Maior Brasileiro: Chico não mereceu esse título

(Autor: Profeta Mentalista)

O título de "Maior Brasileiro de Todos os Tempos" (título exclusivamente materialista - espírito não tem pátria), oferecido pelo SBT foi dado, por votação, ao médium mineiro Chico Xavier, falecido em 2002. Os espiritólicos ficaram eufóricos. Mas se o conhecimento do Espiritismo fosse maior e se a doutrina fosse seguida de maneira séria e racional, perceberiam que este titulo na verdade, é um grande erro.

Xavier é estigmatizado como o "homem mais bondoso do Brasil", tratado pelos seus admiradores como uma divindade, quando na verdade, seus atos de bondade eram normais, nada além do que qualquer pessoa comum é capaz de fazer. Mas Xavier também fez maldade. Sem intenção, mas fez. Uma grande maldade.

Através de seus livros e de todo o mito construído pela FEB - a responsável dolosa dessas maldades - ao seu redor, Xavier serviu como um grande freio de mão na evolução espiritual do brasileiro, sufocando a racionalidade através de muitos erros, muitas fantasias e uma avalanche de enxertos católicos, pois esta era a sua verdadeira religião, assumida via satélite na famosa entrevista para o programa Pinga Fogo, em 1971.

Através de Xavier, considerado pelos espiritólicos como o "verdadeiro codificador do Espiritismo" (sic), as lições de Kardec foram ignoradas, alegadas como "ultrapassadas" e um monte de médiuns e falsos médiuns, seguindo o exemplo do famoso mineiro, começaram a escrever livros e mais livros semelhantes aos de seu "mestre", desviando cada vez mais os que se dizem "espíritas" da fé raciocinada, transformando a verdão brasileira da doutrina em mais uma religião igrejista onde o dogmatismo resultante da fé cega e a crença em teses que não passam de lendas fictícias, tomam as rédeas.

Como uma pessoa que fez um grande desserviço em distorcer uma doutrina, emperrando a evolução espiritual de uma população pode ser considerada "o mais evoluído do Brasil"? E como chamar de "bondade em pessoa" um cara que ingenuamente difundiu mentiras para todo o país - e para o mundo - iludindo massas e atrofiando a capacidade intelectual de seus seguidores?

Xavier fez mal. Um gigantesco mal e mesmo tendo feito isso culposamente, sem intenção, deverá pagar por isso. O médium mineiro adiou a evolução espiritual da população brasileira, prendendo seus seguidores neste sectarismo religioso resultante do sincretismo católico que acabou impondo ao Movimento Espírita brasileiro. Tirou de gigantescas multidões a oportunidade de encarar as coisas com mais racionalidade, fazendo com que elas tenham uma chocante decepção ao chegarem no mundo espiritual, ao perceberem que não é nada como vivem acreditando.

Não sei até quando o chiquismo irá durar. Só sei que, com os danos aparecendo por aí, surge uma necessidade de retomar as origens kardecianas e revisar os livros fundamentais da doutrina para esclarecer essa população que ainda não conhece o verdadeiro Espiritismo, ainda muito desconhecido no Brasil, substituído por uma gororoba de crenças absurdas que travam evolução espiritual de muitas pessoas mostrando que "bondade" é acreditar e difundir absurdos travestidos de "fé raciocinada".

Muitos brasileiros fizeram muito mais que Chico Xavier. Não a caridade estereotipada que consagrou o citado médium. Mas a verdadeira caridade, aquela que ajuda a sociedade a se impulsionar como um todo, com mudanças concretas e significativas. Xavier não mudou nenhuma de suas almas tuteladas. Com ele tudo ficou como está, há décadas. 

Só a falta de discernimento, a fé cega e a comoção que se tem a um velhinho doente, podem dar razão à essa "conquista". Ganhou Chico Xavier, mas quem perde e o Espiritismo e seus seguidores, cada vez mais iludidos com mentiras que impedem qualquer desenvolvimento intelectual, indispensável para se entender a realidade que nos cerca, aqui e no mundo espiritual.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria