus frutos", como sempre alertava Jesus. Para se perceber o valor de alguém, deve se observar suas atitudes e suas palavras. Mas nos movimento espírita brasileiro, a maioria dos fiéis não estão nem aí para isso. O prestígio dado (muitas vezes gratuitamente, sem motivo) já basta.

Para os brasileiros, os médiuns e os espíritos que os acompanham ganharam um prestígio gigantesco, mas não meritório. Sobretudo o padre português Manoel da Nóbrega, que adotou a alcunha de "Emmanuel" e que é considerado o "guia espiritual" de Chico Xavier (embora as suas atitudes demonstrassem traços de obsessão) e por isso um "espírito superior" quando na verdade nem perto disso estava.

Mas gozando de um prestígio imenso perante os seguidores brasileiros da doutrina, um motivo a mais foi embutido em sua imagem para aumentar ainda mais a sua influência perante os mais ingênuos admiradores do ainda mais ingênuo Chico Xavier.

No trecho sobre O Egoísmo, incluído na análise do Evangelho, segundo o Espiritismo, codificado por Allan Kardec, há uma mensagem atribuída a "Emmanuel" falando sobre o assunto. Por ufanismo, fanatismo religioso e fé cega, os espíritas brasileiros atribuíram ao suposto "guia" de Xavier a autoria do texto. Apesar de ter sido português em sua encarnação mais famosa, o fato de ter trabalhado no Brasil e de ter sido o "tutor" do mais idolatrado médium brasileiro podem ter dado a vaidade necessária para que os fanáticos dessem crédito ao jesuíta.

O verdadeiro Emanuel (com um "m") era sueco

Descobrimos a verdadeira identidade do "Emmanuel" da codificação. Na verdade, era um sueco, Emanuel von Swedenborg (com um "M", mesmo - a tradução brasileira pode ter dobrado, com intenções de reforçar o falso mito), um intelectual muito admirado por várias personalidades importantes, como Arthur Conan Doyle e Hellen Keller e considerado um dos percursores do Espiritismo. Clique no link em seu nome para saber mais sobre ele.

Não há como o jesuíta ter participado da codificação

Tolice achar que o Emmanuel da codificação era o jesuíta que acompanhou Chico Xavier. Pseudo-sábio típico nas descrições do próprio Kardec, Emmanuel da Nóbrega não era um espírito evoluído. Jesuíta, apoiou uma chacina de muitos indígenas, além de ter colaborado com o extermínio de toda a sua cultura, com o pretexto de conversão ao "cristianismo". Como um espírito, que não reencarnou após uma vida cheia de erros graves, pode ser considerado "superior", como se tivesse evoluído de maneira ultra-rápida, sem reencarnar ou sofrer as consequências de seus equívocos, em segundos?

Emmanuel não tinha o preparo moral e muito menos o intelectual para uma tarefa tão nobre como participar da codificação. Somente o fanatismo cego dos seguidores de Chico Xavier podem afirmar com "absoluta certeza" de que um padre que queria acabar com a cultura indígena (nem que acabasse também com os próprios indígenas), com suspeitas de querer fazer o mesmo com o Espiritismo, já que achava que o catolicismo era a filosofia dos "civilizados", escreveu uma mensagem que só deveria vir de alguém superior em moral e intelecto.

Falta aos espíritas brasileiros verificarem o teor das mensagens e a biografia de quem as difunde, para não serem enganados e não levarem gato por lebre. Mensagens elevadas não podem vir de espíritos medíocres com intenções duvidosas.

O Emmanuel de Chico definitivamente nunca foi o Emanuel da codificação. Quem achar que ambos são a mesma entidade, está sendo enganado e vive em ilusão. O Emanuel da codificação tinha que ser alguém com mais responsabilidade que o jesuíta que obrigou Chico Xavier a publicar livros cheios de erros e bobagens.

A árvore se reconhece pelos seus frutos. E os frutos amargos de Emmanuel da Nóbrega não deveriam vir de uma das doces árvores que contribuíram para a codificação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

(Autor: Artur Felipe Azevedo)
Nosso Sistema Solar é composto de 8 planetas. Um leitor anônimo escreveu um comentário, dizendo o seguinte:

"Respeito a opnião (sic) de vocês, mas estão um pouco desatualizados. Se não sabem, foi descoberto um planeta próximo a Plutão, denominado Planeta X, mas que anteriormente foi citado pelo medium Chico Xavier como o Planeta Chupão. Se voces ligarem a teoria espirita com a lógica, viriam que jamais ela errou, mas se exitam em falar sem ao menos saber em que se resume tal coisa. http://geniusvirtual.blogspot.com/2009/07/seria-o-apocalispe-o-planeta-chupao.html  Esse link acima é para a reportagem completa, e abaixo dela está a fonte. Essa repostagem nao é espirita, é científica.
Parem um pouco e leiam para depois falar. É por isso que sempre digo: NÃO PODEMOS FALAR MAL DE ALGUMA COISA QUE NAO CONHECEMOS COMPLETAMENTE, APENAS SE APOIANDO EM SUPOSTOS COMENTARIOS OU SUPOSIÇÕES."


Bem, vemos que o colega ramatisista parece convencido da existência do …

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

(Autor: Professor Caviar)
Na madrugada de ontem, numa serra na Colômbia, um trágico acidente ceifou quase todos os ocupantes de um avião que levava a equipe catarinense Associação Chapecoense de Futebol, time conhecido como Chapecoense ou, simplesmente, Chape.
No acidente, inicialmente 75 pessoas faleceram. A maioria dos jogadores do Chapecoense, parte da tripulação boliviana que estava no avião, jornalistas e dirigentes esportivos. Apenas seis pessoas foram resgatadas com vida. O famoso zagueiro Neto foi resgatado com vida, e está sob cuidados médicos.
A tragédia comoveu o mundo inteiro e revelou um sonho interrompido de um time em ascensão. Consta-se que o Chapecoense era melhor do que muito time festejado que vence fácil qualquer torneio, e seu time era considerado de grande entrosamento. Com a perda de muitos desses jogadores, o time terá que recomeçar a temporada de 2017 do zero, provavelmente aproveitando jogadores juvenis.
Sob a ótica "espírita", fala-se que o aciden…

Por defender a ditadura militar, Chico Xavier devia perder homenagens em logradouros

(Autor: Professor Caviar)

Pode parecer, para muitos, cruel e injusto, mas a verdade é que Francisco Cândido Xavier deveria perder as homenagens dadas a logradouros por todo o país.
Na famosa entrevista ao programa Pinga Fogo, em julho de 1971, Chico Xavier exaltou a ditadura militar, com muita convicção, e disse para orarmos para as Forças Armadas, porque os militares estavam construindo o "reino de amor" do Brasil futuro.
Demonstrando um raivoso direitismo, Chico Xavier simplesmente disparou comentários contra manifestantes sem-terra e operários, com um reacionarismo descomunal e que muitos não conseguem imaginar, apegados à "dócil imagem" atribuída ao anti-médium mineiro. Quem duvida, é só ver o vídeo no YouTube. E é o próprio Chico Xavier quem diz, para tristeza de seus seguidores.
Ele defendeu a ditadura militar num contexto em que ela se mostrou bem mais repressiva. Era a época do DOI-CODI, principal órgão de repressão, que aprisionava, torturava e matava pri…