Os deturpadores do Espiritismo colocados contra a parede

Em 1948, uma mensagem dita por um espírito em uma sessão mediúnica, alertou que viria uma falange de espíritos mistificadores, com a maioria de seus integrantes de origem católica, com a missão de deturpar o Espiritismo, impedindo a evolução intelectual da sociedade brasileira e impedir também o fim do Catolicismo como principal religião do país.

Antes de falar mais sobre isso, vamos ver o que Allan Kardec fala a respeito dos espíritos mistificadores:

 "Não se deve esquecer que há entre os Espíritos, como entre os nomes, falsos sábios e semi-sábios, orgulhosos, presunçosos e sistemáticos. Como só aos Espíritos perfeitos é dado tudo conhecer, para os demais, como para nós, há mistérios que eles explicam à sua maneira, segundo as suas idéias, e sobre os quais podem formar opiniões mais ou menos justas, que por seu amor próprio querem fazer prevalecer e gostam de repetir em suas comunicações. O erro está na atitude de alguns de seus intérpretes, esposando com muita precipitação opiniões contrárias ao bom senso e fazendo-se os seus divulgadores responsáveis. Assim, as contradições de origem espírita só têm por causa a diversidade natural das inteligências, dos conhecimentos, da capacidade de julgar e da moralidade de certos Espíritos que ainda não estão aptos a tudo conhecer e compreender" (Allan Kardec, in O Livro dos Médiuns, Cap. 27 - Contradições e mistificações, Tradução de José Herculano Pires)

Vamos fazer uma radiografia superficial dos espíritos mistificadores mais famosos da deturpação doutrinária que está sendo feita no Brasil, para que possamos perceber que eles não são de confiança.

Lembrando que seguindo a lei da atração, espíritos superiores quase não vem ao nosso planeta, a não ser em horas bem raras. O planeta não possui o nível necessário para permitir uma presença constante de espíritos superiores. O que significa que temos, em grande maioria, de medianos a inferiores se comunicando com frequência por aqui. 

Vamos a listinha:

ANDRÉ LUÍS - Pelo que tudo indica, esse espírito nunca existiu. Atribuído a de um médico brasileiro que supostamente foi dirigente esportivo (os fanáticos em futebol que são fanáticos espiritólicos devem estar eufóricos!) e que era uma pessoa promiscua. Ao morrer, num curto espaço de tempo se evolui rapidamente de espírito duro a iluminado, num processo que a lógica e o bom senso considera absurdo. 

Espiritólicos se divertem ao tentar confirmar se André era a reencarnação dos cientistas Osvaldo Cruz e Carlos Chagas, o que evidências comprovaram ser impossível. Talvez a insistência neste dogma falso seja para dar uma "credibilidade científica" ao personagem que teve nome e imagem escolhidos pelo seu suposto médium Chico Xavier, baseado em pessoas que este conhecia (André Luíz Xavier era o nome de seu irmão). Supostamente encarnado numa época onde existia fotografia, nenhuma foto de André foi encontrada. Sua suposta aparência é conhecida apenas através de desenhos, o que reforça o fato de ter sido uma ficção.

Não podemos confirmar se André foi um personagem inventado por Xavier ou um espírito gozador que se identificou como tal. Há indícios que a primeira hipótese seja correta, pois há evidências de momentos de animismo (uma espécie de auto-mediunidade, onde o médium recebe mensagens dele mesmo, em transe sonambúlico) em Xavier.

JOANNA DE ANGELIS - Supostamente, é a mesma madre Joana Angélica, que atuou no Convento da Lapa (hoje campus da UCSAL), que fica na rua que levou seu nome, próximo ao principal terminal de ônibus de Salvador, a Estação da Lapa. Conheço tanto o campus (onde cheguei a passar várias tardes na biblioteca, estudando) quanto o terminal. 

Bastante autoritária, o espírito de Angelis obsedia o médium Divaldo Franco, muito popular no Brasil (possivelmente o sucessor de Xavier, pelo menos em popularidade). Este, de fala estranha, mas sedutora, segue a linha ramatisista e costuma difundir ideias  pseudo-cientificas, mas um tanto delirantes, misturadas a mensagens de amor e caridades tradicionais no Espiritolicismo. Franco viaja muito no Brasil e em outros países a mando da FEB para difundir as ideias erradas disseminadas por aqui.

BEZERRA DE MENEZES - Um dos fundadores da FEB, que do mesmo modo que Chico Xavier, nunca abandonou o Catolicismo, sendo devoto de Nossa Senhora (ausente no Espiritismo verdadeiro, mas enxertado no Espiritolicismo), era realmente uma pessoa muito bondosa. Como político chegou a participar de fato do movimento abolicionista (do contrário da princesa Isabel, mera funcionária que carimbou e assinou o que já estava decidido - uma revista espiritólica tentou atribuir um caráter abolicionista à filha de D. Pedro II, o que fatos históricos provam ser uma farsa). 

Falecido, passou a se comunicar através de vários médiuns, predominantemente através do baiano José Medrado, fundador da Cidade da Luz, um lugar muito agradável que tive a oportunidade de conhecer, onde cuida de crianças de maneira realmente digna. Apesar de não ser um farsante como os outros espíritos, Menezes se limita a mensagens de amor e caridade e despreza o lado científico da doutrina (apesar de incautos o definirem como o "Kardec brasileiro", aposto que se encaixa melhor em Herculano Pires). 

Quando encarnado foi um empolgado defensor de Roustaing (motivo da clássica discórdia com Angeli Torteroli, este defensor da pureza kardeciana, que eu também defendo), que considerava uma ideologia moderna, colaborando para que esta fosse a filosofia da FEB, algo que é mantido até hoje. É um espírito muito admirado no Brasil e suas manifestações atraem muita gente, a maioria de meros curiosos.

RAMATIS - Enxertado no Espiritismo brasileiro, na verdade o atribuído espírito era um difusor do Espiritualismo Universalista, uma seita à parte. Vários médiuns se diziam se comunicar com eles, mas o mais comum era Hercílio Maes. Altamente exotérico, era entusiasta da "Nova Era", "Era de Aquário" e outras bobagens similares. Suas ideias eram uma gororoba de várias crenças exotéricas, sobretudo a teoria dos chacras. Os centros espitirólicos preferem usar suas ideias para treinar médiuns do que O Livro dos Médiuns de Kardec, alegando ser este um livro "difícil" e "ultrapassado". Defende algumas teses absurdas sobre Jesus (mas discordando da teoria do corpo vaporoso defendida por Roustaing) e sobre o apocalipse.

"HUMBERTO DE CAMPOS" ou IRMÃO X - Pus aspas no primeiro nome porque na minha opinião, com base no que verifiquei, é muito certo que o famoso autor não seja o mesmo espírito. Excelente intelectual, Campos foi jornalista, escritor, político e membro da Academia Brasileira de Letras. Campos não teria condições de escrever o livro Brasil, Coração do mundo, Pátria do Evangelho, supostamente psicografado por Chico Xavier. "Brasil" é um livro (o pior da obra supostamente psicografada por Xavier, segundo muitos), cheio de erros, bobagens, muito mal escrito e coloca os fatos históricos na perspectiva 'heroica" dos governos ditatoriais da época, onde fatos eram distorcidos para forjar uma pompa que hoje os historiadores descobriram que nunca aconteceram. Além disso, o livro é altamente ufanista, o que é contra a tese verdadeiramente espírita que diz que espíritos não possuem pátria. 

A família do jornalista entrou com processo contra Chico Xavier para que confirmasse a autoria e em caso positivo, recebesse da FEB os direitos autorais. A família perdeu. Depois desse episódio, que rendeu muita polêmica, o suposto espírito passou a assinar Irmão X.

EMMANUEL - Principal nome do Espiritolicismo, supostamente é ao mesmo Padre Manuel da Nóbrega que foi um dos líderes da Companhia de Jesus, que tentou converter os índios, na marra, ao Catolicismo. Para entender melhor os chamados jesuítas, integrantes da CJ, vejam este verbete e o dedicado ao citado padre. Até facilitariam o entendimento de quem foi o maior obsessor de Chico Xavier, cruel e autoritário, que nunca respeitou sequer a saúde do médium, que acreditava viver um carma inalterável (o que as obras de Kardec desmentem com categoria). 

Emmanuel traduz com perfeição o espírito mistificador, autoritário, pseudo-sábio de que Kardec alertara em suas obras. De linguajar doce, mas rebuscado, costumava ditar obras e mais obras sobre fatos históricos cheios de erros. Afirmava ter sido o senador Publio Lentulus, um personagem fictício criado para que pudesse justificar que "viveu nos tempos de Jesus". É um dogma espiritólico acreditar que todos os envolvidos, seguidores, médiuns e donos de centros, viveram no mesmo tempo e território que Jesus. Historiadores comprovaram a inexistência de Lentulus.

Tido como "anjo da guarda" de Xavier, Emmanuel era na verdade um obsessor do tipo fascinador. A fascinação é um tipo grave de obsessão em que o médium adquire uma confiança cega e imutável no seu obsessor, servindo-lhe de escravo das vontades do tal espírito. O tipo de relação entre Xavier e Emmanuel deixava bem claras essas características.

É nosso dever ignorá-los

Bom estes são os principais deturpadores do Espiritismo, transformando-o no Espiritolicismo cheio de erros, fanatismo, pieguice e enxertos de outras religiões, que impedem a compreensão de uma doutrina que nasceu científica, mas se encontra mergulhada na fé cega que Kardec tanto se esforçou em combater. 

Não devemos dar ouvidos a esses espíritos citados. As suas orientações, mesmo as mensagens de amor, paz e caridade, são inúteis para a nossa evolução espiritual. Jesus e Kardec já bastam para entendermos tudo. O resto é desvio para permanecer na ignorância em que nos encontramos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não há resgate coletivo. E isso o cotidiano nos explica com facilidade

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista

Madre Teresa de Calcutá e a caridade como mercadoria