Erro de muitas décadas, difícil de ser corrigido

 (Autor: Profeta Gandalf)

Infelizmente, o Espiritismo, o verdadeiro, o sério, o racional, ainda é bem desconhecido pelo país. O nome de Kardec é constantemente citado, mas como uma espécie de "cartório" para dar autenticidade aos erros constantemente difundidos nessa forma deturpada de Espiritismo.

Esta forma estranha da doutrina, segue  contaminada de fantasias, enxertos, pieguice e o que é pior: a influência de espíritos mal intencionados como Emmanuel, jesuíta intrometido que foi infiltrado como uma espécie de "troll" para bagunçar a doutrina, mas usando falsa bondade e falsa sabedoria. Tudo isso sob o comando dos católicos enrustidos da roustainguista FEB.

Mas todo esse erro se consagrou durante muitas décadas, a ponto de ser a única forma de Espiritismo que grande parte das pessoas conhecem. Apenas quem se dispõe a participar das discussões pela internet acaba sendo estimulado a romper com a zona de conforto da fé FEBiana e pesquisar mais sobre a doutrina codificada por Allan Kardec, cujo nome tem sido utilizado em vão, como se as ideias roustainguistas fossem dele.

Autor sem ideias e ideias sem autor

Falando nisso, meu irmão Alexandre (que colaborou em alguns textos publicados por aqui), fez uma observação interessante. Os espiritólicos (nome mais adequado aos seguidores dessa forma deturpada de Espiritismo) cultuam Kardec sem conhecer suas ideias. Mas seguem Roustaing sem saber quem ele é. Ou seja, um autor sem ideologia e uma ideologia sem autor. Sabe o que os FEBianos fizeram? Assimilaram as ideias de Roustaing como se fossem de Kardec. Simples. E a confusão finalmente foi consagrada.

Por isso mesmo que os espiritólicos continuam a cultuar Kardec sem sequer pegar em uma página de algum livro seu. Uma doutrina frouxa, construída na base do "ouvi dizer que..." é o que se transformou a Doutrina Espírita no Brasil, com erros gravíssimos infelizmente consagrados e um grande travamento na evolução espiritual dos seus seguidores que chamam de "fé raciocinada" a mesma fé cega que começa aos poucos a sumir das outras religiões.

Biografia de Kardec tenta associá-lo a Chico Xavier

Caramba! Está muito difícil se livrar dessa carcaça ideológica que é o mito Chico Xavier. Para o mal do Espiritismo e para o mal do falecido médium, que no fundo não queria estar envolvido com isso. Xavier era católico da gema, praticante assíduo e devoto de Nossa Senhora da Abadia, para quem rezava o terço todos os dias. 

O verdadeiro Espiritismo nada tem a ver com isso e a influência do ingênuo médium mineiro tem sido altamente nociva, com a ajuda dos obsessores que Xavier nunca se esforçou em expulsar, pensando ser seus "mentores". Estigmatizado como o "homem mais bondoso da Terra", Xavier nunca fez nada para transformar a sociedade e ainda fez um terrível mal, emperrando a evolução espiritual de seus seguidores e admiradores, estimulando a fé cega e a caridade paliativa.

Para piorar, foi lançada a biografia de Allan Kardec por Marcel Souto Maior. Como ele nem é espiritólico e nem espírita, aceitou o estigma da doutrina no Brasil e considerou  nesta obra que o fervoroso católico Chico Xavier, que nunca leu uma obra de Kardec, fosse discípulo deste. O mesmo Souto que conseguiu provar, através de outra obra escrita por ele, que Xavier era católico praticante na biografia sobre este. Estranho.

Um texto pedante, mal informado e cheio de erros graves foi publicado no site da Isto É, provavelmente com base nas informações distorcidas dadas pela FEB, para divulgar o livro. 

Uma oportunidade perdida para mostrar aos outros o verdadeiro Espiritismo. A deturpação consagrada por muitas décadas segue ainda bem forte, enganando muitas pessoas e adiando a evolução espiritual que já deveria estar acontecendo. 

Quando todos perceberem que o "Espiritismo" brasileiro da FEB, consagrada pela imagem do "bom velhinho" Chico Xavier, é na verdade uma fraude muito bem bolada pelos farsantes encarnados e desencarnados, será tarde demais. Triste ver o nome de Kardec envolvido nisso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria